Notícia

Portal Verdes Mares

Projeto brasileiro permite controle de robôs pela internet

Publicado em 04 agosto 2008

Pesquisadores de diversas instituições brasileiras desenvolveram e testaram uma infra-estrutura de rede para laboratórios que permite a operação de robôs a distância e a execução remota de experimentos sofisticados por meio da internet. O projeto, segundo os autores, poderá se transformar em uma importante ferramenta para o ensino de robótica.

O projeto do WebLab de robótica móvel foi realizado no âmbito do projeto Laboratório de Acesso Remoto (REALabs), que tem apoio da FAPESP na modalidade Auxílio a Pesquisa e reúne pesquisadores do Centro de Tecnologia da Informação Renato Archer (CTI), da Faculdade de Engenharia Elétrica e de Computação (Feec) da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), do Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA), da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUC-RS) e da Universidade Federal de Uberlândia (UFU).

De acordo com Eliane Guimarães, da Divisão de Robótica e Visão Computacional do CTI, o WebLab permite a execução remota de experimentos como mapeamento do ambiente e navegação por visão, sonar ou laser e navegação e localização simultâneas, além de outros experimentos robóticos.

“Utilizando uma série de serviços, acessíveis a partir da linguagem de programação Java e que permitem monitorar e atuar sobre os robôs, os alunos podem desenvolver uma vasta gama de experimentos em robótica móvel e avaliá-los em ambientes simulados antes de colocá-los em ação”, disse Eliane à Agência FAPESP.

Pesquisadores de instituições localizadas em outras cidades podem fazer experimentos com robôs móveis, interagindo e acessando dados coletados por eles. Segundo ela, uma vez que os algoritmos são validados em ambiente simulado, os alunos podem submetê-los para execução no ambiente real propiciado pelo WebLab.

Demonstração prática

Eleri Cardozo, professor titular da Feec, conta que o WebLab de robótica móvel foi testado em julho, durante a 60ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), realizada em Campinas (SP).

“No estande do CTI foi montado um ambiente de navegação para robôs móveis e ali foram dispostas duas câmeras panorâmicas de alta resolução, com infra-estrutura de rede composta de ponto de acesso sem fio, servidor e roteador. O ambiente incluía tamtém dois robôs móveis equipados com câmeras de bordo, sonares e sensor a laser. O acesso do WebLab foi feito a partir dos estandes do CTI e da FAPESP”, disse Cardozo à Agência FAPESP

Utilizando as câmeras disponíveis no ambiente e nos robôs, os alunos puderam obter imagens e gravar vídeo para fins de documentação do experimento.

“O WebLab permite ainda o acesso em grupo, disponibilizando, para esses casos, uma interface de chat e passagem de permissão para controle de concorrência no acesso aos equipamentos”, disse o pesquisador.

Acesso pela internet

Ao acessar um laboratório localizado em outra cidade, o usuário capta imagens do ambiente em que estão os robôs e é capaz de interagir com eles. Segundo Cardozo, isso faz dos robôs equipamentos interessantes para esse tipo de experimento.

“Os robôs capturam informações e interagem com o ambiente de maneira muito rica. Os que utilizamos têm uma câmera embarcada que pode ser movimentada remotamente. Contam também com sonares, sensores de ultra-som que permitem determinar um obstáculo em proximidade. E são equipados com medidores de distância a laser capazes de fazer varredura em 180 graus e cuja precisão permite estimar o formato dos obstáculos. Os robôs possuem ainda uma rede de comunicação sem fio e uma série de sensores, como bússolas, GPS e giroscópios”, explicou.