Notícia

TV TEM (São José do Rio Preto, SP)

Quarentona, Famerp quer ser universidade

Publicado em 13 junho 2008

Por Luís Fernando Wiltemburg

Agência BOM DIA

Criada em 1968, a Famerp (Faculdade de Medicina de Rio Preto) completa hoje 40 anos com 3,5 mil alunos entre graduandos, pós-graduandos, mestrandos e doutorandos e o sonho de se tornar uma universidade da saúde em breve.

“Se o Estado do Paraná tem tantas universidades, por que São Paulo não pode ter mais uma?”, questiona o diretor-geral da Famerp, Humberto Liedtke Júnior. “Seremos a universidade de Rio Preto”, completa.

Para a instalação de quatro novos cursos, a direção da faculdade aguarda o repasse de 10 alqueires do IPA (Instituto Penal Agrícola), que será doada pelo governo do Estado para a administração municipal. “Nós queremos um prédio próprio, já que estamos em um emprestado, para a implantação de novos cursos”, afirma Humberto.

De acordo com ele, já há projetos prontos para implementação das graduações de fisioterapia, psicologia, fonoaudiologia e educação física. “Mas depende do interesse do Estado. Pode ser que outros cursos sejam considerados prioridades”, explica o diretor-geral da Famerp.

Para o próximo ano, a faculdade prepara a inauguração de um biotério com 2,7 mil m² e o Hospital da Criança, que vai acrescentar 250 leitos aos 900 atuais do Hospital de Base.

Festa

A Famerp comemora o aniversário com solenidade hoje à noite, na Villa Conte. A cerimônia social também terá coquetel dançante animado pela banda cover Bee Gees Alive.

Instituição mantém 400 trabalhos de pesquisa

As pesquisas realizadas pela Famerp angariaram, só no ano passado, R$ 7 milhões para financiamento.

Atualmente, são cerca de 400 linhas de pesquisa, das quais 119 têm financiamento das entidades brasileiras como Capes, CNPq, Fapesp Finep e das internacionais NIH (National Institute of Health, dos Estados Unidos) e Opas (Organização Pan-Americana de Saúde). A faculdade é a segunda no Brasil em publicações de pesquisas stricto sensu (mestrado e doutorado), segundo estudo do Instituto Lobo, superada apenas pelo ITA.