Notícia

Câmara Municipal de São Paulo

Prefeitura de SP flexibiliza regras para realização de velórios na pandemia

Publicado em 05 novembro 2021

A Prefeitura de São Paulo anunciou que o limite de pessoas em salas de velório e o tempo máximo de 1 hora de cerimônia foram revogados. A nova regra passa a valer a partir desta sexta-feira (5/11). As medidas de contenção da pandemia permanecem, como o uso obrigatório de máscaras, a disponibilização de álcool em gel e lixeiras nas salas de cerimônia, bem como a disposição da urna em local aberto ou ventilado e a proibição do consumo de comidas e bebidas no local.

Deve-se também evitar a presença de pessoas que pertencem ao grupo de risco para o agravamento da Covid-19 ou que apresentem sintomas respiratórios como tosse, espirro ou coriza. O número de pessoas presentes nos velórios também deverá respeitar a capacidade máxima do local da cerimônia.

A nova regulamentação é válida tanto para os velórios municipais, sob gestão do Serviço Funerário do Município de São Paulo, quanto para os cemitérios e velórios particulares. A medida tem como base a queda no número de óbitos e a evolução do cronograma de vacinação. Como informado pela Secretaria da Saúde, no dia 1º de novembro, o município registrou apenas uma morte por decorrência da Covid-19 e prevê dias sem ocorrência.

Nos casos de morte em decorrência da contaminação por Covid-19, permanece a restrição da realização de velório durante o período de transmissão da doença, que é de 20 dias do diagnóstico. Sendo assim, o funeral será realizado com a urna fechada durante todo o tempo e sem qualquer contato com o corpo do falecido.

Para os casos de óbito fora do período de contaminação, ou seja, transcorridos 20 dias ou mais do diagnóstico e devidamente atestado por Declaração Médica, a realização do velório é permitida, seguindo as medidas de segurança.

Mais sobre o novo coronavírus 1

De acordo com o boletim diário mais recente publicado pela Secretaria Municipal de Saúde de São Paulo sobre a pandemia do novo coronavírus, até esta sexta-feira (5/11), a capital paulista totalizava 38.810 vítimas da Covid-19. Havia, ainda, 1.538.472 casos confirmados de infecções pelo novo coronavírus.

Em relação ao sistema público de saúde, os dados mais recentes mostram que a taxa de ocupação de leitos de UTI (Unidade de Terapia Intensiva) destinados ao atendimento de pacientes com Covid-19 na região metropolitana de São Paulo, nesta sexta (5/11), é de 33,5%.

Na última quinta-feira (4/11), o índice de isolamento social na cidade de São Paulo foi de 38%. A medida é considerada pela OMS (Organização Mundial da Saúde) e autoridades sanitárias a principal forma de contenção da pandemia do novo coronavírus.

A aferição do isolamento é feita pelo Sistema de Monitoramento Inteligente do Governo de São Paulo, que utiliza dados fornecidos por empresas de telefonia para medir o deslocamento da população e a adesão às medidas estabelecidas pela quarentena no Estado.

Mais sobre o novo coronavírus 2

Segundo Boletim VigVac, produzido pela Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz) Bahia, com base em dados até 25 de outubro, mais de 14 milhões de brasileiros estão com a segunda dose da vacina contra Covid-19 em atraso de mais de 15 dias. A informação foi divulgada nesta quinta (4/11).

Os pesquisadores ressaltam que o número de pessoas com a dose em atraso de mais de 15 dias duplicou, entre 25 de setembro e 25 de outubro, saltando de cerca de 7 milhões para 14.097.777. Cerca de metade dos atrasados já deveria ter tomado a segunda dose há mais de 30 dias e 14% deles já perderam o prazo há mais de 90 dias.

A análise levou em conta apenas atrasos de mais de 15 dias por considerar o tempo de entrada das informações na RNDS (Rede Nacional de Dados em Saúde ) e por entender que um tempo curto de atraso pode ocorrer por motivos de dificuldade de agendamento e indisponibilidade das pessoas para se vacinarem. Além disso, os pesquisadores ponderam que o risco individual não é elevado em um intervalo relativamente curto de demora na conclusão do esquema vacinal.

Entre as vacinas utilizadas no Brasil, AstraZeneca, Coronavac e Pfizer requerem a aplicação da segunda dose para que a imunização seja considerada completa. O número de atrasos para a AstraZeneca é de 6.739.561; Coronavac, 4.800.920; e Pfizer, 2.557.296. Os dados do atraso na segunda dose podem ser consultados em um painel mantido pela Fiocruz Bahia.

Os pesquisadores alertam que o atraso diagnosticado no sistema de informações do Ministério da Saúde pode ser justificado por diferentes razões, como a própria demora em buscar a segunda dose, a lentidão para registro na base de dados, o esgotamento e a sobrecarga das equipes de gestão, vigilância e atenção à saúde, a disseminação de notícias falsas sobre a imunização, a falta de estoque de reserva de imunizantes e mortalidade, dentre outros.

Ações e Atitudes

Alterações de memória recente e confusão mental estão entre as sequelas neurológicas mais comuns da Covid-19, de acordo com experimentos com hamsters conduzidos na USP (Universidade de São Paulo). Os testes podem ajudar a entender como esses sintomas surgem e talvez até indicar um caminho para combatê-los.

A pesquisa foi conduzida com os animais vivos e também com astrócitos isolados do sistema nervoso central dos roedores e cultivados in vitro. Os resultados sugerem que a infecção pelo SARS-CoV-2 acelera o metabolismo dessas células nervosas e aumenta o consumo de moléculas usadas na geração de energia, como a glicose e o aminoácido glutamina.

O grande problema é que a glutamina também é importante para a síntese de glutamato – o principal neurotransmissor envolvido na comunicação entre neurônios –, que aparentemente fica prejudicada. Nos animais, a presença do vírus e alterações no nível de proteínas relacionadas com o metabolismo energético foram observadas no hipocampo (região do cérebro fundamental para a consolidação da memória e para o aprendizado) e no córtex (também importante para a memória, a cognição e a linguagem).

O projeto contou com a colaboração de grupos da Unicamp (Universidade Estadual de Campinas) e do Centro de Pesquisa em Doenças Inflamatórias da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP-USP) e e recebeu apoio da FAPESP (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo) por meio de seis projetos. Os resultados preliminares foram divulgados no repositório bioRxiv, em artigo ainda sem revisão por pares.

*Ouça aqui a versão podcast do boletim Coronavírus desta sexta-feira

*Este conteúdo e outros conteúdos especiais podem ser conferidos no hotsite Coronavírus

KAMILA MARINHO
HOME OFFICE

Essa notícia também repercutiu nos veículos:
Portal R7 Veja online Folha.com Folha de Pernambuco online UOL TV Jovem Pan News Folha de S. Paulo Diário do Poder Portal do Governo do Estado de São Paulo MSN (Brasil) Xingu 230 Campo Belo em Foco Jeremoabo.com.br Acontece no RS Jornal Ponta Grossa Diário D4 Notícias Toni Rodrigues Oeste Ao Vivo Oeste 360 Sistema Provincia Relato News Revista Interativa Tudo é Espanto Portal da Enfermagem Mix Vale Galileu online Bomba Bomba GMundo News Edmir Chedid Rondonotícias São Bento em Foco Araraquara24horas PB Acontece Nova Mais Notícias de Campinas Beto Ribeiro Repórter Gazeta Costa Sul Jornal A Cidade (Ponta Porã, MS) TV Brusque Relata Bahia Garanhuns Notícias Saense MSN (Portugal) Planeta online FEDAP - Fundação de Estudos para o Desenvolvimento da Administração Pública Jornal o Brasiliense Nosso Goiás Diário do Pará online Farol da Bahia Blog Saúde e Dicas Poder no Quadrado Pelo Mundo DF TN Sul Blog Biblioteca do Instituto Biomédico Blog Jornal da Mulher Casa de Notícias Investe São Paulo Programa InfoSalud (Argentina) Ata News Agora TS Sou Catarinense A Voz dos Municípios (Laranjeiras, Sergipe) online Rádio Continental FM 96.1 Jundiaí Online O Servidor Público Manchete Política Lucas em foco TaubatéOn Piauí Noticias CREMEPE - Conselho Regional de Medicina do Estado de Pernambuco Na Hora Online Sul do Piauí Jornal Itaqui-Bacanga Extra News MS Diário de Votuporanga online Cabreúva Online Programa InfoSalud (Argentina) Propuesta.com (Uruguai) Nh Tv