Notícia

SEGS Portal Nacional de Seguros & Saúde

Pós-graduação em Educação para a Ciência na Unesp

Publicado em 02 outubro 2015

Está aberto, até 23 de outubro, o PROCESSO SELETIVO 2016 para o PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO PARA A CIÊNCIA (CURSOS MESTRADO E DOUTORADO ACADÊMICO) na Faculdade de Ciências da Unesp, em Bauru.

INFORMAÇÕES: http://www.fc.unesp.br/poseducacao

E-MAIL: pgfc@fc.unesp.br

FONE: (14) 3103-6077

Programa: Educação para a Ciência

Área: Ensino de Ciências e Matemática

Área de Concentração: Multidisciplinar

Conceito Capes: 6 (triênio 2010-2013)

O Programa de Pós-graduação em Educação para a Ciência, reconhecido pela CAPES com conceito 6, iniciou suas atividades em 1997 quando, em função de projetos financiados por órgãos como Fapesp, CNPq, CAPES e MEC, já se percebia na Unesp infraestrutura material e de recursos humanos que garantiam lastro para alavancar e consolidar o Programa, considerado hoje como um dos pioneiros na área de ensino de Ciências e Matemática no país (atual área de Ensino).

O estabelecimento deste lastro de pesquisa foi responsável nestes 17 anos que se completaram em 2014, desde a abertura do curso de mestrado em Educação para a Ciência, pela formação de mais de 270 mestres e quase uma centena de doutores, hoje atuando na maioria dos estados brasileiros e também no exterior.

A partir de 2003, com a instalação do curso de doutorado, o Programa garante também sua consolidação em nível nacional e internacional, contando em 2013, com 35 docentes, vários deles bolsistas do CNPq, que se congregam em 16 grupos de pesquisa, responsáveis por projetos e parcerias com importantes grupos de pesquisa nacionais e internacionais, caracterizando a Unesp de Bauru, bem como os demais câmpus onde atua o quadro de docentes do Programa, como importante centro de referência na pesquisa em ensino de Ciências e Matemática e na formação de licenciados, mestres, doutores e pós-doutores nesta área.

No bojo da aquisição deste lastro de recursos material, humano e acadêmico, floresceu, naturalmente, a Revista Ciência & Educação, considerada hoje importante veículo nacional de divulgação da pesquisa acadêmica na área de Ensino de Ciências e Matemática e classificada no Qualis-CAPES com nível A-1 nas áreas de Ensino e de Educação, com Conselho Editorial e de Avaliadores constituídos por renomados pesquisadores de diversos grupos de pesquisa do Brasil e do exterior. Esse avanço só foi possível com a instituição e consolidação dos grupos e linhas de pesquisa apoiados em seus projetos individuais e coletivos pelos principais órgãos financiadores do país e outros em parcerias internacionais.

Os reflexos dessas ações, iniciadas mesmo antes da implantação do curso de mestrado, ainda em 1994, com o projeto PADCT/SPEC intitulado “Ações integradas para a melhoria do Ensino de Ciências, Matemática e Educação Ambiental na região de Bauru”, e o Curso de “Especialização em Ensino de Ciências e Matemática”, extrapolaram as expectativas iniciais da equipe responsável, que hoje forma a base do quadro docente do Programa, uma vez que pesquisadores do Programa e os profissionais egressos estenderam sua atuação, inicialmente na região do centro-oeste paulista, a importantes universidades, órgãos públicos e privados do país, exercendo ações e lideranças que têm contribuído para elevar o nível dos cursos de graduação e pós-graduação, através da transferência de resultados dos estudos aqui desenvolvidos a novas realidades, com a nucleação de vários novos grupos de pesquisa na área e até a constituição de novos programas em regiões carentes do país.

Em nível nacional, projetos como DINTER, PROCAD, PRODOC e outros, em colaboração com programas de outras regiões do país, têm auxiliado na diminuição das diferenças regionais e proporcionado integração do nosso corpo de pesquisadores com outras realidades e contribuindo para a visibilidade nacional ao Programa. Por sua vez, projetos como o PIBID, PIBIC, Observatório da Educação, FAPESP Ensino Público, FINEP e outros, têm contribuído para aproximar ainda mais a pesquisa produzida no programa à escola de Educação Básica, em projetos de colaboração que, em mão dupla, favorecem a diminuição da distância entre o ensino superior e a educação básica.

O impacto do programa em nível nacional tem sido visível também, quando se constata que mestres, doutores e pós-doutores formados no programa têm contribuído para reforçar quadros de ensino e pesquisa em diversas universidades da maioria dos estados brasileiros e também em universidades do exterior. Novos programas de pós-graduação implantados recentemente no interior de vários estados do país, que têm em seus quadros pesquisadores oriundos deste Programa, mostra a importância deste Programa na nucleação de novos polos de excelência no país.

Isso começa, também a ser sentido em nível latino-americano, fruto de parcerias de grupos de pesquisa com outros países e da vinda de professores desses países (PEC-PG, AUIP etc.) através de intercâmbios e bolsas de estudos da CAPES, Embaixada do Brasil e outros programas. Numa avaliação externa mais ampla, a procura do Programa hoje por alunos de vários estados brasileiros, bem como do exterior, e por grupos de pesquisa de universidades brasileiras e de outros países, que propõem o estabelecimento de cooperação e parcerias duradouras, sinaliza que as ações estabelecidas pelos Conselhos de Curso que se sucederam nestes últimos anos, o empenho de docentes e discentes e o apoio de órgãos financiadores e o apoio e avaliação constante do Programa pela Pró-reitora de Pós-Graduação e de Pesquisa da UNESP, contribuíram de forma a permitir a construção e consolidação deste lastro de pesquisa nesses 17 anos deste Programa de Pós-graduação.

Tendo se consolidado amplamente em nível nacional, com forte presença de mestres e doutores em quase todos os estados do país e seu corpo docente participando ativamente em colegiados, comissões organizadoras e comitês científicos de órgãos públicos e dos principais eventos nacionais e internacionais da área, o Programa caminha agora para a consolidação das atuais parcerias e intercâmbios internacionais com países como a Espanha, Portugal, França, Inglaterra, Suíça, Colômbia, Chile, Venezuela e a abertura para novos desafios visando à consolidação de projetos internacionais, meta estimulada pela CAPES e, internamente, pela Reitoria da Unesp.

Fonte/Autoria: UNESP