Notícia

Diário de Cuiabá online

Qualquer pessoa considerada 'subversiva' pelo governo era fichada e observada

Publicado em 14 abril 2013

Para Ricardo Santos, diretor do Núcleo de Acervo Textual do Arquivo Público de São Paulo, o critério mais genérico para o fichamento de uma pessoa no antigo DEOPS era a "linha de pensamento político".

"Qualquer pessoa que se manifestasse de alguma forma contra o governo ou a favor do comunismo ou outras linhas de pensamento consideradas subversivas ou radicais era passivo de ser fichado. O que já tornava essa pessoa (ou instituição, partido associação...) alvo de, no mínimo, observação", relata.

Segundo ele, quanto maior o engajamento político de uma pessoa, mais informações podem ser encontradas nos arquivos do DEOPS - a ficha do líder comunista Luís Carlos Prestes tem cerca de 6.000 documentos.

A digitalização do acervo, segundo ele, surgiu a partir de uma ação em parceria com a FAPESP (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo) e o Ministério da Justiça.

De acordo com o diretor, o trabalho já vem ajudando a Comissão Nacional da Verdade, criada para pelo governo Federal para apurar casos de violações aos Direitos Humanos durante o regime militar.

"Existe uma comunicação com a Comissão da Verdade no sentido de ajudar nas buscas de documentação que possa ser usada na elucidação de fatos obscuros."

(RV)