Notícia

Esteta

Razão e sensibilidade

Publicado em 01 dezembro 2013

Por Manuel Alves Filho

Tese de doutorado do geógrafo Roberison Wittgenstein Dias da Silveira, defendida recentemente no Instituto de Geociências (IG) da Unicamp, joga luzes sobre a obra do geógrafo, filósofo, historiador, explorador e naturalista alemão Alexander von Humboldt. No trabalho, orientado pelo professor Antonio Carlos Vitte, o autor oferece novos elementos para a compreensão da aparente contradição entre método e sistemática presente nos trabalhos de Humboldt. De acordo com a hipótese levantada por Silveira, o cientista alemão teceu um significado metodológico próprio e original, por meio do qual promoveu a associação entre razão e sensibilidade, ciência e estética, descrição e explicação causal e mecanicismo e teleologia [estudo filosófico dos fins]. O estudo contou com financiamento da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp).

O trabalho de doutorado, explica Silveira, é em boa medida uma extensão da sua dissertação de mestrado, por meio da qual fez uma primeira aproximação dos conceitos trabalhados por Humboldt, especialmente na área da Geografia. "Durante a realização da dissertação, pude perceber inúmeras dificuldades e um universo amplo de pesquisa que renderia muitos anos mais de trabalho. Compreender o significado metodológico de Humboldt me pareceu uma das empreitadas mais espinhosas, isso porque o autor a quem sempre se referiam como um dos sistematizadores da Geografia Moderna parecia bastante ambíguo e contraditório no seu discurso", diz.

Muito do que o cientista alemão defendia do ponto de vista metodológico, conforme Silveira, implicava uma contradição sistemática importante. "Era como se ele fosse tributário de uma corrente de pensamento e, no mesmo trabalho, se posicionasse numa via contrária, sem nunca atingir uma síntese entre estas contradições, não só no que diz respeito ao conteúdo, mas principalmente na perspectiva do método". Diante dessa incongruência, o pesquisador da Unicamp tratou de buscar respostas para uma pergunta inescapável: afinal, qual era o método utilizado por Humboldt? Para fundamentar suas conclusões a respeito, o autor da tese recorreu a uma vasta bibliografia e mergulhou numa profunda investigação filosófica e conceitual.

O objetivo do esforço, destaca Silveira, era entender as reais condições da produção intelectual de Humboldt. "Um aspecto importante revelado pela pesquisa é que havia um processo intenso de transformações ocorrendo na virada do século XVIII para o XIX, e que Humboldt era um dos principais expoentes desse movimento. Naquele momento, as certezas sobre as verdades da razão estavam sendo questionadas. Havia uma contestação geral se a razão realmente poderia compreender tudo. É quando toma forma uma via aberta pela sensibilidade. Esta propugnava outras questões, tais como sentir antes de explicar o que era sentido e ser antes de discursivamente compreender o que se era", pormenoriza o autor da tese, acrescentando que o romantismo alemão era parte desse processo.

Naquele contexto, prossegue o autor da tese, a arte, especialmente a discussão estética e sua ligação entre razão e sensibilidade, assumiu uma posição central. Assim, a representação artística poderia superar as limitações do discurso meramente racional e mostrar como o mundo era muito mais amplo do que aquele defendido pelo iluminismo. A razão era importante e revelava uma perspectiva da realidade, mas, no entender dos integrantes dessa nova corrente de pensamento, ela carecia de uma dimensão experimentada, vivida. A arte, segundo esse entendimento, é que ofereceria elementos para a superação desses limites, levando ao efetivo conhecimento da realidade.

Humboldt, reforça Silveira, incorporou muitos aspectos dessa perspectiva romântica no seu processo de sistematização científica. "Entretanto, essa constatação não era suficiente para explicar a metodologia criada por Humboldt. Apesar de se adequar de muitas maneiras ao romantismo, ele também ia contra as principais concepções românticas, alinhando-se em muitas passagens à ideia de uma lei universal mecânica - como as leis universais de Newton - na explicação dos fenômenos naturais. Como cientista, Humboldt utilizava-se de um conjunto de conceitos e métodos que eram aparentemente incompatíveis com a fundamentação geral romântica", esclarece.

Apesar de registrar avanços com a investigação, Silveira ainda não havia alcançado, até então, uma resposta definitiva para o problema que havia se imposto. Esta veio somente a partir de um estudo mais detido do idealismo alemão, notadamente das proposições do filósofo Friedrich Schelling. Conforme o autor da tese, Humboldt fazia referência à forma como Schelling interpretava o mundo e a natureza. "Observando as proposições de Schelling, principalmente a recuperação que ele faz das ideias de Leibniz [Gottfried, filósofo e matemático alemão, a quem é atribuído, juntamente com Newton, o desenvolvimento do cálculo moderno], pude perceber que havia ali uma forma de sustentação coerente daquele método aparentemente contraditório", relata.

Na sua construção filosófica, informa Silveira, Leibniz promoveu a aproximação entre as causas finais e as eficientes, da mesma forma como Schelling pôde conformar causas teleológicas e mecânicas na construção do seu sistema de idealismo transcendental. Dito de outra maneira, para esses filósofos as causas mecânicas (ou eficientes) não implicavam uma contradição com as causas teleológicas (finais), na medida em que as primeiras eram apenas uma percepção e uma consideração limitada que não explicavam a realidade nela mesma, mas que deveriam ser consideradas em seu limite e associação com as causas teleológicas. "Assim, o mundo era compreendido como um grande organismo vivo, que se dirigia e agia por finalidade, mas que poderia limitadamente ser considerado, do ponto de vista mecânico (causa e efeito), sem incompatibilidade metodológica", pontua o pesquisador.

Humboldt, continua Silveira, deixa claro em muitas passagens de sua vasta obra que esta é a sua via e concepção. O imbróglio criado em torno do seu método, conforme o autor da tese, passa pela incompreensão da herança sistemática de Leibniz e Schelling. "Avançando nessa compreensão, puder perceber o papel da racionalidade e a inclusão da arte no projeto científico de Humboldt. Este era, de uma só vez, mecânico e teleológico, sensível e racional. Na obra desse filósofo e cientista, a paisagem aparece como elemento de integração sistemática geral. Ela enfrenta, de uma maneira científica singular, o problema central da filosofia: a discussão entre idealismo e materialismo (realismo)", sustenta.

Segundo Silveira, na perspectiva humboldtiana de paisagem, que é tributária da ciência do idealismo alemão, a resposta estava dada no sentido de uma síntese integradora, em que a essência era objetiva e subjetiva simultaneamente. "Desse modo, a partir do conceito de paisagem é que a Geografia toma a forma sistemática moderna. Ela enfrenta o problema metafísico de base e se coloca como uma ciência filosófica". A reflexão que se seguiu a esta descoberta, informa o autor da tese, foi como essa área do conhecimento se consolidou como ciência moderna. "A Geografia que aprendemos na escola e aquela praticada na Academia não têm nada a ver com as proposições unitárias de seus fundadores. A minha hipótese é a de que nos autocondenamos quando cumprimos a cartilha da modernidade e nos distanciamos de nossa gênese científica integradora. A Geografia, no curso de sua institucionalização, passou por um processo de perda da unidade", considera.

Nesse sentido, prossegue, o discurso se tornou meramente racional, a dimensão de análise passou a ser puramente objetiva e os aportes sistemáticos tiveram que optar por uma via mecânica ou teleológica. "Isso decretou teoricamente a desgraça da Geografia na modernidade, ainda que tenhamos desempenhado um papel institucional do ponto de vista do interesse do Estado, bem como um papel importante do ponto de vista corporativo científico. O pacote institucional da fragmentação departamental, de método e de propósito fez da Geografia um saber em vias de extinção, uma vez que seu sentido sempre foi a unidade. Em vista disso, nós que atuamos na área experimentamos, ao longo de toda a modernidade científica, uma posição secundária, seja do ponto de vista das ciências naturais, seja do ponto de vista das ciências humanas".

De acordo com Silveira, novas vias metodológicas da Geografia tentam enfrentar este problema, embora esbarrem em outros tantos, principalmente no interesse de afirmação institucional dos departamentos e do sentido exclusivo do conhecimento geográfico. "Entendo que o desvio central surgido com a perda de unidade do saber seja o ponto de inflexão da ciência geográfica e, nesse sentido, a tese defendida não é simplesmente a mostra de uma gênese perdida no tempo, mas a demonstração de que houve um abandono das vias sistemáticas que ainda permitiam algum sentido à Geografia. Somente essa recomposição, evidentemente reconsiderada e repensada à luz de nosso tempo, poderá recolocar a Geografia na trilha de um saber legítimo e menos preocupado com os domínios político-institucionais de um ou outro método, de um ou outro discurso, de um ou outro interesse".

Sobre a conquista do Prêmio Capes de Teses, Silveira diz que ficou contente e surpreso ao mesmo tempo. "A alegria, evidentemente, foi em função do reconhecimento do trabalho envolvido na realização da obra e dos inúmeros desafios interpretativos contidos na execução do projeto. A porção de surpresa foi justamente pelo tema proposto na tese e pelas provocações que ela carrega. Um trabalho de História do Pensamento Geográfico que avança no domínio espinhoso das proposições epistêmicas da Geografia não parece muito elegível, sobretudo porque entra em conflito com uma série de interpretações correntes sobre Humboldt e sobre a forma de construção científica contemporânea. Os geógrafos avaliadores demonstraram que ainda há espaço para novas discussões e proposições na Geografia, e que nossa gênese e as questões de método são centrais na construção de uma ciência geográfica unificada", avalia.

Publicação

Tese: "Filosofia, arte e ciência: a paisagem na geografia de Alexander "von Humboldt"

Autor: Roberison Wittgenstein Dias da Silveira

Orientador: Antonio Carlos Vitte

Unidade: Instituto de Geociências (IG)

Financiamento: Fapesp

Jornal da Unicamp