Notícia

Diário de Pernambuco online

Projeto brasileiro propõe método inovador de reciclagem de CO2

Publicado em 06 setembro 2011

Um novo estudo realizado por pesquisadores do Laboratório de Química Orgânica Fina da Universidade Estadual Paulista (UNESP), campus de Presidente Prudente, pode alavancar a luta da comunidade científica contra o excesso de emissão de dióxido de carbono (CO2) e sua contribuição para as mudanças climáticas. O que chama atenção no projeto brasileiro é que ele abre a perspectiva de desenvolvimento de tecnologias que capturarem quimicamente o gás atmosférico e o convertam em produtos capazes de substituir reagentes altamente tóxicos usados na fabricação na indústria química.

Derivadas de um projeto de pesquisa apoiado pela FAPESP por meio do Programa Jovens Pesquisadores em Centros Emergentes, as descobertas do trabalho, intitulado "Estudo da fixação e ativação da molécula de dióxido de carbono com bases nitrogenadas", foram publicadas na revista Green Chemistry, da The Royal Society of Chemistry e difundidas pela própria Agência FAPESP, na reportagem de Elton Alisson.

O estudo demonstrou, pela primeira vez, que uma molécula, denominada DBN (uma base orgânica nitrogenada), é capaz de capturar dióxido de carbono, formando compostos (carbamatos) que podem liberar CO2 seletivamente a temperaturas moderadas. Dessa forma, a molécula poderá ser utilizada como modelo para pesquisas sobre a captura seletiva de dióxido de carbono de diversas misturas de gases.

"Essa descoberta abre perspectivas sobre como poderemos fazer com que o composto resultante da ligação da DBN com o dióxido de carbono se forme em maior quantidade. Para isso, temos que estudar possíveis modificações em moléculas que apresentem semelhanças estruturais e funcionais com a DBN para que o composto seja mais eficiente", disse Eduardo René Pérez González, principal autor do estudo, à Agência FAPESP.

Em função disso, o processo também poderia ser utilizado para o tratamento de determinadas doenças relacionadas com a quantidade de CO2 e seu transporte no organismo.

"Essa descoberta nos leva a pensar que também poderíamos utilizar esse trabalho para fins bioquímicos, tentando, por exemplo, melhorar esse processo para tratamento de doenças relacionadas à concentração de dióxido de carbono nas células e alguns tecidos, como o pulmonar", disse González.

Já na área industrial, os carbamatos derivados da captura de dióxido de carbono pela molécula DBN poderiam substituir tecnologias que utilizam reagentes altamente tóxicos, como o fosgênio, para preparação de compostos orgânicos usados como pesticidas e fármacos e em outras aplicações industriais.