Notícia

BOL

Provas do segundo dia da Unicamp foram difíceis, dizem professores; veja correção

Publicado em 11 janeiro 2010

O segundo dia de provas da segunda fase da Unicamp, nesta segunda-feira, foi avaliado como difícil pelos professores consultados pela Folha Online. Hoje os candidatos fizeram as provas de química e história, e mais de 1.200 faltaram.

A prova de história tinha 12 questões, sendo sete de história geral e cinco de história do Brasil. Para o professor de história geral do curso Anglo Lucas Kodama, as perguntas foram equilibradas, passando por vários períodos históricos, com uma pequena predominância da história contemporânea e de questões culturalistas. "A prova foi bem elaborada e trabalhosa. A grande dificuldade do aluno foi a densidade da prova e o equilíbrio do tempo."

O coordenador de história do Objetivo, Daily Oliveira, aponta uma tendência nos vestibulares de uma predominância de questões sobre raça, abordando temas como racismo, tráfico de escravos e imigração.

Ele também avalia a prova como difícil, principalmente os itens "b" de cada questão, que exigiam um grau de conhecimento elevado e e uma complexidade na elaboração das respostas.

O professor do Etapa Antonio da Costa Ramos disse ao blog do Fovest que "para responder aos itens "a" não era preciso saber história. Era só prestar atenção ao enunciado que a resposta estava lá".

Química

Para o professor de química do Objetivo Alessandro Neri, a prova de química também foi difícil e trabalhosa. Todas as questões exploravam textos da revista Pesquisa, da Fapesp (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo), e isso pode ter assustado alguns candidatos.

Segundo Neri, as questões foram bem elaboradas e contextualizadas. A exceção está no item "b" da questão de número quatro. Para o professor o enunciado deixou espaço para dupla interpretação, que não chegaria a anular a questão, mas deveria levar a banca a aceitar mais de uma resposta.

Edison Camargo, do Etapa, disse ao blog da Fovest que a prova de química foi a melhor da temporada de vestibulares. "Foi uma prova de química aplicada ao dia a dia do cidadão, com zero de decoreba."