Notícia

O Imparcial (Presidente Prudente, SP)

Radar da Unesp de PP está inoperante

Publicado em 24 dezembro 2007

Um radar meteorológico (Banda S), do Instituto de Pesquisas Meteorológicas (IPMet) da Universidade Estadual Paulista (Unesp), instalado em Presidente Prudente, está inoperante desde o início deste ano. O equipamento, monitorado por um sistema digital, é capaz de emitir alertas de aproximação de chuvas, ventos e tornados. Segundo a Assessoria de Imprensa do instituto, o radar está parado por problemas técnicos que deverão ser solucionados em "breve" com a compra de um novo transformador de pulso (peça importada responsável pela irradiação do sistema) que está danificado. Estuda-se ainda a possibilidade do equipamento ser encaminhado para o Centro de Pesquisas Meteorológicas e Climáticas Aplicadas à Agricultura (Cepagri) da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), mas tal mudança, conforme a Unesp, é incerta devido à necessidade de reformulações e investimentos em infra-estrutura.

A Assessoria da Unesp, em São Paulo, que não soube informar o preço da peça, afirma que a solicitação para a compra já foi feita mediante um projeto que é avaliado pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), mas reafirma que não há uma data exata para o funcionamento do radar.

O radar, instalado em uma unidade de estudo da Unesp, situada na Rodovia Raposo Tavares, em frente ao posto da Polícia Rodoviária, consegue monitorar com eficácia fenômenos atmosféricos num raio de até 240 quilômetros. Conforme a Assessoria de Imprensa, a partir das imagens geradas pelo equipamento, associadas a um software desenvolvido no IPMet, em 1988, denominado Visualização de Imagens de Radar (Vira), é possível prever temporais, volume de chuvas numa determinada área, apontando possíveis alagamentos. Este processo vinha sendo desenvolvido em Prudente desde 1992, em parceria com a unidade de Bauru.

O dano operacional detectado no transformador de pulso, no início de 2007, prejudicou o sistema de captação de informações e deixou o radar inoperante. A compra da peça e a restauração do problema técnico ainda não têm data, e enquanto isso as pesquisas meteorológicas estão sendo desenvolvidas apenas em Bauru.

A Assessoria de Imprensa do IPMet ainda expõe que há pouco mais de dois anos foi discutida a transferência do equipamento para Campinas, já que ele está relativamente próximo ao instalado em Bauru. Tal mudança resultaria no monitoramento de fenômenos atmosféricos em outras regiões do estado de São Paulo, podendo atingir o sul de Minas Gerais.

Sobre isso, a Unesp afirma que se acontecer a transferência para o Cepagri, a Unicamp ainda deverá fazer adequações estruturais, um investimento não calculado e num espaço de tempo indeterminado.