Notícia

Diário do Litoral (Santos, SP)

Prévia de vacina contra o câncer é testada com sucesso em Campinas

Publicado em 02 abril 2018

Testes realizados com camundongos no Laboratório Nacional de Biociências (LNBio) comprovaram a eficácia de uma nova técnica desenvolvida por cientistas de Campinas que impediu totalmente o crescimento de tumores.

E a resposta antitumoral induzida pelo tratamento se mostrou duradoura, o que parece promissor na prevenção de reincidências. O objetivo da pesquisa é desenvolver uma vacina capaz de estimular o sistema imunológico (linfócitos T) a enxergar as células cancerosas como inimigos a serem combatidos através combinação de diferentes linhagens de células tumorais geneticamente modifi cadas. O trabalho científi co conta com o apoio fi nanceiro da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado (Fapesp).

Assim, células tumorais autólogas (do próprio indivíduo a ser tratado) geneticamente modifi cadas e submetidas à radiação para evitar que se proliferem descontroladamente no organismo são ministradas ao paciente ‘despertando’ o sistema imunológico.

De acordo com o coordenador da pesquisa, Marcio Chaim Bajgelman, portadores de câncer apresentam altas concentrações de um tipo de linfócito conhecido como célula T regulatória, cujo papel é inibir a proliferação de outros tipos de linfócitos que poderiam atacar as células tumorais. Em uma situação fi siológica, as células Treg têm a importante missão de trazer equilíbrio ao sistema imune, para que tecidos do organismo não sejam atacados desnecessariamente.

Mas, em portadores de câncer, disse Bajgelman, elas podem ajudar a proteger o tumor. O desenvolvimento de uma vacina contra o câncer é um objetivo buscado por diversos grupos no mundo desde os experimentos do norte-americano William B. Coley (1862-1936), que usava vacinas antitumorais derivadas de microrganismos no início do século 20. Os resultados dos testes feitos em Capinas com camundongos foram divulgados agora, em artigo publicado na revista Frontiers of Immunology.