Notícia

O Estado do Paraná

Público gosta mais de programação ao vivo

Publicado em 05 fevereiro 2006

São Paulo (Agência FAPESP) - Em ano de Copa do Mundo, as transmissões esportivas ao vivo acabam de ganhar muitos pontos entre o público, pelo menos se for considerado um novo estudo realizado pela Universidade de Chicago, nos Estados Unidos. A pesquisa, que será publicada em março no Journal of Consumer Research, mostra uma grande atração do telespectador pelo desconhecido.
Segundo o estudo, o público não gosta muito dos programas com um roteiro pré-definido. Transmissões esportivas ao vivo e realities shows ganham atenção pelo fim desconhecido. Não saber quem vai ganhar é algo que atrai os telespectadores. Por outro lado, os jogos gravados são deixados em segundo plano.
Nos Estados Unidos, críticas costumam ser feitas para algumas transmissões esportivas ao vivo, por serem muito longas, como certos jogos de beisebol. Mas a eventual impaciência do telespectador fica em segundo plano quando o enredo de se desenrola à frente dele. No passado, tanto o tênis como o vôlei chegaram até a mudar regras, para terem disputas mais curtas e, conseqüentemente, ficarem mais atrativos para a televisão.
Mas essa predileção para o fim inusitado, segundo os autores do estudo, não é interessante apenas para os responsáveis pelas programações de televisão. Esse gosto pode ser extrapolado, também, para o consumo em geral. Até um programa de férias que fuja do convencional, e pegue o visitante pelo fato surpreendente, pode ter um bom desempenho no quesito vendas, afirmam os pesquisadores.