Notícia

Novas Technologias

Quantos cientistas ficarão num país que lhes nega dinheiro até para conta de luz?

Publicado em 28 abril 2019

Por *Marcelo Leite, Folha de S.Paulo

A visão sobre a pesquisa científica no governo de Jair Bolsonaro (PSL) oscila entre dois extremos. Nenhum deles se baseia na realidade.

Valoriza-a, em aparência, tendo fixado como meta, na campanha eleitoral, mais que duplicar o gasto com ela, elevando-a para 3% do produto interno bruto (PIB). Nessa seara, o país vegeta em torno de 1% do PIB; como se acha em situação orçamentária deplorável, nem em sonhos conseguirá dar esse salto nos próximos anos.

Na outra ponta, o presidente da República revela ignorância sobre a ciência nacional. A pretexto de elogiar a pesquisa avançada com grafeno na Universidade Mackenzie, afirmou que se faz mais pesquisa por aqui nas instituições privadas do que nas públicas —um equívoco colossal.

A verdade é exatamente oposta. Não só a maior parte do dispêndio (52%) se faz no setor estatal como as 20 mais produtivas universidades brasileiras são todas públicas e produzem 89% dos trabalhos científicos indexados na base de dados Web of Science, a mais importante do mundo.

Fantasias e erros factuais, no palanque ou no Planalto, não implicam, por certo, que eles encontrem eco na Esplanada. Bolsonaro instalou no Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) o ex-astronauta Marcos Pontes, um engenheiro aeronáutico com noção do que de fato se produz no campo da ciência.

Pontes tem pela frente missão bem mais desafiadora do que nas décadas de treinamento até lançar-se em uma única viagem espacial. Sua pasta sofreu um corte de 42%, mais de R$ 2 bilhões, do previsto na lei orçamentária, R$ 5 bilhões.

Não chega ao máximo de contingenciamento alcançado no Ministério de Minas e Energia (80%), é verdade. Mas ficou bem acima do talho nas verbas do MEC, por exemplo, da ordem de 32%.

De todo modo, foi o suficiente para mutilar programas essenciais, como a concessão de bolsas pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). O órgão já foi a principal fonte de recursos para manter estudos científicos no país, mas despenca ladeira abaixo.

O CNPq perdeu 33% de seu orçamento neste ano, reduzido a R$ 1 bilhão, depois de já ter caído 11% no ano anterior. Hoje, conta com menos recursos do que a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp). O presidente do conselho anunciou que só há verba para honrar bolsas até setembro.

A excelência e a relevância da pesquisa nacional ficaram patentes na pequena amostra exibida no evento sobre economia criativa Rio2C, que termina neste domingo (28) na capital fluminense. Longas filas se formaram para as sessões da sala Brain Space, estreante que esteve entre as mais concorridas da conferência.

Neurocientistas brasileiros apresentaram dezenas de estudos sobre efeitos no cérebro do exercício físico, do uso contínuo de aparelhos com tela, da meditação e do condicionamento mental com jogos de computador. Muitos poderão conduzir a terapias inovadoras para transtornos mentais e doenças como a de Alzheimer.

Quantos desses pesquisadores, a maioria formados ou atuantes em universidade públicas, permanecerão num país que lhes nega até o dinheiro para pagar contas de luz?

Entre a ignorância na cúpula do governo e a penúria no chão do laboratório, a pesquisa brasileira —em especial a que depende de verbas federais— terá dificuldade para manter o país entre os 15 que mais produzem ciência no mundo.

*Jornalista especializado em ciência e ambiente, autor de “Ciência - Use com Cuidado”.

Essa notícia também repercutiu nos veículos:
Folha de S. Paulo Folha.com Meridional FM