Notícia

Meio Norte online (Piauí)

Preservação da Amazônia requer pesquisa e transparência de dados

Publicado em 09 abril 2021

Por Maria Fernanda Ziegler | Agência FAPESP

O debate sobre o desenvolvimento sustentável da Amazônia tem se limitado a conciliar a intensificação da produção agropecuária com a preservação do bioma por meio de terras indígenas e unidades de conservação e contenção do desmatamento.

Um grupo de pesquisadores, no entanto, propõe uma alternativa a essas duas vias de ação: uma nova bioeconomia baseada no uso dos ativos da biodiversidade. A ideia consiste tanto em conservar a floresta em pé quanto em gerar emprego, renda e desenvolvimento econômico a partir de inovação e pesquisa sobre ativos biológicos e biomiméticos oriundos de espécies amazônicas.

Esse e outros temas relacionados, como a importância de realizar pesquisas científicas na região e de disponibilizar dados abertos sobre desmatamento, foram tratados no seminário on-line “Amazônia: tecnologia, desenvolvimento e sustentabilidade”.

Realizado no dia 05 de abril, o evento integra o Ciclo ILP-FAPESP de Ciência e Inovação – uma parceria entre a Fundação e o Instituto do Legislativo Paulista (ILP) da Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp). A íntegra do seminário está disponível no YouTube.

“O que queremos? Transformar a Amazônia numa grande fazenda de grãos? Isso não é possível, pois mesmo se reduzirmos o desmatamento e mantivermos áreas protegidas e agricultura sustentável e mais produtiva não será o suficiente para frear a savanização do bioma. Precisamos criar um novo modelo com desmatamento zero, grande recuperação florestal e com uma nova bioeconomia, que ainda não existe em nenhum lugar tropical do mundo. Precisamos do que temos chamado de Amazônia 4.0”, defendeu Carlos Nobre, copresidente do Painel Científico para a Amazônia.

Com a intensificação do modelo econômico desenvolvimentista, o que já havia sido previsto por modelos teóricos começa a aparecer na prática: a possibilidade de que até 60% da Amazônia se torne uma savana tropical degradada. De acordo com Nobre, caso esse cenário de devastação aconteça, serão mais de 200 bilhões de toneladas de carbono lançadas na atmosfera, o que teria também um impacto profundo nas mudanças climáticas.

“O que vemos é maior severidade da estação seca e diminuição da reciclagem de água. No sul da Amazônia, a estação seca está de três a quatro semanas mais longa do que na década de 1980 e aumentou a mortalidade das árvores [ou seja, mais carbono para a atmosfera]. É a ativação do que chamamos de ponto de não retorno. Se o desmatamento passar de 20% ou 25% e continuar crescendo, vamos ter em 30 anos 40% da Amazônia degradada”, alertou o pesquisador.

Nobre ressaltou que o desmatamento não aumenta a produtividade agrícola. “A pergunta é: queremos ser eternamente um fornecedor de commodities, nos desindustrializando mais a cada ano? Queremos esse destino ou o de ser provedor de uma nova economia baseada na biodiversidade?”, indagou.

Outro ponto destacado por Nobre é que atualmente a produção de produtos florestais, como açaí, por exemplo, rende mais (US$ 1.000 por hectare ao ano) do que a soja (US$ 200) e a pecuária (US$ 100). De acordo com o pesquisador, a bioeconomia e a biomimética podem conferir um ganho ainda maior.

“Elas representam o maior potencial industrializador presente no país e combinam conhecimento científico ao tradicional e indígena. Podemos transformar a Amazônia no Vale do Silício da Biodiversidade, unindo inovação, agricultura de baixo carbono e novos materiais extraídos da natureza para o uso farmacêutico, cosmético e de recursos genéticos”, disse.

O projeto da Amazônia 4.0 ainda está em desenvolvimento e prevê a implementação de biofábricas em cadeias produtivas, como de açaí, cupuaçu e cacau. Além da capacitação de pessoas para trabalharem nessas biofábricas, o programa prevê a criação de uma escola (Rainforest Business School) e de um instituto de pesquisa (Amazônia Institute of Technology).

Adalberto Luis Val, professor do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa), concorda que é preciso fazer muito mais para garantir a conservação do bioma. Ele defende, entre outras medidas, a formação de cientistas que trabalhem na região e mais investimentos em pesquisa.

“Na Amazônia sabemos que não dá para importar modelos. Precisamos produzir e aperfeiçoar as cadeias produtivas por nós mesmos. Esses modelos precisam proporcionar geração de renda e emprego na região e conservar a biodiversidade. Destruir a floresta é um tiro no pé até mesmo para o agronegócio brasileiro, pois altera o ciclo hidrológico, gerando escassez de água, algo essencial para esse tipo de negócio”, disse.

Val ressalta que o tesouro mais importante da Amazônia – as informações contidas em sua grande variedade de espécies – ainda está escondido na floresta. São os ativos biológicos e genéticos presentes em animais e vegetais. “No entanto, esse Eldorado da diversidade biológica e cultural que abrange vários países – e só de peixe tem mais de 2.500 espécies – tem sido visto apenas de cima. Falta pesquisa científica que explique e descreva toda essa diversidade que tem sido formada desde o soerguimento dos Andes”, afirmou.

Como exemplos o pesquisador destaca estudos realizados em tambaquis, peixes que conseguem se adaptar a condições extremas existentes em ambientes com pouco oxigênio. “A Amazônia é contada por uma história de mudanças climáticas e tectônicas que estão refletidas nas informações genéticas de sua biodiversidade. O tambaqui, por exemplo, tem uma espécie de lábio inferior, que é formado em ambientes de hipóxia. Estudos mostraram que alguns genes desse animal, quando expostos a ambientes com pouco oxigênio, têm expressão duas vezes maior, o que faz com que o tecido cresça ou regrida muito rapidamente”, contou.

Conhecer para conservar

Da mesma maneira que as mudanças climáticas globais trazem consequências para a floresta, o impacto do desmatamento não se restringe apenas ao ambiente amazônico. "Se por um lado a Amazônia e o Brasil já estão em processo de aquecimento, por outro as emissões de queimadas na Amazônia têm dimensões continentais, cobrindo 60% da América do Sul e afetando todo o planeta”, comentou Paulo Artaxo, professor do Instituto de Física da Universidade de São Paulo (IF-USP).

Dessa forma, a importância da Amazônia está também no fato de ser o único lugar do planeta em que a própria floresta controla seu clima interno, com processos que impactam o mundo todo. Além disso, a Amazônia possibilita a manutenção de serviços ecossistêmicos vitais e pode contribuir também para absorver dióxido de carbono (CO2) da atmosfera.

Para o pesquisador, a ciência produzida na Amazônia é de extrema importância para o mundo. “E a única maneira de implementar políticas públicas acertadas é com base em evidências científicas”, disse.

No entanto, destacou, há um recrudescimento da degradação da floresta. “O desmatamento é recente. Em 1975, apenas 0,5% da área do bioma havia sido desmatada. Em 1988, esse número subiu para 5% e, em 2020, chegou a 19%.”

Gilberto Câmara Neto, diretor do Secretariado do Grupo de Observações da Terra, ressaltou a importância dos satélites para o monitoramento da Amazônia.

“O Brasil tem uma trajetória de monitoramento permanente desde 1988. Temos um conjunto de satélites que nos dá uma visão completa da Amazônia e ano a ano o Inpe [Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais] esquadrinha a região, gerando uma comparação do que aconteceu com alto nível de detalhe”, afirmou o cientista, que foi diretor do Inpe de 2005 a 2012.

Câmara destaca ainda a importância da transparência do sistema de monitoramento como forma de garantir credibilidade e governança. “São dados de acesso livre, de modo que todo cidadão pode acompanhar. É um esforço científico de décadas e que hoje é aceito no mundo inteiro. O Fundo Amazônia utiliza os dados do Inpe como medida de desempenho. Os americanos não duvidam do dado e o Acordo de Paris também não”, destacou.

“Se a sociedade brasileira não tivesse conhecimento dessas informações, ela não saberia qual a magnitude do problema, nem o gestor público poderia agir rapidamente, tentando reverter altas de desmatamento”, acrescentou.

Nos últimos anos, a situação de devastação da Amazônia se tornou ainda mais preocupante. Desde 2005, aumentou de 5 mil quilômetros quadrados (km2) de área desmatada ao ano para 11 mil km2 em 2020, mesmo com a pandemia e a queda da atividade econômica.

O pesquisador ressaltou também que não há contradição entre preservação e produção, desde que haja gestão pública responsável. “Não se trata de criminalizar e estigmatizar os produtores. Sabemos que apenas 2% das propriedades são responsáveis por 62% do desmatamento em potencial. O combate à devastação, portanto, não significa o combate aos agricultores. Também não existe o lado dos ambientalistas e o dos agricultores, o que deve existir é uma política pública com base nos dados para saber quem está dentro da lei e quem não está, para então penalizar. De 2005 a 2012 houve uma redução de 80% do desmatamento da Amazônia. Por isso eu digo: já fizemos uma vez e podemos fazer isso novamente, é só estar do lado político certo”, afirmou.