Notícia

Envolverde

Professor avalia alunos com base em erros publicados na imprensa

Publicado em 28 setembro 2009

Por Fábio de Castro, da Agência Fapesp

Com base em erros publicados em veículos de ciência e saúde, professor da UnB cria método para avaliar conhecimentos de estudantes de medicina e nutrição.

Os erros cometidos por jornais, revistas e sites sobre ciência e saúde podem ser de grande utilidade para avaliar os conhecimentos de estudantes de medicina e nutrição, de acordo com uma nova proposta pedagógica desenvolvida e aplicada em aula por um professor da Universidade de Brasília (UnB).

O método de avaliação, criado por Marcelo Hermes-Lima, professor do Departamento de Biologia Celular da UnB e utilizado na disciplina Bioquímica e Biofísica, foi descrito em um artigo que será publicado em breve na revista Biochemistry and Molecular Biology Education.

De acordo com Hermes-Lima, nas provas, os alunos de graduação devem responder se determinadas informações veiculadas em diferentes mídias são verdadeiras ou falsas, com base em seus conhecimentos de bioquímica metabólica, clínica e nutricional. O método é utilizado neste formato desde 2006.

"A capacidade para reconhecer os erros pode exigir um bom conhecimento na área biomédica. Para isso, utilizamos textos com informações corretas e erradas retiradas de veículos teoricamente confiáveis, mas que eventualmente contêm erros de diferentes magnitudes", disse Hermes-Lima à Agência FAPESP.

Segundo o professor, monitores de graduação que são alunos de uma disciplina avançada de bioquímica participam ativamente da elaboração das provas. "O alto grau de envolvimento desses estudantes, quando se lançam a uma revisão crítica dos conteúdos da mídia, é um dos aspectos mais interessantes da experiência", disse o professor. Julia Martins Oliveira e Diego Martins Mesquita - alunos de Medicina da UnB e ex-monitores de bioquímica - são coautores do artigo.

Além de descrever o método, o artigo reporta a reação de 258 estudantes em relação às provas. "Os resultados mostram que 71% deles acharam as provas difíceis. Os que consideraram as provas de boa qualidade foram 87%. E 94% acharam que o uso de questões extraídas da mídia é relevante para a avaliação do aprendizado", disse.

A média de notas dos alunos nas provas aplicadas entre 2006 e 2008 foi de 5,85 (com 10 de nota máxima). Segundo Hermes-Lima, o baixo desempenho é possivelmente decorrente do fato que os alunos não estão familiarizados com provas que não enfatizam a memorização e os processos bioquímicos. "Infelizmente, no ensino universitário brasileiro, os estudantes ainda são impelidos a decorar", ponderou.

Para classificar os tipos de questões feitas nas provas, o estudo utilizou a escala de Bloom, uma escala cognitiva empregada em pedagogia. "Um dos objetivos do uso de artigos publicados pela mídia nas provas foi enfatizar o nível 3 da escala, que corresponde à aplicação do conhecimento - enquanto o nível 1, por exemplo, corresponde à ênfase na memorização. Concluímos que um terço das questões das nossas provas estão no nível 3 da escala", disse.

Hermes-Lima explica que, ao selecionar as imprecisões veiculadas em diferentes mídias para utilização nas provas, sua equipe evitou incluir os erros mais grosseiros. "Utilizamos equívocos de diferentes níveis, mas escolhemos erros normais de quem faz jornalismo científico na pressa das redações. Descartamos os absurdos completos", disse.

As provas podem incluir, por exemplo, matérias corretas publicadas por revistas de entretenimento e conteúdos errados veiculados por colunistas consagrados.

"Fazemos isso como uma desmistificação, para mostrar que o erro e o acerto podem estar em qualquer lugar. Achamos que os estudantes terão que lidar com forte influência da mídia na maneira como seus futuros pacientes percebem questões de saúde. Como os erros e simplificações exageradas são comuns, temos que preparar os futuros profissionais para identificá-los", disse.

O artigo What"s on the news? The use of media texts in exams of clinical biochemistry for medical and nutrition students, de Marcelo Hermes-Lima e outros, pode ser lido por assinantes da Biochemistry and Molecular Biology Education em http://www3.interscience.wiley.com.

Crédito da imagem: Columbia University

(Envolverde/Agência Fapesp)