Notícia

Portal Edilene Mafra

Poraquê: peixe-elétrico da Amazônia faz caça em grupo

Publicado em 14 janeiro 2021

Pesquisadores descobriram que os poraquês se organizam em grupos para realizar caça coletiva. Os poraquês são peixes-elétricos da Amazônia que podem dar descargas elétricas de até 860 volts. O estudo foi publicado nesta quinta-feira (13/01) na revista Ecology and Evolution.

A caça coletiva é um comportamento raro em peixes, apesar de já ter sido identificado em baleias, lobos, golfinhos e em poucos mamíferos. É a primeira vez que os cientistas identificam o comportamento nos poraquês.

A tática é conhecida como predação social. Ela consiste em realizar busca e ataques coordenados, a fim de capturar presas e beneficiar todo o grupo.

O estudo sobre os poraquês é financiado pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), Smithsonian’s Global Genome Initiative, National Geographic Society e Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP).

Estudo

Pesquisadores do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa/MCTI), em Manaus, e da Smithsonian Institution, nos Estados Unidos, descreveram o comportamento em um lago da Estação Ecológica Terra do Meio, no Pará.

Segundos os cientistas, os poraquês são conhecidos por caçar solitariamente à noite. No entanto, um grupo de cerca de 100 poraquês da espécie Electrophorus voltai, cada um com até 1,8 metro de comprimento, foi filmado caçando em grupo.

O estudo identificou que, ao amanhecer e no pôr do sol, os poraquês migram para uma parte mais rasa do lago, cercam cardumes de pequenos peixes, conhecidos como piabas ou lambaris, e emitem fortes descargas elétricas. As presas saltam para fora e são devoradas quando voltam atordoadas para a água.

“Eu estava em campo, realizando um outro trabalho, quando vi aquela enorme concentração de poraquês. De tempos em tempos, eles davam descargas e as piabas pulavam. Aquilo foi, literalmente, chocante. Nos mais de 250 anos desde que esse animal foi descrito pela primeira vez, esse comportamento nunca havia sido registrado”, destacou Douglas Bastos, primeiro autor do trabalho e doutor pelo Programa de Pós-Graduação em Biologia de Água Doce e Pesca Interior (Badpi) do Inpa, sob orientação dos pesquisadores Lúcia Rapp Py-Daniel e Jansen Zuanon.

Há anos, a dupla estuda a diversidade de peixes na Amazônia. Os dois também são coautores do trabalho.

Douglas faz parte do grupo liderado por Carlos David de Santana, egresso do Inpa e atualmente pesquisador-associado do National Museum of Natural History, da Smithsonian Institution, em Washington. Em 2019, a equipe descreveu que há pelo menos três espécies de poraquês, duas são novas, entre elas a E. voltai, que realiza a predação social e tem a maior descarga elétrica já registrada em um animal, 860 volts.

Os trabalhos integram o projeto ‘Diversidade e evolução de Gymnotiformes’, financiado pela FAPESP e coordenado por Naércio Menezes, professor do Museu de Zoologia da Universidade de São Paulo (MZ-USP).

“Nossa hipótese inicial é que locais como esse, com grande abundância de presas e abrigo para dezenas de poraquês, favoreçam a caça em grupo e o desenvolvimento da estratégia de predação social. Por isso, é possível que o fenômeno ocorra em outros locais e até mesmo com outras espécies de poraquê. Só não foi registrado ainda”, explicou Santana.

Projeto Poraquê

Para tentar localizar novos pontos de ocorrência desses eventos, agora os pesquisadores trabalham na criação de uma plataforma on-line, o Projeto Poraquê, em que moradores dos nove países da Amazônia possam submeter vídeos de outros casos de predação social por poraquês além de obter mais informações sobre esses animais tão fascinantes.

A iniciativa busca envolver a comunidade nos rumos da pesquisa com poraquês e deve guiar as novas coletas de campo do grupo.

Predadores crepusculares

Conforme informações do Inpa e da Fapespe, Douglas Bastos observou o fenômeno pela primeira vez em 2012, quando fez os primeiros registros com apenas uma câmera. Demorou mais dois anos para que conseguisse organizar a logística para ir novamente ao local, a cerca de 500 quilômetros de Altamira, no Pará, percurso que leva aproximadamente cinco dias para ser feito de barco, pelo rio Iriri. Pegando carona num pequeno avião que passou pelo local e dessa vez mais bem equipado, Bastos conseguiu observar e filmar o grupo em diversos momentos ao longo de 72 horas.

Na maior parte do dia (entre 7h30 e 17h), e durante toda a noite (19h30 às 5h), os animais repousam na parte mais funda do lago (3 a 4 metros de profundidade). No alvorecer e no crepúsculo, porém, eles migram para uma área mais rasa, com menos de um metro de profundidade. Nesses horários, as piabas estão indo para o leito se alimentar ou voltando para a margem para descansar. É o momento em que os poraquês atacam.

“Enquanto a espécie [poraquê] normalmente caça solitariamente durante a noite, aproveitando que as presas estão repousando, esse grupo é de predadores crepusculares: caçam nos horários de sol nascendo ou se pondo, quando as presas estão começando o dia ou encerrando as atividades”, conta Bastos.

Os poraquês nadam em círculos em volta de um cardume, concentrando o maior número possível de piabas. Aos poucos, pequenos subgrupos de dois a 10 indivíduos separam parte do cardume e conduz as presas para a margem. Então, um ou mais poraquês desse subgrupo dispara uma forte descarga elétrica, fazendo com que as piabas saltem, atordoadas pelo choque.

“Disparados simultaneamente por 10 indivíduos, em teoria esses choques podem gerar uma descarga de 8.600 volts!”, disse de Santana.

Os peixes-elétricos então abrem a boca e engolem o máximo de presas que conseguem. Outras espécies de peixes carnívoros, como o tucunaré (Cichla melaniae), podem se aproveitar das presas atordoadas. Após cinco a sete ataques em uma hora, o grupo inteiro retorna para o fundo do lago.

Monitoramento via transmissor

Os pesquisadores agora pretendem coletar alguns animais e implantar um pequeno transmissor sob a pele, que emitirá sinais de rádio, por sua vez captados por uma antena em terra firme. Assim, a movimentação dos poraquês poderá ser monitorada de forma contínua, permitindo determinar padrões e mesmo possíveis hierarquias dentro do grupo.

Além disso, o grupo planeja medir a potência das descargas elétricas emitidas, a fim de saber tanto a voltagem daquelas disparadas para atordoar as piabas quanto se há também emissão de descargas fracas, que os peixes-elétricos de modo geral usam para se comunicar. Assim, será possível saber se os animais se comunicam para coordenar os ataques.

Por fim, a coleta de amostras genéticas permitirá verificar se os indivíduos são parentes, como costuma ocorrer com os mamíferos que caçam em conjunto, que normalmente são irmãos liderados por um genitor mais velho.

“A descoberta é um lembrete da nossa falta de conhecimento adequado sobre o modo de vida dos peixes, mesmo das espécies mais emblemáticas da região”, destacou Jansen Zuanon, coautor do trabalho e pesquisador de longa data dos peixes amazônicos. A pesquisadora Lúcia Rapp acrescentou ainda que “a confirmação do comportamento de predação social levanta várias questões importantes que só podem ser respondidas estudando os poraquês em seu ambiente natural”. Os pesquisadores do Inpa enfatizaram a importância de mais estudos comportamentais em campo para que se possa entender melhor a diversidade de peixes.

Os autores concluem reiterando que o trabalho além de contribuir para o entendimento adequado da biologia de peixes e da história natural dos peixes elétricos, serve também como uma oportunidade para se pensar na infinidade de descobertas que a diversidade amazônica ainda guarda e em tudo que se pode perder se não buscarmos formas de preservá-la.

O artigo Social predation in electric eels, de Douglas A. Bastos, Jansen Zuanon, Lúcia Rapp Py-Daniel e Carlos David de Santana, pode ser lido em .

Essa notícia também repercutiu nos veículos:
Yahoo! BOL Agência Brasil IstoÉ online IstoÉ Dinheiro online Yahoo! Yahoo! G1 O Povo Nature (Reino Unido) online INPA Scienmag Science Magazine (Reino Unido) Phys.Org (Reino Unido) Smithsonian Insider Galileu online Cultura Amazônica Amazônia Sem Fronteira Rádio Coopnews The New York Times (EUA) online Brasil Amazônia Agora ScienceDaily (EUA) News Break (EUA) Flipboard (EUA) CRWeWorld Brazil (EUA) Fresh Hourly - the latest news The Daily Ripple (EUA) TechCodex (Índia) Climatechange (Irlanda) i-NEWS - India Right Now Group Amazônia Sem Fronteira Online Multimidia Saense Planeta online BBC Mundo (Reino Unido) AlcidesFaria Portal Debate Carajás Saber Atualizado Em Tempo (Manaus, AM) online Ecoamazônia Plantão News (MT) Plurale online Mundo e Meio Portal do Holanda Polit (Rússia) Ars Technica (EUA) Replicário Diário do Amazonas Mato Grosso Digital Revista Amazônia Blog Jornal da Mulher Correio Paraense Revista Ecológico online Sou Ecológico Dom Total Jornal do Vale (Ceres, GO) online Mato Grosso Mais Notícias Primeira Edição Estação da Notícia Gazeta Minas a informação direta Informe Baiano D24AM DF Manchetes Dia a Dia On-line Bocaina Informa Diário MS News Atual MT Cenário MT CGN Amazônia Sem Fronteira O Bom da Notícia Midia News Campo Grande O Povo online O Rolo Notícias Jornal Fogo Cruzado DF JorNews Jornal Dia Dia Enfoque MS Jornal de Jundiaí online Portal R3 Portal Ribeirão Preto Portal Roma News Portal Mariliense Nosso Goiás Portal Notícias Bahia Tangará em Foco Sistema Costa Norte de Comunicação Dinheiro Rural online TNH1 Tudo em Dia Portal Uno Midias Portal Flagrante Portal Mato Grosso Jornal O Diário (MT) online - Clique F5 Portal Brasil Empresarial Portal Paraná Empresarial Portal Norte de Notícias Portal Marcela Rosa Blog da Amazônia Amazônia Revista Ecológico online Jornal Noroeste News Sou Ecológico Rádio Cultura FM 101,7 Rádio Nova Aliança FM 105,9 Rádio Cidade Nova FM 104,9 Rádio Liberdade FM 87,9 Rádio Sat Peruíbe FM 87,9 Diário da Amazônia online Empresas S/A Falando de Gestão FarolCom Jornalismo 24 Horas Amazônia Brasil Rádio Web Brasil Amazônia Agora Coisas da Vida Diário do Amapá Revista Construtores Portal de Finanças Portal Fator Brasil Portal Paraná Empresarial Marcas e Mercados Radar Amazônico 3 Poderes MT Sociedade Científica eCycle Portal Amazônia ContilNet Notícias O Povo Amazonense Portal AM Revista Faces 18 Horas Piscishow e Avisuleite Portal Plural Pesca & Companhia online TN Online Portal Marcela Rosa Jornal de Piracicaba online ZAP Notícias - AEIOU (Portugal) Diário do Pará online Balanço Paraense Circuito D Seu Bairro Hoje Clube News Goiás Notícias Rômulo de Oliveira Martins: Advocacia e Assessoria Jurídica Primeira Edição online New Atlas (Austrália) Green Savers (Portugal) Kepusz (China) Parallaxi Magazine (Grécia) ScienceNet (China) BBC News Persian CAS - Chinese Academy of Sciences (China) SciToday (China) Ok diario (Espanha) Lega Nerd (Itália) Futuro360 (Chile) Everyeye Tech (Itália) Sciencepost (França) El Imparcial (México) Uncommon Descent Outsider (EUA) Gizmodo (EUA) Yahoo! (EUA) Guest Articles Sveriges Radio (Suécia) Tribuna Press Em Rondônia BBC News Indonesia (Indonésia) Tempo.co (Indonésia) detikNews (Indonésia) ScienceAlert (Austrália) People News Chronicle Spektrum (Alemanha) online Greenreport (Itália) La Vanguardia (Espanha) online Kodami (Itália) Sciences et Avenir (França) online Telex (Hungria) GuruMeditation Universo Racionalista Head Topics (Indonésia) SINDOnews (Indonésia) Super Interessante online Notizie Scientifiche (Itália) Science (EUA) online In de Spiegel (Holanda) Animals Today (Holanda) X-MOL (China) This Week News (EUA) We Found This Science News Science News for Students (EUA) Geeky News inStory.cz (República Tcheca) Sci-News.com (EUA) MLActu (França) N+1 - Nplus1.ru (Rússia) Kepu.gmw.cn (China) BleNews (Espanha) Vikerraadio (Estônia) Paper.sciencenet.cn (China) NewsOpener (EUA) Portal 24h TechCodex (Índia) Jornal Agora Amazonas Viva.co.id (Indonésia) ScienceNet (China) Perfil (Brasil) Portal o Vento Gizmodo en Español (EUA) Caderno Político Prime Times (Índia) MimicNews Modais em Foco Portal GRNews Focado News Inforbrnet Giro de Notícia Rádio Guaribas FM Portal Alta Notícias SouSorocaba Notícias Indaiatuba Expressão Mearim OffNews Portal Plural Corban Aquarismo Paulista Brasil em Folhas online Clazoom Folha de Aparecida Jornal Rede 1 - JR1 Portal Notícia e Pesquisa Dia a Dia Notícia Sou de Sergipe Xeretando