Notícia

UNICAMP - Universidade Estadual de Campinas

PRPG e PRP divulgam chamada para intercâmbio de cooperação de curta duração

Publicado em 23 maio 2011

Por Luiz Sugimoto

A Unicamp, por meio de iniciativa conjunta das Pró-Reitorias de Pesquisa (PRP) e de Pós-Graduação (PRPG), está divulgando uma chamada de propostas para intercâmbio de cooperação com a Technical University of Munich (TUM), Free University of Berlin (FUB), Brown University e Northeastern University. O prazo para envio das propostas termina no dia 30 de junho, com divulgação dos resultados da seleção até 31 de julho. A vigência do programa é de um ano, começando em 1º de setembro próximo e terminando em 31 de agosto de 2012.

A proposta de intercâmbio com estas quatro escolas prevê a ida e a vinda - por projeto selecionado - de um professor e de um doutorando, pós-doutorando ou pesquisador ligado ao mesmo docente. O tempo de permanência do professor na outra instituição deve ser de 10 a 15 dias, participando de atividades de um curso de pós-graduação e de pesquisa. Já o aluno ou pesquisador terá que atuar no grupo de pesquisa ou laboratório do anfitrião por um período de um a dois meses. A chamada pode ser consultada nos sites da PRPG e da PRP.

"É importante lembrar que, além desses editais específicos para as duas universidades alemãs e duas americanas, há outro edital aberto para parcerias com quaisquer outras instituições no exterior, e cujo prazo para envio de propostas termina em 30 de maio. Mais de 30 professores estrangeiros já visitaram a Unicamp dentro deste edital, que também visa enviar nossos pesquisadores ao exterior", esclarece o professor Ronaldo Aloise Pilli, pró-reitor de Pesquisa.

O professor Euclides de Mesquita Neto, pró-reitor de Pós-Graduação, lembra que uma das metas desta administração é aumentar a mobilidade de professores, pós-graduandos e mesmo de graduandos, destinando para isso recursos do orçamento da Universidade. "Nossos docentes e pesquisadores contam com agências como a Capes e a Fapesp para desenvolver colaborações mais de longo prazo e de maior porte, mas nossa intenção é induzir parcerias futuras, aumentando a visibilidade internacional da Unicamp".

Para Ronaldo Pilli, a partir desta aproximação entre laboratórios da Unicamp e de universidades do exterior, será possível elaborar projetos de pesquisa em comum e solicitar recursos a agências tanto daqui como dos outros países. "A proposta é quebrar o gelo, facilitando a mobilidade dos nossos professores e pós-graduandos. Os mais experientes e renomados não encontram esta dificuldade, mas pensamos nos novos docentes, principalmente naqueles que não puderam realizar estágios e criar laços profissionais lá fora".

A decisão de divulgar uma chamada focando a TUM, FUB, Brown e Northeastern, conforme salienta Mesquita Neto, deveu-se ao próprio interesse das quatro universidades em interagir com a Unicamp. "Três delas já enviaram delegações ao nosso campus e a Livre de Berlim inclusive montou escritório em São Paulo. São escolas ótimas: a Brown está entre as 50 ou 60 melhores do mundo; a Northeastern deu um salto em pesquisa nos últimos anos; a de Munich é uma das melhores instituições técnicas da Alemanha; e a de Berlim, além da excelência, mantém um conceituado centro de estudos latino-americanos".

Aos participantes do programa, a Unicamp estará subsidiando passagens aéreas, seguro-viagem, diárias de US$ 250 para o professor e, ao doutorando, o valor de 2 mil euros por mês de permanência (ou fração equivalente). Para o professor estrangeiro, a diária será de R$ 300, enquanto o seu aluno ou pesquisador receberá o valor de R$ 3 mil por mês ou fração equivalente. "Desta vez, o financiamento é unilateral, já que a Unicamp está oferecendo mobilidade nos dois sentidos. Mas as outras quatro universidades já se disponibilizaram a fazer o mesmo, logo que tenham um orçamento para este programa".