Notícia

São Carlos em Rede

Presidente da Embrapa prestigiará posse do Novo Geral da unidade de instrumentação

Publicado em 23 novembro 2010

Pesquisador será novo chefe geral da Embrapa A posse do novo chefe-geral da Embrapa Instrumentação, em São Carlos (SP), Luiz Henrique Capparelli Mattoso, nesta quinta-feira, 25, será marcada por grandes contribuições de impacto, tanto para o centro de pesquisa quanto para a sociedade. A solenidade, com início previsto para as 16 horas, com a presença do diretor-presidente da Embrapa, Pedro Arraes, entre outras autoridades, conta com exposição de tecnologias destinadas à agricultura de precisão, assinatura de termo para transferência de tecnologia, de convênio adicional para continuidade de parceria entre instituições nacionais e internacionais, além de homenagens e visitas ao Laboratório Nacional de Nanotecnologia para o Agronegócio.

O engenheiro de materiais Luiz Henrique Capparelli Mattoso já está no comando da Embrapa Instrumentação desde o dia 20 de setembro, em substituição a Álvaro Macedo da Silva, que deixou o cargo após estar à frente do Centro por mais de quatro anos. Mattoso é o sexto chefe geral a administrar a Embrapa Instrumentação em 25 anos de existência, com desafios nacionais e internacionais e metas que vão nortear os rumos da Unidade nos próximos seis anos. Para dar continuidade ao desenvolvimento de ações e, ao mesmo tempo manter o alto nível de pesquisa e conceito do Centro, o pesquisador já traçou um plano de trabalho para as áreas de P&D&I, comunicação e transferência de tecnologia e administração, a fim de dar início a gestão.

De acordo com ele, entre as propostas de fortalecer a área de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação (P&D&I) destacam-se o estímulo a projetos em parceria com a iniciativa privada, ações socioambientais, participação em políticas públicas em todas as esferas de governo, municipal, estadual e federal; apoio a projetos considerando necessidade de soluções simples, de baixo custo, mas que propiciem maior competitividade e inserção no mercado para pequenos produtores, principalmente agricultura familiar; avançar na fronteira do conhecimento nas áreas de ciência do solo, mudanças climáticas, agricultura de precisão, pós-colheita e nanotecnologia.

Na área de comunicação e transferência de tecnologia, considerada estratégica na Empresa, o chefe geral pretende atuar de forma a fortalecer a divulgação dos resultados de pesquisa em mídia nacional e internacional, além de implementar modelos mais ágeis e flexíveis para a realização de parcerias, convênios, negócios e transferência de tecnologia para a iniciativa privada.

No setor administrativo, a proposta da nova chefia é, entre outras, estimular parcerias com outras unidades em processos diversos, como compras, eventos, buscando melhorar eficiência e baixar custos; e avançar na descentralização de processos que envolvam as Unidades Centrais da Embrapa. "Vamos ainda estimular ações de melhorias no ambiente interno, bem como incentivar cursos de aperfeiçoamento e treinamento de todos os funcionários" assegura o chefe geral.

Perfil chefe geral

Luiz Henrique Capparelli Mattoso é Engenheiro de Materiais com mestrado e doutorado em Ciência e Engenharia dos Materiais pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCar). Possui especialização nas Universidades: Université de Montpellier e Domaine Universitaire Saint Martin d´Heres Grenoble na França, University of Pennsylvania, Estados Unidos, tendo trabalhado com o professor Alan MacDiarmid, Prêmio Nobel de Química de 2000, com o qual publicou 10 artigos em revistas especializadas.

Mattoso é pesquisador da Embrapa Instrumentação desde 1994 e liderou vários projetos na Embrapa, FAPESP, CNPq, FINEP e CAPES, somando captação de recursos superiores a 10 milhões de reais, nos temas: nanotecnologia, sensores de interesse para a agroindústria, polímeros condutores, polímeros naturais, compósitos com fibras vegetais, novos usos de produtos agrícolas, desempenho de novos clones de borracha natural e desenvolvimento de materiais de fonte renovável.

O pesquisador já orientou ou co-orientou 25 teses de doutorado, 19 de mestrado e teve 25 pós-doutorandos sob sua supervisão, o que demonstra sua capacidade de trabalho, organização e habilidade em formar pessoas e trabalhar em equipe.

Possui 10 patentes sendo três delas no exterior e 622 trabalhos e resumos publicados em congressos e similares, 180 trabalhos em revistas especializadas indexadas e 22 capítulos de livro e artigos de revisão em enciclopédia, frutos de sua extensa rede de ex-alunos, ex-pós-doutorandos e colaboradores e do trabalho em equipe. Seus trabalhos possuem mais de 2.200 citações na base de dados Web of Science e um fator H igual a 25, indicando a importância dos trabalhos realizados.

Seus projetos e trabalhos foram premiados várias vezes, dentre as quais se destacam: Prêmio de Excelência Técnico-Científica (1998) e Destaque Individual (1999) da Embrapa e Prêmio "Governador do Estado - Invento Brasileiro" do SEDAI (2001). Foi incluído na lista dos 400 pesquisadores brasileiros mais citados no Exterior, na pesquisa feita pelo jornal Folha de São Paulo (1999), e ganhou o prêmio SCOPUS/CAPES 2009 pela sua produtividade científica, o reconhecimento do RDA/Coréia como pesquisador de destaque, e o prêmio de melhor trabalho da Divisão de Borracha da Sociedade Americana de Química em 2009, dentre outros. Foi responsável pela área de nanotecnologia (2005-2007) no programa Labex (Laboratório Virtual da Embrapa no exterior) no Departamento de Agricultura dos Estados Unidos, colaboração na qual viabilizou a participação de uma dezena de pessoas e com a qual mantém até hoje estreita colaboração.