Notícia

Agrosoft

Pós-graduação em tempo de pandemia

Publicado em 20 julho 2020

Doutorandos em ciências do mar de vários países criam articulação on-line para garantir a continuidade da carreira acadêmica e a qualidade das pesquisas (navio Prof. W. Besnard; foto: Francisco Luiz Vicentini Neto)

José Tadeu Arantes| Agência FAPESP – Os obstáculos colocados pela pandemia de COVID-19 para o desenvolvimento de pesquisa, principalmente aquelas que envolvem estudo de campo, mobilizaram uma rede de doutorandos em ciências do mar de vários países.

O tema foi discutido on-line e os resultados do debate, publicados no periódico Frontiers in Marine Science, podem inspirar iniciativas semelhantes em outras áreas acadêmicas.

Silas Principe, doutorando no Laboratório de Biologia Recifal do Instituto Oceanográfico da Universidade de São Paulo (USP), foi um dos articuladores da rede. “A ideia de formar este grupo surgiu em uma conversa informal. E convidamos pessoas de vários lugares que conhecemos ao longo da carreira. Nosso objetivo é garantir a continuidade da atividade acadêmica e que pesquisa de qualidade possa ser feita mesmo em condições adversas”, diz à Agência FAPESP.

Uma primeira demanda da rede é que as universidades e agências de fomento considerem a necessidade de fazer adaptações em função da pandemia. Por exemplo, estendendo os prazos para o término das pesquisas e a vigência das bolsas. O artigo assinado pelos doutorandos ressalva que as respostas de apoio de universidades e fundações de pesquisa variam, com os melhores casos envolvendo prorrogação de projetos de pesquisa e bolsas, citando o exemplo de iniciativas adotadas pela FAPESP, pelo governo japonês e pelo Imperial College London, do Reino Unido.

“É importante considerar também possíveis mudanças no desenvolvimento das pesquisas. Por exemplo, aquelas que requerem o uso de embarcações precisam ser reformatadas ou passar por revisão de cronograma. Porque há destinos que só podem ser visitados em determinadas épocas do ano. Se você perde a data em um ano, só poderá ter acesso ao local no ano seguinte”, afirma Principe.

O doutorando sublinha que não há uma resposta única para todas as situações. As soluções precisam ser encontradas caso a caso, com flexibilidade e criatividade.

Uma proposta é a promoção de conferências, seminários e congressos on-line. “Esses encontros são muito importantes pela oportunidade de contatos e articulações internacionais que oferecem. Nosso próprio grupo é fruto disso. Em vez de simplesmente cancelar, realizar on-line é até uma forma de democratizar esses eventos, possibilitando que países ou estudantes com menos recursos financeiros participem”, comenta Principe.

Aulas e cursos on-line também fazem parte das recomendações do grupo. Segundo o doutorando, a tecnologia para isso está dada, por meio do Whatsapp, das mídias sociais, das ferramentas para gerenciamento de projetos. O que falta, em algumas instituições, é uma maior familiaridade com esses recursos. “Os próprios pós-graduandos precisam ajudar”, diz.

Para alavancar o processo, o grupo criou uma conta no Twitter, com o objetivo de noticiar todas as oportunidades que se apresentarem para os doutorandos da área. “Quanto mais gente utilizar essa plataforma, mais fácil será encontrar e compartilhar as oportunidades”, afirma Principe.

A conta se chama Marine Graduate Opportunities. E pode ser acessada no endereço: twitter.com/mar_opps. Pós-graduandos e instituições podem contribuir postando oportunidades com a hashtag marineopps.

O artigo Advancing Through the Pandemic From the Perspective of Marine Graduate Researchers: Challenges, Solutions, and Opportunities é assinado por Juan Pardo (University of Agder e Norwegian Institute for Water Research, Noruega), Debra Ramon (University of Haifa, Israel), Gabriel Stefanelli-Silva (Universidade de São Paulo, USP), Isa Elegbede (Brandenburg University of Technology Cottbus-Senftenberg, Alemanha), Luciana Lima (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais, Inpe) e Silas Principe (USP) e está disponível na íntegra em www.frontiersin.org/articles/10.3389/fmars.2020.00528/full.

Fonte: Fapesp