Notícia

JC e-mail

Programa Biota chega à maioridade

Publicado em 03 agosto 2007

Por Fábio de Castro, Agência FAPESP

Fapesp, USP, Unicamp e Unesp assinam acordo que institucionaliza o Instituto Virtual da Biodiversidade. Universidades cuidarão da administração e da manutenção dos sistemas de informação ambiental


Representantes da Fapesp e das três universidades públicas paulistas assinaram nesta quinta-feira (2/8), na sede da Fundação, um acordo de cooperação acadêmica para a institucionalização do Instituto Virtual da Biodiversidade.

O convênio estabelece que as universidades farão a manutenção dos sistemas de informação ambiental criados pelo Biota-Fapesp, dando ao programa um caráter permanente.

Assinaram o documento Carlos Vogt, presidente da Fapesp, e os reitores Suely Vilela, da Universidade de São Paulo (USP), José Tadeu Jorge, da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), e Marcos Macari, da Universidade Estadual Paulista (Unesp).

"A institucionalização é um atestado da maioridade do programa. Trata-se de um paradigma importante como referência e que dará continuidade a todo o esforço de investimento e capacitação feito até agora. Essa nova engenharia dá ao programa a continuidade institucional de que ele precisa", disse Vogt.

"O programa continuará funcionando da mesma forma, com os projetos sendo financiados pela Fapesp. A diferença é que a parte administrativa será incorporada pelas universidades", disse Ricardo Ribeiro Rodrigues, coordenador do Biota, à Agência Fapesp.

De acordo com Rodrigues, o objetivo do acordo é perenizar o programa. "Hoje, a administração do Biota- Fapesp depende de uma comissão de pesquisadores que atua de forma avulsa, sem vínculo institucional. Não há uma estrutura permanente para eventos, publicações ou atualização do banco de dados. Para a manutenção de cada uma dessas atividades é preciso solicitar recursos isoladamente", explicou.

Desde que foi criado, em 1999, o Biota- Fapesp possibilitou a descrição de mais de 500 espécies de plantas e animais. De acordo com Carlos Alfredo Joly, professor do Departamento de Botânica da Unicamp e ex-coordenador do programa, a Fapesp investiu em média US$ 2,5 milhões por ano no programa, que incluiu o apoio a 75 projetos de pesquisa, 150 mestrados e 40 doutorados e gerou 500 artigos e 170 periódicos, 16 livros e dois atlas.

"O Biota reuniu um grande conjunto de ferramentas que é precioso para a comunidade científica, mas que tem uma complexa rotina de manutenção diária. Há dois anos discutimos esse processo de institucionalização e há cerca de três meses definimos o arranjo que será feito", disse Joly.

Segundo ele, com a institucionalização, as universidades darão contrapartida a parte do investimento feito pela Fapesp durante os oito anos de existência do programa.

"A avaliação é que a institucionalização exigirá US$ 4 milhões, nos próximos oito anos, para salários de secretaria e analistas de sistemas, reforma de infra-estrutura para armazenar bancos de dados e outras despesas. O valor será dividido proporcionalmente entre as universidades com referência ao que elas receberam nestes oito anos", disse Joly.


Divisão de tarefas

De acordo com Rodrigues, a Unicamp será responsável pelo banco de dados do Sistema de Informação Ambiental do Biota (SinBiota), desde a estrutura física até o pagamento de pessoal que fará manutenção e atualização dos bancos de dados.

"A Unicamp está construindo o prédio para isso e fornecerá um analista de sistema. A USP fornecerá um analista também. A Fapesp entrará com os equipamentos necessários. O SinBiota será articulado com o banco de dados do projeto Genoma Humano", explicou Rodrigues.

A Unesp se responsabilizará pelo banco de dados e de extratos da Rede Biota de Bioprospecção e Ensaios (Bioprospecta), além da construção do prédio em Araraquara (SP) e pessoal responsável.

A secretaria do programa e da revista Biota Neotrópica será dividida entre Unicamp e USP.

"O secretário do programa será da Unicamp e tocará a parte adminstrativa. A USP fornecerá o editor-técnico — um professor titular que será um facilitador de comunicações dentro do programa. Ele fará uma análise internacional e nacional e indicará para que revistas cada publicação será mais indicada", disse Rodrigues.


Atuação coletiva

Para Carlos Henrique de Brito Cruz, diretor científico da Fapesp, a assinatura do convênio representa uma nova etapa do Biota- Fapesp. "Esse programa é uma grande conquista da comunidade científica e o acordo sinaliza um compromisso que sempre houve por parte das universidades e que passa a ser assumido efetivamente", disse.

De acordo com Brito Cruz, a institucionalização permitirá que o programa ande com suas próprias forças. "É um pouco como se o Biota fosse um spin-off da Fapesp. A expectativa é que isso aumente a abrangência do programa e seu impacto nas políticas públicas se torne ainda maior", afirmou.

Brito Cruz lembrou ainda a participação fundamental de Joly para o sucesso do Biota. "É notável a capacidade da comunidade científica de se articular no tema da biodiversidade, mas um empreendimento dessa magnitude, embora seja de construção coletiva, só decola quando há a atuação heróica de alguns indivíduos com espírito de liderança. Por isso, é importante destacar a atuação do professor Joly em toda a trajetória do programa", destacou.

Mais informações sobre o Biota- Fapesp: http://www.biota.org.br

(Agência Fapesp, 3/8)