Notícia

O Mocorongo

Qual é o melhor sal para a saúde?

Publicado em 18 outubro 2019

Se você já ouviu dizer que o sal rosa do Himalaia traz benefícios para a saúde e acreditou, pode desacreditar. Trata-se de um sal como outro qualquer.

A quantidade de opções e de benefícios alegados não ajuda o consumidor a se decidir. A prateleira de supermercado inclui o básico sal de cozinha, o sal grosso, o sal rosa e o sal light, entre outros.

Mas, até o momento, não há evidências científicas que mostrem que o consumo de um desses sais possa trazer mais benefícios à saúde.

Em 2017, uma revisão de estudos feita por pesquisadoras do FoRC (Centro de Pesquisa em Alimentos), vinculado à USP (Universidade de São Paulo) e à Fapesp (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo), mostrou que apesar de haver mais cálcio no sal rosa do que no refinado, a quantidade do nutriente ainda fica aquém do indicado e necessário.

Para se ter uma ideia, em 5 g de sal refinado há cerca de 2 mg de cálcio, enquanto no sal rosa, há 8 mg. A recomendação de consumo diário é de 1 g de cálcio (mil miligramas).

A OMS (Organização Mundial da Saúde) estabelece que o consumo diário de sal não deve ultrapassar 5 g devido à quantidade de sódio.

“Nunca vamos usar um sal para obter nutrientes porque teríamos que comer muito sal para isso”, diz Rosana Farah Poinil, nutricionista da Sociedade Brasileira de Alimentação e Nutrição.

Ela afirma, contudo, que o sal refinado é iodado, para evitar o bócio endêmico (aumento da tireoide causada pela falta de iodo).

O único sal que pode ter maior impacto à saúde é o light, que tem 50% menos sódio e é indicado para pessoas com hipertensão arterial.

“Eu acho que as pessoas partem da premissa de que tudo que é mais caro é melhor, e o quilo do sal rosa é caro. Nem sempre isso é verdade”, diz Poinil. Para ela, mais importante do que o tipo de sal é controlar sua quantidade.

Fonte: Folha de SP

(Foto: )

Essa notícia também repercutiu nos veículos:
Folha de S. Paulo Folha.com