Notícia

Jornal da Unicamp

Quando o foco é a comunidade

Publicado em 15 abril 2013

A Unicamp aprovou no período 2009-2013 um total 97 projetos que se enquadram nos editais divulgados pela Pró-Reitoria de Extensão e Assuntos Comunitários (Preac). Visando promover ações de natureza social, artística, cultural, desportiva ou educativa, as propostas aprovadas receberam o total de R$ 776,3 mil, o que equivale à média de R$ 8 mil por projeto. Ainda nesse período, a Preac reviu, analisou e debateu sua razão de ser, através de um Planejamento Estratégico realizado em maio de 2012. Além de culminar com um plano contendo nove macro ações, a carta de intenções que contempla missão, visão e valores foi revista e atualizada.

A Escola de Extensão (Extecamp) – um dos principais braços das atividades de extensão – também mostrou resultados significativos. Atendeu a aproximadamente 22.616 mil alunos no período compreendido entre maio de 2009 a outubro de 2012. Foram mais de 98 mil matrículas em 3.990 cursos de extensão, totalizando 234 mil horas-aula ministradas. Ao longo do quadriênio, a Extecamp implantou 260 novos cursos. Deste total, a maior parte (30%) é formada pela área de Ciências Biológicas. Dos 5.648 cursos propostos no período, 70,64% foram efetivados, sendo que a área de Humanas e Artes foi a que apresentou maior sucesso na efetivação de cursos (83,7%). Com relação à carga horária, a área de Ciências Biológicas foi a que ministrou maior número de horas, num total de 151.810, o que representa 64,6% do total.

Também merece destaque a atuação da Incubadora Tecnológica de Cooperativas Populares (ITCP), que atua na incubação de empreendimentos solidários em três diferentes segmentos produtivos: agricultura familiar, resíduos sólidos e construção civil. Na área da agricultura familiar, a incubadora seguiu o processo de incubação de dois grupos de mulheres, abrangendo cerca de 20 participantes, afetando de maneira indireta também suas famílias, ou seja, uma média de outras 60 pessoas.

No setor da construção civil, foram incubados dois grupos, uma cooperativa de trabalhadores da construção civil em Jandira-SP, e uma fábrica de tijolos, dentro da fábrica recuperada Flaskô, em Sumaré-SP, abrangendo diretamente 90 trabalhadores e, indiretamente, 128 famílias, que vão morar na comuna construída pelos pedreiros da cooperativa e 500 famílias moradores da Vila Operária.

No segmento de resíduos sólidos, três cooperativas participam do processo de incubação: a Cooperativa Bonsucesso, em processo de “desincubação”; a Associação Renascer, e a cooperativa Santa Genebra, que iniciou o seu processo de incubação. No total, são 50 trabalhadores e trabalhadoras beneficiados de maneira direta. Indiretamente suas famílias compõem um contingente de mais 150 pessoas.

A ITCP também acompanha a formação de uma rede dos grupos incubados. Em janeiro de 2012, foi criado um Fundo Rotativo Produtivo gerido por mulheres, organização que a partir da doação de um recurso inicial faz a gestão de empréstimos para a produção dos grupos. Foram concedidos quatro empréstimos, no total de R$ 6,5 mil, atendendo quatro grupos e um total de 50 trabalhadores.

A Preac também estimulou a participação dos alunos e professores nas Operações do Projeto Rondon. No período de 2009 a 2012, a Unicamp esteve presente em oito operações, com um total de 14 professores e 82 alunos, que puderam compartilhar conhecimentos com vários habitantes em comunidades de 11 municípios distribuídos entre nove estados brasileiros: Goiás, Amazonas, Paraíba, Bahia, Tocantins, Roraima, Piauí, Amapá e Maranhão. O projeto tem como objetivos mostrar aos universitários uma realidade brasileira distante daquela vivenciada nos grandes centros urbanos. Ou seja, mostrar-lhes um país que o Brasil desconhece e que sobrevive despercebido da sociedade.

O Centro Cultural de Inclusão e Integração Social (CIS-Guanabara) promoveu eventos e oficinas voltados à cultura, inclusão e promoção social. Realizadas na maioria das vezes no Armazém do Café e na Gare, as atividades receberam um público em torno de 120 mil pessoas no período de 2009 a 2012. Foram realizados, entre outros eventos, a Feira de Produtos Orgânicos da “Rede de Agroecologia da Unicamp”; a Estação de Leitura; a Feira Cultural; o Projeto Trilhos Sociais; as Sobremesas Musicais; além de uma série de eventos direcionados à comunidade, como oficinas de artes, artesanato, arteterapia, música, saraus e apresentações de teatro.

SAÚDE

A Unicamp é também centro de referência hospitalar e de saúde na região de Campinas e no interior do Estado. Este é também o exemplo mais visível de interação da Universidade com a sociedade. Através de suas unidades de atendimento, ensino e pesquisa na área da saúde – o Hospital de Clínicas (HC), Hospital da Mulher Professor Doutor José Aristodemo Pinotti (Caism), do Hospital Estadual de Sumaré (HES), Gastrocentro e Hemocentro, a Universidade disponibilizou em média 850 leitos que propiciaram, no quadriênio, realização de aproximadamente 120 mil internações. Conjuntamente, as unidades de saúde realizaram cerca de 2,5 milhões de consultas, 165 mil cirurgias, 15 mil partos e 16 milhões de exames laboratoriais.

Além dos atendimentos proporcionados diretamente pelo seu complexo hospitalar, a Unicamp também estendeu suas ações na área de saúde por meio dos Ambulatórios Médicos de Especialidades (AMEs) nos municípios de Santa Bárbara D’Oeste, Piracicaba, Rio Claro, Limeira, Mogi-Guaçu e, neste ano, São João da Boa Vista.

Considerado um dos maiores hospitais gerais do interior do Estado de São Paulo e um centro de excelência médica nacional, o HC responde por mais de 80% dos procedimentos de alta complexidade da região e é o local de trabalho e aprendizagem de mais de 5 mil pessoas entre alunos, residentes, funcionários e docentes. Em outubro de 2011, o HC comemorou 25 anos de atividades com a marca de um milhão de pacientes atendidos. No mesmo ano, houve um aumento de 53,67% nos investimentos em relação ao ano de 2010, com fomentos principalmente da Reitoria, que permitiram a revitalização de várias áreas do hospital.

Atendendo ao anseio de várias especialidades médicas, o hospital retomou a casa de quatro centenas de leitos abertos (419), o maior número desde 2001, com novos leitos na Unidade de Terapia Intensiva e na Enfermaria Geral do pronto-atendimento. Em 2012, várias obras foram concretizadas no HC, com a entrega de 233 consultórios climatizados nos ambulatórios e das áreas reformadas na urgência da oftalmologia. Os equipamentos e as reformas foram viabilizados pela Universidade e totalizaram investimentos de aproximadamente R$ 1,8 milhão.

No Hospital da Mulher Prof. Pinotti um dos destaques no quadriênio foi a modernização de suas instalações e equipamentos. Concluiu-se a reforma e ampliação do Bloco Operatório (Centros Obstétrico e Cirúrgico), tendo sido inaugurado o novo espaço com salas de Pré-Parto, Parto e Puerpério (PPP), com ambiente planejado para o parto normal, trazendo um conceito mais humanizado, assegurando-se a qualidade da assistência prestada. Novas salas cirúrgicas foram preparadas e adequadas para a realização de procedimentos cada vez menos invasivos. Também foram substituídos os equipamentos hospitalares mais antigos, com a aquisição, entre outros, de um novo acelerador linear de partículas para radioterapia, tomógrafo computadorizado multislice, sistema de radiologia computadorizada (CR) e ecógrafos 3D na Área de imagem.

Um dos maiores destaques do Hospital Estadual Sumaré (HES-Unicamp), que desde o ano 2000 é administrado pela Unicamp, foi a conquista, em março de 2010, do certificado de acreditação internacional canadense concedida pelo Canadian Council for Health Services Accreditation (CCHSA). O fato inédito situa o HES-Unicamp como o primeiro do interior do país a receber o título. No Brasil, apenas quatro hospitais públicos possuem a acreditação canadense, todos da Grande São Paulo. O certificado internacional, válido por três anos, exige que as instituições brasileiras em busca da acreditação canadense tenham a certificação da Organização Nacional de Acreditação (ONA) em nível máximo. A certificação canadense tem sido referência para vários países em todo o mundo.

No Hemocentro, o quadriênio foi marcado por avanços tecnológicos, científicos, assistenciais e de ensino. Entre as realizações registradas, destacam-se o aumento significativo da abrangência de distribuição de hemocomponentes; incremento tecnológico do Banco de Sangue de Cordão Umbilical e Placentário, com número crescente de bolsas congeladas; incremento exponencial da coleta e processamento de amostras de doadores voluntários do Redome (registro de doadores de medula óssea); construção e implantação de farmácia de quimioterapia antineoplásica para doenças onco-hematológicas; renovação de equipamentos para diversos laboratórios; e implantação, nas dependências do Hemocentro, do Instituto Nacional Ciência e Tecnologia do Sangue (INCTS), ligado ao Ministério da Ciência e Tecnologia, CNPq e Fapesp.

O Gastrocentro, por sua vez, buscou uma adequação de suas atividades, que visaram melhorar as condições assistenciais com a aquisição de equipamentos, incorporação de procedimentos, criação de novos ambulatórios e contratação de profissionais. Além dos procedimentos diagnósticos, a unidade manteve, neste período, média superior a 18 mil atendimentos ambulatoriais/ano, além de número superior a mil atendimentos/ano pós-transplante hepático nos últimos dois anos.