Notícia

UOL

Quantidade de CO2 retirado da atmosfera por florestas está superestimada, diz pesquisa

Publicado em 07 janeiro 2011

Estudo aponta corais como prova da mudança radical em correntes atlânticas

Veja especial sobre a Conferência do Clima em Cancún

A quantidade de carbono sequestrado pelas florestas, ou seja retirado da atmosfera, em todo o mundo está superestimada, diz pesquisa publicada na revista Science, desta sexta-feira (7). A taxa de fixação seria de 75% do valor previsto inicialmente.

O estudo liderado pelo sueco David Bastviken, da Universidade de Linkoping, analisou os fluxos de aproximadamente 500 ambientes aquáticos continentais. Rios, lagos e áreas inundadas são fontes substanciais de metano (CH4), um dos principais gases de efeito estufa (GEE) e causador do aquecimento global. O poder de absorção de radiação ultravioleta desse gás é cerca de 23 vezes maior que o dióxido de carbono (CO2).

Os pesquisadores concluíram que as emissões de metano por estes ambientes aquáticos podem representar até 25% do CO2eq absorvido naturalmente pelas florestas. (CO2 equivalente ou CO2e, é uma medida que expressa a quantidade de GEE como se todas as emissões fossem apenas de CO2, levando em conta o potencial de aquecimento global dos gases envolvidos).

Isso significa que é preciso levar em conta as emissões de CO2eq destas fontes naturais, o que faria com que a absorção de CO2 pelas florestas seja 75% do que era previsto, já que estas emissões não são normalmente contabilizadas.

E o que isso importa para o futuro? "Se diminuirmos o número de florestas, reduziremos também a quantidade de carbono a ser sequestrada. O aumento da área agrícola, em detrimento de florestas nativas como a Amazônica e o Cerrado, pode ter influência sobre lagos e rios e a emissão de metano nesses ambientes pode inclusive aumentar. Precisamos de estudos que nos permitam prever se isto ocorrerá ou não", disse Alex Enrich-Prast, professor do Departamento de Ecologia da Universidade Federal do Rio de Janeiro, e um dos autores do estudo.

"Ao longo dos bilhões de anos de existência da Terra, sempre existiu um equilíbrio natural entre os ciclos biogeoquímicos com a produção e o consumo das várias moléculas de carbono, como CO2 e CH4. O ser humano, ao impactar e alterar nossas florestas, lagos, rios e mares entretanto, tem interferido nesse processo, alterando um equilíbrio que evolui há bilhões de anos e obviamente afeta a produção mais gases".

* Com informações da Agência Fapesp