Notícia

Mundo Amazônia

Projeto propõe telefonia móvel a baixo custo para comunidades da Amazônia

Publicado em 13 outubro 2016

Agência FAPESP – O trabalho "Projeto de telefonia celular GSM baseada em open sourceopen hardware para comunidades rurais isoladas e carentes na Região Amazônica: Estudo de caso em Itabocal, Irituia (PA)", proposto na dissertação de mestrado do engenheiro Jeferson Breno Negrão Leite, da Universidade Federal do Pará, foi o vencedor do Prêmio Vale-Capes de Ciência e Tecnologia na categoria Tecnologias Socioambientais, com ênfase no combate à pobreza, informou a área de Relacionamento com a Imprensa da Vale.

O prêmio é resultado de uma parceria entre a Vale e a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes).

O projeto propõe que a comunidade tenha a sua própria operadora e que ela seja gerenciada por seus moradores. Os equipamentos fazem chamadas por meio da tecnologia VOIP e funcionam tanto em telefones GSM comuns como em smartphones. Há ainda a possibilidade de as operadoras usarem esses equipamentos mais baratos para estender a própria rede a lugares aonde ela ainda não chega.

Na categoria de Redução de Gases do Efeito Estufa (GEE), a tese de doutorado vencedora foi "Captura de CO2 em materiais cimentícios através da carbonatação acelerada", apresentada pelo engenheiro Alex Neves Júnior na Universidade Federal do Rio de Janeiro.

O objetivo do trabalho foi pesquisar e desenvolver a capacidade de capturar o CO2 emitido no processo de fabricação do cimento e reutilizá-lo na produção de materiais à base de cimento, como telhas e pavimentos. De 7% a 15% do gás carbônico que seria emitido pela fábrica de cimento pode ser absorvido pela indústria que produz esses materiais e dessa forma deixar de chegar à atmosfera.

No seu estudo, Alex Neves Júnior filtrou o gás carbônico das cimenteiras antes da sua emissão para a atmosfera e o injetou na fabricação de materiais à base de cimento, substituindo o processo de cura convencional pela cura com CO2.

Em 29 de setembro foram anunciados os vencedores do Prêmio Vale-Capes de Ciência e Sustentabilidade em quatro categorias: Processos Eficientes para Redução do Consumo de Água e Energia; Aproveitamento, Reaproveitamento e Reciclagem de Resíduos e/ou Rejeitos; Redução de Gases do Efeito Estufa (GEE); e Tecnologias Socioambientais com Ênfase no Combate à Pobreza.

Na edição deste ano, três teses de doutorado e quatro de mestrado foram premiadas. Outros oito pesquisadores receberão certificado de menção honrosa. Ao todo, foram 143 trabalhos inscritos, sendo 95 dissertações de mestrado e 48 teses de doutorado. Cada vencedor recebe R$ 15 mil e uma bolsa para realização de estágio pós-doutoral de até três anos em instituição nacional, podendo converter em um ano fora do país em uma instituição de notória excelência na área de conhecimento do premiado.

Já o ganhador de dissertação de mestrado recebe R$ 10 mil e uma bolsa para realização de doutorado em instituição nacional de até quatro anos. Os orientadores também são prestigiados, recebendo auxílio equivalente a uma participação em congresso nacional (mestrado) e internacional (doutorado), relacionado à área temática da pesquisa. No caso de mestrado, o orientador recebe R$ 3 mil e no de doutorado, US$ 3 mil.