Notícia

Rede Bom Dia

Racionamento é atitude irresponsável, diz Alckmin

Publicado em 02 agosto 2014

Geraldo Alckmin (PSDB) garantiu, neste sábado (02), que o racionamento de água seria uma "atitude irresponsável". O Tucano não pretende mudar suas medida para a prevenção da falta de água no estado. "Não pretendemos mudar nossa estratégia. A população tem aderido através do uso racional de água e seria uma atitude irresponsável neste momento fazer racionamento", disse durante a abertura do Fórum de Comércio e Investimento Brasil-Japão, em Pinheiros, Zona Oeste da capital.

Alckmin descarta racionamento de água em SP

O racionamento de água foi uma proposta do Ministério Público Federal (MPF) para evitar uma crise ainda maior no Sistema Cantareira. "Os prejuízos a Sabesp já avisou o MPF. É você colocar a população com um dia de rodízio e talvez três dias sem água, dependendo do local onde ela está, altura e pressão da água, todas questões operacionais. A Sabesp [Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo] fala isso porque já administrou um rodízio em São Paulo".

 

De acordo com o governador de São Paulo, o governo está pronto para assegurar o fornecimento de água até o período de chuvas chegar. Ele ainda disse que 90% da população diminuiu o consumo de água e o racionamento comprometeria a economia alcançada. A Sabesp também nega a necessidade de um racionamento e alega que o rodízio de água traria mais complicações do que soluções.

 

A falta de chuvas, aliada à alta temperatura, gerou a maior crise do Sistema Cantateira. Os menores índices já foram alcançados e, atualmente, o fornecimento de água está sendo possível devido ao uso do volume morto. Na manhã deste sábado, o Sistema estava com 15,1% do total do volume acumulado.

 

O Cantareira é formado pelas represas Jaguari, Jacareí, Cachoeira e Atibainha, lçocalizadas em São Paulo e na região do sul de Minas Gerais. Elas são responsáveis pelo fornecimento de água para aproximadamente de 9 milhões de pessoas da Grande São Paulo e  alguns lugares do interior do estado.

 

Acordo/ Pouco antes do evento em Pinehiros, o governador se encontrou com o primeiro-ministro japonês Shinzo Abe para discutir investimentos na parea de mobilidade urbana e de pesquisa e desenvolvimento, tanto no Brasil como no Japão.

 

Depois, foi assinado um acordo entre a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) e a Japan Science and Technology, uma das principais filiais que incentivam a ciência e a tecnologia japonesa.

 

O convênio entre as instituições prevê a colaboração entre o País asiático e o estado paulista para que ambos desenvolvam pesquisas em conjunto. De acordo com informações do governo, este é a 14º aliança internacional entre o estado e o Japão.