Notícia

O Dia (SP)

Projeto Leite funcional integra pesquisas de diferentes áreas

Publicado em 11 janeiro 2011

Você já imaginou poder tomar um leite que contenha componentes capazes de melhorar sua saúde, além de possuir os nutrientes importantes à nutrição? Comer uma manteiga e um queijo com uma composição mais saudável? Oferecer ao seu filho um iogurte que auxilie o crescimento e aumente a resistência às doenças?

Pesquisadores do Polo Centro Leste da Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios da Secretaria de Agricultura e Abastecimento (Apta) e da Universidade de São Paulo (USP) trabalham em parceria para que isso ocorra num programa de pesquisa chamado Leite Funcional.

Desenvolvido em Ribeirão Preto, o projeto consiste em realizar estudos de zootecnia, nutrição e saúde humana visando modificar a composição do leite por meio da alimentação da vaca e, com isso, melhorar a composição do produto e favorecer a saúde e/ou o crescimento de humanos, conforme explica a pesquisadora Márcia Saladini Vieira Salles, do Polo.

Por fornecer quantidades apreciáveis de nutrientes essenciais para o organismo, Márcia afirma que o leite de vaca é um dos alimentos mais importantes na nutrição humana. Porém, ela aponta que a composição básica do leite bovino é direcionada para suprir as necessidades nutricionais dos bezerros. Essa composição pode ser modificada por meio de mudanças na alimentação das vacas, de modo a tornar o leite um alimento muito mais interessante para a nutrição humana.

O primeiro teste foi realizado no final de 2009, na Fazenda Experimental de Zootecnia do Polo Centro Leste, com apoio financiamento da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado (Fapesp). As vacas leiteiras foram alimentadas com dieta adicionada de óleo vegetal, selênio e vitamina E. O segundo evento será realizado este ano.

O projeto é importante porque integra as pesquisas das áreas envolvidas e abrange toda a cadeia produtiva leiteira. Os animais leiteiros se beneficiam do estudo com a possibilidade de melhorar o sistema imunológico e diminuir a incidência de doenças, como a mastite. O produtor rural, obtém leite de melhor qualidade. Já os processadores e distribuidores da cadeia de produção, têm a oportunidade de vender um produto diferenciado. E os consumidores adquirem um produto mais nutritivo e saudável