Notícia

Casa de Notícias

Proteína presente no sangue de pacientes com COVID-19 pode indicar progresso e gravidade da doença

Publicado em 06 novembro 2020

Pesquisadores da Universidade de São Paulo (USP) e da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), no Brasil, descobriram que medir o nível de uma proteína chamada sTREM-1 assim que os primeiros sintomas aparecem pode ser uma forma de ajudar as equipes médicas a tomar decisões clínicas e também servem como um preditor da gravidade e do resultado da doença.

O estudo foi relatado em um artigo publicado no medRxiv, uma plataforma de pré-impressão para novas pesquisas médicas que ainda não foi revisada por pares.

“A resposta inflamatória ao SARS-CoV-2 varia consideravelmente de um paciente para outro e ainda não sabemos exatamente por quê. No entanto, acreditamos que o monitoramento dessa proteína por meio de simples exames de sangue [ teste imunoenzimático ] pode ajudar no tratamento de pacientes. As decisões das equipes médicas serão amparadas por um biomarcador que prediz a gravidade em caso de elevação do nível ”, disse Carlos Sorgi , professor do Departamento de Química da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (FFCLRP- USP).

O estudo foi apoiado pela FAPESP como parte de um projeto dedicado à investigação de biomarcadores de COVID-19 grave e alvos para seu manejo clínico.

A pesquisa está sendo realizada como uma contribuição para o ImunoCovid, iniciativa multidisciplinar envolvendo 11 pesquisadores filiados à USP e à UFSCar. Compartilhando dados e amostras, eles colaboram sob a liderança de Lúcia Helena Faccioli , professora da Escola de Ciências Farmacêuticas de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (FCFRP-USP).

Graus de severidade

TREM-1 significa receptor desencadeador expresso em células mieloides 1. A proteína é um membro da superfamília de imunoglobulinas expressa em células mieloides e epiteliais. Está presente em macrófagos, monócitos, neutrófilos e outras células de defesa do sistema imunológico inato (mecanismos de defesa inespecíficos acionados assim que um antígeno é detectado no corpo). Como receptor de membrana, quando ativado faz com que a célula emita sinais avisando que a inflamação está em andamento. A forma solúvel encontrada na corrente sanguínea é sTREM-1.

“Ainda não sabemos o que a forma solúvel faz”, disse Sorgi. “Estudos anteriores encontraram uma correlação entre morte por sepse e altos níveis de sTREM-1.”

Antes da pandemia, o principal interesse de pesquisa de Sorgi era como o câncer se correlacionava com níveis aumentados de sTREM-1, e esse foi o foco da tese de doutorado de seu aluno Pedro da Silva-Neto.

Neste último estudo, o grupo mediu os níveis da proteína no soro sanguíneo de 91 pacientes com COVID-19; 44 foram isolados em casa e 47 foram hospitalizados. Eles foram classificados como leves, moderados, graves e críticos. Um grupo de controle também foi recrutado com 30 indivíduos saudáveis ??com teste negativo para a doença.

“Observamos uma forte correlação entre os níveis da proteína e os graus de gravidade da doença”, disse Faccioli. “O nível de sTREM-1 em pacientes com COVID-19 aumentou significativamente conforme sua condição se tornava mais grave. Esta variação indica ativação da resposta imune à infecção por SARS-CoV-2. ”

Desde que os primeiros casos de COVID-19 foram relatados em Wuhan, China, pesquisadores em todo o mundo notaram a importância dos marcadores inflamatórios, como baixa contagem de linfócitos (linfopenia) e altos níveis de neutrófilos, proteína C reativa e citocinas IL -6 e IL-10, bem como dímero D elevado (coagulação do sangue).

“No entanto, nenhum desses marcadores é tão preciso quanto o sTREM-1 para estratificar os graus de gravidade e prever o progresso da doença”, disse Faccioli.

Ponto sem volta

No estudo, os pesquisadores também determinaram se os níveis da proteína se correlacionavam com os resultados da doença. “Descobrimos que há um 'ponto sem volta' quando a situação inflamatória se torna tão crítica que não é mais possível ajudar o paciente a melhorar”, disse Sorgi. “Este segundo grande achado confirmou a hipótese de que o monitoramento do sTREM-1 é extremamente importante para garantir o sucesso do tratamento em um estágio inicial.”

Os pacientes no estudo que progrediram para os estágios moderado, grave e crítico também exibiram níveis aumentados de sTREM-1. “Os níveis de proteína estabilizaram ou caíram ligeiramente na maioria dos pacientes cuja inflamação foi tratada com corticosteróides, por exemplo”, disse Sorgi. “No entanto, observamos que após um determinado ponto do tratamento, embora não tenha havido aumento nos níveis séricos de sTREM-1, isso não se refletiu na recuperação do paciente”.

A recuperação refletiu o controle do sTREM-1 apenas quando o nível inicial não era muito alto, acrescentou. O estudo, portanto, sugere que o efeito benéfico dos esteróides em pacientes graves depende não apenas da dose certa, mas também do uso do medicamento no momento certo em relação aos estágios da doença.

“Se a inflamação for muito forte, o dano é tão grave para o paciente que eles eventualmente morrem, mesmo que sejam administrados esteróides”, disse Sorgi. “Pacientes que não alcançam o 'ponto sem volta' são capazes de se recuperar, mesmo que sua condição seja muito grave.”

Os pesquisadores da ImunoCovid coletaram dados e amostras biológicas de 500 pacientes infectados pelo SARS-CoV-2 e de 100 indivíduos com teste negativo para o vírus. “Estamos ansiosos para encontrar um biomarcador que ajude a tratar a doença, então concluímos o estudo com dados de 91 pacientes, mas nosso objetivo agora é estender a análise não apenas a um número maior de indivíduos, mas também a mais fatores associados a a doença ”, disse Faccioli.

O grupo colabora há algum tempo com cientistas da Emory University em Atlanta, Geórgia, que possuem um grande repositório de dados sorológicos para pacientes americanos.

O artigo “Valor prognóstico de sTREM-1 em pacientes COVID-19: um biomarcador para gravidade da doença e mortalidade” pode ser obtido em: www.medrxiv.org/content/10.1101/2020.09.22.20199703v2