Notícia

Jornal do Campus online

Por que o ICMC tem ganhado destaque?

Publicado em 30 novembro 2016

Por Juliana Brocanelli

Nas últimas edições do Jornal do Campus, nossos repórteres se depararam com uma grande quantidade de pesquisas vindas do Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) da USP São Carlos. Entre as que saíram no Jornal, estão a proposta de um aplicativo que ajuda a corrigir a postura de pacientes com AVC, e a criação de uma armadilha contra o Aedes aegypti.

Segundo dados disponíveis no site do ICMC, a unidade foi responsável, só em 2015, por 235 publicações de artigos científicos na íntegra e mais de 50 projetos de pesquisa.

Em comparação com o Instituto de Matemática e Estatística (IME), que possui cursos de graduação e programas de pós-graduação similares aos oferecidos pelo ICMC, este último leva vantagem de mais de 570 publicações científicas desde 2010. Os dados em relação aos alunos da pós-graduação não são tão díspares no entanto: o site dos institutos mostra uma diferença de apenas oito alunos para o ICMC.

Distante 244 km da capital, em um dos pólos tecnológicos do País, o instituto mostra números robustos e que têm causado impacto na ciência nacional: são 141 pesquisadores, mais de mil alunos de graduação, quase 700 de pós-graduação e cerca de 50 pós-doutores, segundo dados da unidade.

Para tentar esclarecer a que se deve o destaque da produção científica do instituto, o JC conversou com o professor Francisco Aparecido Rodrigues, presidente da Comissão de Pesquisa do ICMC. Na entrevista que segue, o docente, que é responsável pela criação do grupo de pesquisa “Sistemas Complexos, Partículas e Controle”, dá seu ponto de vista sobre a vida científica do instituto.

A que se deve a abrangência de resultados das pesquisas do ICMC em várias áreas?

O ICMC tem alcançado níveis de excelência tanto em computação quanto em matemática. Parte desse sucesso se deve principalmente à atração de pesquisadores de alto nível e colaborações com diversas universidades do Brasil e do exterior. Além disso, há uma variedade muito grande de pesquisas desenvolvidas, que vão desde o desenvolvimento de veículos de navegação autônoma até métodos de diagnóstico médico por imagens. O ICMC também tem uma longa tradição em matemática pura, como Equações Diferenciais e singularidades, que resulta em um alinhamento entre pesquisa teórica e aplicada.

Quais são as principais motivações dos pesquisadores do ICMC para escolher seus temas de pesquisa?

As principais áreas da computação e matemática são pesquisadas no Instituto, o que oferece um alto nível de multidisciplinaridade, que permite desde o desenvolvimento de tecnologias para aplicações cotidianas até novas teorias matemáticas. Aqui, os alunos têm um grande número de possibilidades de escolha para pesquisarem. Essas possibilidades de pesquisa colocam o Instituto em uma posição estratégica para fomentar o desenvolvimento tecnológico do País. Também é muito gratificante quando conseguimos observar fenômenos inéditos e motivar novas pesquisas em um dado problema.

De onde vêm os financiamentos das pesquisas, majoritariamente? O fato do Instituto ser no interior facilita ou dificulta o financiamento?

A grande maioria dos recursos que captamos são oriundas de agências públicas de fomento, tais como CNPq e Fapesp. A Fapesp investiu recentemente na criação de um supercomputador no ICMC. Foram destinados US$ 1,25 milhão (R$ 4,15 milhões) para a compra da máquina e outros US$ 625 mil (R$ 2 milhões) para a atualização. Acredito que o fato do Instituto estar no interior não interfere no financiamento. A localidade interfere na atração de recém doutores do exterior, já que, quando se menciona a USP no exterior, geralmente associa-se à cidade de São Paulo e, logo, as escolhas são dirigidas para se trabalhar ou estudar lá. No entanto, acredito que, com o crescimento do nível de excelência do ICMC, nosso Instituto está se tornando cada vez mais visível tanto para os alunos como para pesquisadores e o fato de estarmos no interior será visto até como uma vantagem, pois o custo de vida em São Carlos é muito menor do que em São Paulo.

Quais são as perspectivas de carreiras para os estudantes na graduação? E os incentivos para os docentes desenvolverem pesquisas?

Os cursos do ICMC são altamente competitivos e preparam os alunos de forma excelente para o mercado de trabalho. Com isso, os alunos dos cursos de Ciências da Computação, Sistemas de Informação, Engenharia de Computação, Matemática Aplicada e Computação Científica, Estatística, Matemática e Licenciatura em Ciências Exatas têm encontrado posições no mercado com certa facilidade. Há uma enorme carência de profissionais qualificados nessas áreas e o ICMC tem contribuído de forma fundamental para o desenvolvimento tecnológico do país. Com relação aos docentes, há diversos incentivos para que desenvolvam pesquisas de ponta; uma delas é o reconhecimento internacional nas suas respectivas áreas. Outra é a possibilidade de atrair excelente alunos e recursos para realização de pesquisas. A bolsa produtividade do CNPq, que é um reconhecimento aos pesquisadores com maior destaque em pesquisa, é outro incentivo que vale a pena ser mencionado.

O que representa o ICMC?

O ICMC cresceu muito nas últimas décadas e tem alcançado um destaque cada vez maior dentre todos os institutos da USP. Este ano, 89 pesquisadores visitaram o ICMC, sendo 69 deles estrangeiros. Vale ressaltar também o fato de que o ICMC tem contribuído para a formação e difusão do conhecimento com cursos oferecidos para a sociedade local e atividades que divulguem as pesquisas em Computação e Matemática. Em resumo, o Instituto completará 45 anos este ano e tem crescido em qualidade e produtividade, contribuindo assim para o avanço econômico e social de nosso país.