Notícia

Saneamento Ambiental online

Pressão humana sobre mamíferos na AL

Publicado em 23 novembro 2020

Segundo estudo recente publicado pela Nature Scientific Reports, desde a chegada dos europeus e o processo de colonização na América, cerca de 56% das espécies de mamíferos foram extintos. Este fenômeno é denominado defaunação, processo causado pela influência humana em territórios naturais. 

O levantamento compilou mais de 1.000 assembleias de mamíferos contemporâneos inventariadas na região neotropical, que compreende o México, a América Central e a América do Sul. "Quantificamos a extensão e a intensidade da defaunação em escala continental e compreender seus determinantes com base em covariáveis ambientais", conta Juliano Bogoni, pós-doc no departamento de Ciências Florestais da Esalq e autor do estudo. 

As principais perdas ocorreram entre os grandes mamíferos. "A defaunação e o esgotamento de espécies de grande porte foram causados principalmente pela pressão da caça e pela área de habitat remanescente", diz Bogoni. Isso provocou uma redução de 95% na média de massa corporal das espécies que compõem as assembleias no continente, que passaram a ter atualmente 4 kg. "Nossas descobertas podem informar as diretrizes para a concepção de políticas de conservação transnacionais para proteger vertebrados nativos e garantir que a síndrome do "ecossistema vazio" seja impedida de atingir grande parte dos trópicos do novo mundo, conclui.

O estudo tem co-autoria de Carlos Peres, da Universidade Federal da Paraíba e da professora Katia Ferraz, do departamento de Ciências Florestais e coordenadora do Laboratório de Ecologia, Manejo e Conservação de Fauna Silvestre (LEMaC) da Esalq. O trabalho tem apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) e parte dele pode ser acessada no site https://www.sciencedirect.com/science/article/abs/pii/S2212041620301157?dgcid=author&fbclid=IwAR2pYPjfLoBlYcnJUNwQjN6m61x4_H7OebgFXQV3TpW5k9a8zHQgB3KZTI