Notícia

Diário do Poder

Professor do ITA é o ganhador do Prêmio José Leite Lopes de 2018

Publicado em 15 janeiro 2019

Maurício Tizziani Pazianotto, professor do Departamento de Física do Instituto Tecnológico da Aeronáutica (ITA), em São José dos Campos, São Paulo, é o ganhador do Prêmio José Leite Lopes de 2018. Sua tese de doutoramento foi eleita a melhor entre as oito vencedoras dos Prêmios SBF de Tese de Doutorado 2016, anunciadas em setembro. Sua tese, “Transporte da radiação cósmica na anomalia magnética do Atlântico Sul e aplicação em aeronáutica”, realizada sob orientação do professor Brett Vern Carlson, do ITA, e co-orientação do pesquisador Odair Lelis Gonçalez, do Instituto de Estudos Avançados do Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial (IEAv/DCTA), havia sido selecionada pela Comissão de Física Nuclear e Aplicações da SBF como a melhor da área defendida no Brasil entre 2015 e 2016.
Em grande parte da América do Sul, a radiação presente na atmosfera é afetada pelo fenômeno da Anomalia Magnética do Atlântico Sul, uma anomalia na magnetosfera terrestre que pode afetar a incidência de raios cósmicos na região. A radiação cósmica pode tanto avariar equipamentos eletrônicos, quanto induzir mutações genéticas nos tripulantes de voos de grande altitude, tornando necessário estimar de forma confiável a energia depositada e o tempo de exposição à radiação no interior das aeronaves.
A tese de Pazianotto resultou no desenvolvimento da primeira plataforma computacional sul-americana capaz de calcular a partir de medidas de contagem de nêutrons no solo o campo de radiação cósmica até altitudes de até 80km. “A plataforma permitirá o desenvolvimento de ações em radioproteção de tripulações, a inferência de danos em eletrônica embarcada, bem como acessar respostas de sistemas detectores para este campo de radiação”, explica Pazianotto. “Desenvolvemos simulações computacionais para o transporte da radiação cósmica primária e secundária na atmosfera, considerando os efeitos do campo magnético terrestre e a influência da atividade solar”.
Pazianotto destaca ainda que o trabalho resultou em colaborações com empresas do setor aeronáutico para a avaliação do ambiente radiativo interno às aeronaves e o desenvolvimento de estudos dos efeitos biológicos das radiação cósmica. Este ano, pesquisadores e professores do ITA, do IEAv/DCTA, da Universidade de Sevilha, Espanha, do Office National d’Etudes et de Recherches Aérospatiales (ONERA), em Toulouse, França, da Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre (UFCSPA) e do Hospital do Câncer A.C. Camargo firmaram uma colaboração para aplicar as simulações desenvolvidas em voos em diferentes pontos do Brasil e da Antártida, com o objetivo de estabelecer relações entre a incidência da radiação cósmica nas tripulações e seus efeitos genotóxicos.
O desenvolvimento da plataforma contou com o apoio de pesquisadores e professores do Instituto IEAv/DCTA vinculados ao programa de Pós-Graduação em Ciências e Tecnologias Espaciais (PG-CTE) do ITA e da Universidade de Sevilha, através do Projeto para Pesquisador Visitante Especial (PVE) do Programa Ciência sem Fronteiras da CAPES e do ONERA. Contou com o financiamento da CAPES, da FAPESP (processo 2012/01626-8) e da Agência Internacional de Energia Atômica (IAEA).
Crédito:  Sociedade Brasileira de Física
Foto: Reprodução / ITA
Fonte: ITA
Notícia republicada em www.brasilcti.com.br/pesquisa/professor-do-ita-e-o-ganhador-do-premio-jose-leite-lopes-de-2018/

Maurício Tizziani Pazianotto, professor do Departamento de Física do Instituto Tecnológico da Aeronáutica (ITA), em São José dos Campos, São Paulo, é o ganhador do Prêmio José Leite Lopes de 2018. Sua tese de doutoramento foi eleita a melhor entre as oito vencedoras dos Prêmios SBF de Tese de Doutorado 2016, anunciadas em setembro. Sua tese, “Transporte da radiação cósmica na anomalia magnética do Atlântico Sul e aplicação em aeronáutica”, realizada sob orientação do professor Brett Vern Carlson, do ITA, e co-orientação do pesquisador Odair Lelis Gonçalez, do Instituto de Estudos Avançados do Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial (IEAv/DCTA), havia sido selecionada pela Comissão de Física Nuclear e Aplicações da SBF como a melhor da área defendida no Brasil entre 2015 e 2016.

Em grande parte da América do Sul, a radiação presente na atmosfera é afetada pelo fenômeno da Anomalia Magnética do Atlântico Sul, uma anomalia na magnetosfera terrestre que pode afetar a incidência de raios cósmicos na região. A radiação cósmica pode tanto avariar equipamentos eletrônicos, quanto induzir mutações genéticas nos tripulantes de voos de grande altitude, tornando necessário estimar de forma confiável a energia depositada e o tempo de exposição à radiação no interior das aeronaves.

A tese de Pazianotto resultou no desenvolvimento da primeira plataforma computacional sul-americana capaz de calcular a partir de medidas de contagem de nêutrons no solo o campo de radiação cósmica até altitudes de até 80km. “A plataforma permitirá o desenvolvimento de ações em radioproteção de tripulações, a inferência de danos em eletrônica embarcada, bem como acessar respostas de sistemas detectores para este campo de radiação”, explica Pazianotto. “Desenvolvemos simulações computacionais para o transporte da radiação cósmica primária e secundária na atmosfera, considerando os efeitos do campo magnético terrestre e a influência da atividade solar”.

Pazianotto destaca ainda que o trabalho resultou em colaborações com empresas do setor aeronáutico para a avaliação do ambiente radiativo interno às aeronaves e o desenvolvimento de estudos dos efeitos biológicos das radiação cósmica. Este ano, pesquisadores e professores do ITA, do IEAv/DCTA, da Universidade de Sevilha, Espanha, do Office National d’Etudes et de Recherches Aérospatiales (ONERA), em Toulouse, França, da Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre (UFCSPA) e do Hospital do Câncer A.C. Camargo firmaram uma colaboração para aplicar as simulações desenvolvidas em voos em diferentes pontos do Brasil e da Antártida, com o objetivo de estabelecer relações entre a incidência da radiação cósmica nas tripulações e seus efeitos genotóxicos.

O desenvolvimento da plataforma contou com o apoio de pesquisadores e professores do Instituto IEAv/DCTA vinculados ao programa de Pós-Graduação em Ciências e Tecnologias Espaciais (PG-CTE) do ITA e da Universidade de Sevilha, através do Projeto para Pesquisador Visitante Especial (PVE) do Programa Ciência sem Fronteiras da CAPES e do ONERA. Contou com o financiamento da CAPES, da FAPESP (processo 2012/01626-8) e da Agência Internacional de Energia Atômica (IAEA).

Crédito:  Sociedade Brasileira de Física

Fonte: ITA

Notícia republicada em www.brasilcti.com.br/pesquisa/professor-do-ita-e-o-ganhador-do-premio-jose-leite-lopes-de-2018/