Notícia

Gazeta de Limeira online

Professor cria novo modelo de fibra óptica e inova tecnologia mundial

Publicado em 07 março 2010

Um novo modelo de fibra óptica desenvolvido pelo professor Arismar Cerqueira Sodré Júnior, da Faculdade de Tecnologia (FT/Unicamp) de Limeira, inovou a tecnologia mundial. Além do Brasil, comunidades científicas de países como Estados Unidos, Inglaterra, França e Japão se interessaram em investir na nova tecnologia.

De acordo com Cerqueira, que leciona no curso de telecomunicações da FT, a espessura de uma fibra óptica, inventada na década de 70, é semelhante a um fio de cabelo e seu principal objetivo é o guiamento da luz. Contudo, sua capacidade de transmissão de dados pode ser ilimitada.

Feitas com sílica, principal matéria-prima para o vidro, as fibras ópticas são utilizadas principalmente pelas centrais telefônicas. "Elas podem transmitir 1 bilhão de vezes mais dados do que os fios telefônicos. Sem as fibras, seria impossível a sobrevivência da internet. Outro exemplo é a troca de dados e informações entre os continentes, que também dependem dos milhares de quilômetros de fibras submarinas, além da comunicação celular", conta.

No entanto, o avanço nessa área é constante e em 1996 foram desenvolvidas na Inglaterra as primeiras fibras de cristais fotônicos, que em inglês são conhecidas pela sigla PCF. Dois anos depois, outros tipos de PCF foram desenvolvidos. "Elas são mais flexíveis. Na primeira inovação, a novidade ficou por conta do guiamento de reflexão interna total. Já no segundo caso, conhecida pelo termo em inglês de photonic bandgap, direcionadas para outras demandas. No entanto, os dois modelos não atendiam todas as expectativas tecnológicas", explica Cerqueira.

Desde então, pesquisadores do mundo todo iniciaram estudos para chegar à fibra óptica que integrava os dois efeitos simultaneamente e, em 2006, Cerqueira desenvolveu e criou fibra de cristais fotônicos híbrida, durante seu curso de doutorado na University of Bath, na Inglaterra. "Minha invenção foi a primeira na história a guiar a luz pelos dois efeitos de propagação, criados anteriormente, de forma simultânea. Outras características são a baixa perda de dados, alta capacidade de transmissão, pouco consumo de energia e mais leve do que a tradicional. Foi uma inovação tecnológica mundial, pois conseguimos desempenhos considerados impossíveis e inimagináveis", relata.

Benefícios

A invenção pode beneficiar diversas áreas na medicina, bem como a velocidade de transmissão de dados e comunicação telefônica. "Na medicina, há aparelhos na área de tomografia, endoscopia e até imagens. Além disso, pode melhorar o tratamento do câncer, cataratas e aprimorar técnicas da odontologia. Empresas como Petrobrás e Vale do Rio Doce utilizam sensores ópticos que podem ser melhorados com a nova fibra. Consequentemente, tudo o que utiliza a fibra atual poderá ser inovado", disse Cerqueira.

Outras evoluções na área de microeletrônica também podem surgir com a nova tecnologia. "A tecnologia da fibra óptica está muito à frente do que a microeletrônica, ou seja, conseguimos bandas de transmissão de dados ilimitadas nas comunicações ópticas, já na eletrônica, a evolução parou. Porém, a PCF possibilita o guiamento da luz em frequência na faixa de terahertz, responsáveis pela transmissão de ondas eletromagnéticas. Assim, haverá um salto tecnológico representativo. A capacidade dos sistemas de comunicação no mundo poderá ser multiplicada por mil", ressalta.

Repercussão

Cerqueira explica que recebeu apoio da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) para ampliar as pesquisas com a nova fibra óptica. No entanto, a repercussão do invento ocasionou convites de empregos de empresas de diversos países.

O artigo sobre a nova fibra foi publicado na revista internacional Report on Progress in Physics. "São poucos os brasileiros que conseguem se destacar nesse tipo de publicação. Fico orgulhoso em representar meu País, além das instituições de Limeira e Campinas, onde leciono", conta.

De acordo com matéria publicada no site da Fapesp, o artigo sobre a invenção de Cerqueira, publicado na Report on Progress in Physics, teve alta repercussão. Os editores da revista afirmaram à Fapesp que foram feitos 250 downloads do texto na internet nos primeiros 11 dias após a publicação. De acordo com eles, apenas 10% dos artigos de todas as revistas publicadas pelo Instituto de Física, IOP na sigla em inglês, alcançaram esse número.

Cerqueira disse que estudos para aprimorar a tecnologia continuam. "Com o apoio do polo tecnológico da Unicamp e da Fapesp, pretendo avançar as pesquisas com a PCF. Além disso, conto com a boa recepção dos alunos de Limeira e de Campinas", finaliza o professor, que é reponsável pelas disciplinas de comunicação ópticas e móveis (celulares) na FT.