Notícia

Vitória News

Professor fala em 'mal-entendido', mas reforça risco de mortes na volta às aulas

Publicado em 17 julho 2020

Por Estadão Conteúdo

O professor titular da Escola de Matemática Aplicada da Fundação Getúlio Vargas (FGV) Eduardo Massad disse ao Estadão nesta sexta-feira, 17, que houve um “mal-entendido” nas projeções que fez sobre morte de crianças em uma eventual volta às aulas presenciais nas escolas. Em conferência online, Massad apontou que a volta às aulas poderia levar à morte de 17 mil crianças “Nos primeiros 15 dias, a projeção é de 1,5 mil mortes. As 17 mil seriam até o fim da epidemia”, disse nesta sexta. Além disso, o total estimado de vítimas se refere a crianças, adolescentes e adultos da comunidade escolar, e não somente em São Paulo, mas em todo o Brasil.

As declarações de Massad em um evento online da Agência Fapesp motivaram questionamentos sobre o plano de abertura das escolas no Estado de São Paulo e o coordenador executivo do Centro de Contingência contra o Coronavírus, João Gabbardo, chegou a dizer na quinta-feira que o plano de volta às aulas, prevista para 8 de setembro, seria reavaliado. Nesta sexta-feira, o secretário estadual da Educação, Rossieli Soares, disse que o planejamento está mantido. Grande parte das escolas de todo o Brasil está fechada desde março para conter o avanço do coronavírus, que já matou mais 77 mil no País.

“Houve um mal-entendido. Em um evento com a Fapesp, em um momento da discussão, apresentei um resultado de 17 mil óbitos pela covid se as aulas voltassem. O meu equívoco é que eu disse que isso aconteceria nos primeiros 15 dias. Nos primeiros 15 dias, a projeção é de 1,5 mil mortes. As 17 mil seriam até o final da epidemia”, disse Massad ao Estadão nesta sexta. Ele chegou ao número de 17 mil óbitos contando 200 dias a partir de 1º de agosto, com uma eventual reabertura das escolas.

Segundo o pesquisador, a projeção de 1.557 mortes até o dia 15 de agosto foi feita com base em um modelo matemático que leva em consideração a abertura das escolas em todo o País – e não só em São Paulo – no dia 1º de agosto, com o retorno de todas as crianças e adolescentes, de 0 a 19 anos, de uma só vez. No Estado de São Paulo, prevê-se um retorno em setembro, se todo o Estado reduzir as taxas de contaminação, e com volta gradual dos estudantes à sala de aula. Na primeira etapa, seriam 35% dos estudantes.

Os óbitos projetados pelo pesquisador seriam tanto de alunos quanto professores – ou seja, de pessoas da comunidade escolar. Não foram calculadas mortes decorrentes do contato dessas pessoas com outras, no ambiente externo. Segundo o pesquisador, o modelo levou em conta que taxa de mortalidade das crianças pela covid-19 é menor do que a da população em geral.

“Morrem muito menos, mas não significa que não morram. E, na minha opinião, se tiver o risco de morrer uma única criança por escola, a escola não pode abrir. A discussão se é 1.500 ou 17 mil é fútil. O que importa é que certamente vão morrer crianças se abrir a escola”, disse Massad nesta sexta-feira.

Em entrevista coletiva na manhã desta sexta, Rossilei disse que 1.557 é um número “considerável”. “Por isso que estamos alertando, nós não aceitamos e vamos trabalhar com absoluta segurança nesse processo. Só voltaremos com a área da saúde falando que é possível retornar dadas as condições que teremos lá na frente. Nossos protocolos estão mantidos.”

Massad explicou que as projeções são preliminares e que não é possível calcular o que pode ocorrer com a curva de infecções e óbitos se as escolas forem abertas em setembro. “Essa projeção foi calculada prevendo a abertura no dia 1º de agosto. Não tenho confiança nos modelos matemáticos para projetar o que vai acontecer daqui a um mês e meio, as incertezas são grandes. Esses modelos só valem para 15 dias.”

A pesquisa não foi publicada em periódicos científicos. “É um exercício que está sendo feito para alertar as autoridades para o fato de que existe um risco de crianças morrerem”, diz o professor, que vem pesquisando os impactos da covid-19.

“Comecei a analisar porque houve essa decisão de volta à escola e isso me gerou uma preocupação.” Segundo ele, é preciso, com base nos números, fazer uma análise criteriosa do plano de reabertura, considerando as especificidades de cada local.

Dados já coletados em todo o mundo mostram que as crianças têm menos risco de adoecer gravemente por causa do coronavírus. Mas ainda há dúvidas importantes para esclarecer. É preciso saber, por exemplo, com que frequência as crianças são infectadas e qual papel elas têm na transmissão do vírus.

Estadáo Conteúdo

Copyright © 2020 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Essa notícia também repercutiu nos veículos:
O Estado de S. Paulo Portal R7 G1 Portal R7 Estadão.com Estado de Minas online BOL UOL IstoÉ online IstoÉ Dinheiro online O Globo online O Globo Folha de S. Paulo Folha.com Crescer online Blog A vida da criança Araraquara24horas Clipping de Educação Repórter Ceará Blog da Franssinete Florenzano Blog Colinas News Mídia PB APEOESP - Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo 24 Brasil Tribuna de Osasco Meio Norte online Diário de Cubatão Amazônia Acontece Canguru News Independencia News Araraquara24horas Jornais Virtuais Jornal Água Verde online São Carlos em Rede Jornal Times Brasília Jornal GGN CONTEE - Confederação Nacional dos Trabalhadores em Estabelecimentos de Ensino Acontece Agora Online CPP - Centro do Professorado Paulista Observatório do 3° Setor MSN Blog do Evando Moreira Head Topics (Brasil) Agora Notícias Brasil Cartão de Visita News Folha Vitória online Maetips Mais Pajeú Blog J. Campos SINPRO-DF - Sindicato dos Professores no Distrito Federal Araraquara24horas Blog Henrique Barbosa Diário do Grande ABC online Página Zero online Guajara Hoje Terra MSN Head Topics (Brasil) Folha de Valinhos online FasterNet Portal do Holanda Tribuna do Interior online HiperNotícias Guarulhosweb Rede Massa SBT Diário de Notícias online Bem Paraná online Diário do Grande ABC online Correio do Papagaio online Mix Vale Meon Dinheiro Rural online A Crítica (MS) online Aqui Notícias online TN Online Tribuna do Agreste Tribuna do Sertão Repórter Diário online CGN Mercado News Coxim Agora Jornal da Manhã (Marília, SP) online Diário do Grande ABC O Liberal (Americana, SP) online Correio Popular (Campinas, SP) online TV Web Cariri ABC do ABC Queagito.com Tribuna de Jundiaí online O Guardião da Montanha Sindicato dos Químicos de São Paulo Jornal da Manhã (Marília, SP) O Liberal (PA) Jornal Opinião (Caeté, MG)