Notícia

SEGS Portal Nacional de Seguros & Saúde

Prematuros extremos são avaliados pela Faculdade da Santa Casa

Publicado em 14 julho 2010

Um grupo de 30 crianças que nasceram como prematuros extremos, isto é, após menos de sete meses de gravidez, começaram nesta segunda-feira, dia 12, a ter sua capacidade de aprendizado avaliada pelo Grupo de Pesquisa de Fonoaudiologia da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo - FCMSCSP.

Para a pesquisa, que é patrocinada pela Fapesp, foram selecionadas crianças prematuras hoje com 8 anos de idade, todas com audição normal. O objetivo é verificar se elas têm dificuldade no processamento da informação que ouvem. A explicação é da professora do Curso de Fonoaudiologia da FCMSCSP, Alessandra Durante, segundo a qual existem crianças que ouvem normalmente, "mas apresentam certa dificuldade em entenderem o que foi dito, isto é, não conseguem interpretar corretamente os sons, processá-los e compreender seu significado".

É essa capacidade de processamento que será avaliada no laboratório dirigido pelo professor Paulo Pachi, pediatra da Santa Casa especializado em retardo de crescimento intra-uterino, prematuridade e crescimento da recuperação. A pesquisa, da qual participam alunos da Faculdade da Santa Casa, tem grande importância, diz a professora Durante, porque muitas crianças que apresentam dificuldade escolar têm função auditiva normal, mas dificuldade de processamento, que é mais difícil de ser reconhecida pelos professores.

Para a avaliação, as crianças são colocadas em cabines fechadas, nas quais ouvem sons agudos, graves, sons agudos seguidos de graves e outros estímulos. Após cada som, são convidadas a descrever o que ouviram, o que permitirá aos pesquisadores avaliarem a capacidade de interpretação dos sons, comprovando-se então se a prematuridade teve ou não influência sobre o desenvolvimento da capacidade de processamento superior dos sons.