Notícia

Convergência Digital

Promon: instituto de tecnologia dissemina conhecimento

Publicado em 04 abril 2007

Carolina Chemin, especial para o Convergência Digital
A Promon, empresa brasileira voltada para desenvolvimento, integração, gerenciamento, consultoria e implementação de projetos nas áreas de Engenharia e TIC, está lançando o Instituto de Tecnologia Promon. Um dos principais objetivos do projeto é ampliar a análise imparcial e o debate das tecnologias que "farão diferença" no futuro.
Segundo Ricardo Corrêa Martins, diretor-executivo do Instituto, a iniciativa foi tomada visando suprir uma demanda não atendida por informações imparciais desse mercado. "Hoje quase todas as fontes são empresas que colocam seus interesses de vendas em meio às discussões", comenta.
Com o projeto, a Promon visa incentivar o desenvolvimento de novas tecnologias aplicadas às cadeias produtivas do País. Sua atuação tem por objetivo estimular a discussão e análise de tecnologias e negócios emergentes, seus impactos e viabilidade em três áreas consideradas prioritárias: Energia, Tecnologias de Informação e Comunicações e Desenvolvimento Sustentável.
A atuação do Instituto se dará de duas maneiras. Na primeira delas serão estabelecidos convênios de cooperação com conceituados centros universitários e de pesquisa e desenvolvimento tecnológico no País e no exterior.
A primeira iniciativa é o convênio com a FAPESP - Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo, cujo escopo inclui incentivo financeiro, com patrocínio de bolsas-prêmio para mestrandos e doutorandos selecionados que estejam desenvolvendo projetos sobre temas estratégicos nas áreas consideradas prioritárias pelo Instituto.
Além disso, a organização promoverá a divulgação do conhecimento por meio de eventos, como debates e seminários sobre tecnologias emergentes de impacto futuro, relacionados aos seus temas-foco. Os palestrantes serão, prioritariamente, especialistas de centros de pesquisa tecnológica, do Brasil e do exterior e do setor privado.
O público-alvo será composto por dirigentes e formadores de opinião de importantes empresas do mercado, pesquisadores e investidores. O primeiro seminário está agendado para abril e terá como tema as tecnologias para o futuro da cadeia produtiva de bio-etanol no Brasil.
O Instituto não terá fins lucrativos e será totalmente bancado pela Promon. Ele contará, além do diretor-executivo, com um conselho composto por mais cinco integrantes, sendo três profissionais da Promon e dois profissionais externos, com experiência nas áreas acadêmica e corporativa.