Notícia

JC e-mail

R$ 14 milhões em equipamentos para o Observatório Nacional

Publicado em 06 fevereiro 2007

Sismógrafos, gravímetros e aparelhos para medir o campo eletromagnético terrestre serão usados pelo ON e demais participantes da Rede Temática de Geotectônica

O Observatório Nacional (ON) iniciou a compra de equipamentos no valor de R$ 14,1 milhões que tem como objetivo fazer da instituição, que é vinculada ao MCT, um dos grandes centros mundiais de pesquisas em geofísica.
Serão adquiridos sismógrafos, gravímetros e equipamento magnetotelúricos — que utilizam variações do campo eletromagnético na superfície da Terra para investigar a estrutura da condutividade elétrica no interior do planeta.
Os aparelhos deverão ser utilizados por outras entidades de pesquisas que fazem parte da Rede Temática de Geotectônica, criada pela Petrobras.
De acordo com o MCT, os recursos derivam dos lucros obtidos com a exploração de poços gigantes de petróleo, conforme determinações de leis que regem a atividade.
Toda companhia petrolífera deve aplicar 1% desses lucros em pesquisas na área. A Petrobras aplica 0,5% em seu próprio centro de pesquisas, destinando parte igual a outras instituições.
A idéia do pool de equipamentos geofísicos foi apresentada pela primeira vez em 1996, em artigo publicado na Revista Brasileira de Geofísica, pelo atual diretor do ON, Sérgio Fontes.
A otimização de recursos para atender demandas das redes dedicadas à geociência, a possibilidade de diversificação dos projetos de pesquisa e uso de outras metodologias e a oferta de suporte para desenvolvimento instrumental são algumas das vantagens da implantação do pool.
Fazem parte da Redetec as universidades do Estado do Rio de Janeiro (Uerj), Federal de Minas Gerais (UFMG), Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), Estadual Paulista (Unesp) e a Federal de Ouro Preto (Ufop).
Segundo Fontes, o projeto permitirá um grande salto na quantidade e qualidade dos estudos geotectônicos realizados no Brasil, possibilitando uma ampliação expressiva do conhecimento da geologia e dos recursos naturais do país.
"Outro ganho do projeto é a consolidação do ON como um laboratório nacional na área da geofísica", disse.
Mais informações: http://www.on.br

(Agência Fapesp, 6/2)