Notícia

JC e-mail

Prorrogado de novo o prazo para envio dos dados do Diretório dos Grupos de Pesquisa do CNPq

Publicado em 14 junho 2000

A Assessoria de Comunicação do CNPq informa: Em vista da greve nas instituições federais e estaduais e atendendo solicitações de inúmeros dirigentes de pesquisa, o CNPq decidiu promover um adiamento de duas semanas no prazo de entrega dos dados do Diretório dos Grupos de Pesquisa. A data limite para esta entrega -- improrrogável - será 6ª feira, dia 23. Informamos que os pesquisadores e estudantes que ainda não tenham um currículo Lattes atualizado no CNPq devem fazê-lo até sexta feira, dia 4 de agosto próximo. Nesta data, haverá a migração da produção Científica, Tecnológica e Artística dos componentes dos grupos, presente nos currículos, para a base de dados do Diretório. FAPESP INICIA PESQUISA SOBRE GENOMA ESTRUTURAL SIMONE BIEHLER MATEOS ESCREVE PARA "O ESTADO DE SP": O Brasil deu ontem o primeiro passo para ganhar competência numa das áreas de pesquisa mais vitais para o desenvolvimento da biotecnologia. Com um encontro de três dos principais especialistas em genoma no mundo, a Fundação de Amparo à Pesquisa de SP (Fapesp) deu inicio ao Projeto Genoma Estrutural, voltado para o estudo da estrutura tridimensional das proteínas, que estão codificadas nos genes. A área é vital porque as proteínas são responsáveis por todos os processos metabólicos dos organismos vivos - e a função de cada uma delas está intimamente relacionada "a sua forma. Por isso, a área de pesquisa conhecida como genoma estrutural é tida, com a bioinformatica, como setor de ponta no âmbito da genomica mundial. Hoje em dia, a maior parte dos novos medicamentos são desenvolvidos a partir desses conhecimentos, como os inibidores de protease, contra o HIV, e o Viagra. O objetivo inicial do Genoma Estrutural, no qual a Fapesp deverá investir cerca de R$ 4 milhões nos próximos cinco anos, é desvendar a estrutura tridimensional das proteínas relacionadas aos tipos de câncer mais comuns no Brasil. Isso será' possível porque o Genoma Estrutural partirá dos conhecimentos acumulados pelo Projeto Genoma Câncer (resultado da parceria entre a Fapesp e o Instituto Ludwig), que identificou os marcadores desses tumores, ou seja, os genes responsáveis pela doença. Conhecendo a forma, será' possível desenvolver inibidores da ação dessas proteínas, ou seja, novas drogas contra o câncer. "O projeto possibilitará que o país adquira capacidade para estudar qualquer proteína, o que nos dará' competência numa área estratégica do conhecimento, como ocorreu com os projetos de genoma da Fapesp", disse o coordenador do projeto, Rogério Meneghini. Ele ressaltou que jáse considera a possibilidade de incluir no estudo as proteínas da xylella, bactéria responsável pela praga agrícola do amarelinho, recentemente seqüenciada por cientistas brasileiros. No encontro os especialistas, que integram a comissão internacional de acompanhamento do Genoma Estrutural brasileiro, avaliaram e fizeram criticas e sugestões ao projeto.