Notícia

Correio da Paraíba

Poços geram terremotos no Brasil

Publicado em 25 abril 2010

Agência Fapesp - Como fazer a terra tremer mesmo sem tocar em uma banda de rock pesado? Basta perfurar vim poço de pelo menos 100 metros de profundidade, deixar encher de água e aguardar. Provavelmente a água vai se infiltrar entre os blocos de rocha abaixo da superfície e precipitar o deslizamento dos que já estavam para se soltar.

Como resultado, o chão vai tremer, embora seja impossível prever em que momento e com que intensidade. Dificilmente será algo tão dramático quanto os terremotos recentes no Chile, que deslocaram várias cidades. Mas talvez seja o bastante para causar trincas em paredes de casas, como está acontecendo há alguns anos na região de Bebedouro, norte do estado de São Paulo.

Uma equipe do Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas IAG da Universidade de São Paulo USP verificou que tremores pouco intensos se tornaram constantes no distrito de Andes em Bebedouro a partir de janeiro de 2004.

Poucos meses antes haviam sido abertos em uma fazenda 10 poços profundos, com 120 a 200 metros, para irrigar plantações de laranja

Por meio de 10 estações sismográficas instaladas na região desde 2005, os pesquisadores concluíram que os poços é que estariam causando os cerca de 3 mil tremores registrados nos últimos cinco anos

- dois por dia, em média a maioria na época das chuvas, quando os poços não são bombeados . Os moradores os atribuíram inicialmente a explosões em pedreiras, embora não houvesse nenhuma nas proximidades.

Deslizamento dos blocos

Como chove muito de dezembro a março, os poços não são bombeados e permanecem cheios. A água penetra mais facilmente entre os blocos de rochas basálticas que formam uma das camadas sob o solo e facilita o deslizamento dos blocos que já estavam sob tensão , diz o geofísico Marcelo Assumpção, coordenador da equipe do IAG procurada pelos moradores da região no início de 2005. Os tremores mais fortes chegaram a 2,6 e 2,9 de magnitude, nos dias 11 e 30 de março de 2005.

Tremores de magnitude 2 a 3 normalmente não são sentidos pelas pessoas, mas em Bebedouro isso ocorre porque se originam próximos à superfície, a cerca de 200 metros de profundidade , diz ele. Os menos intensos são frequentes. Em março de 2005 os equipamentos registraram pelo menos 100 tremores por semana, dos quais 20 a 30 foram sentidos pelos moradores do distrito de Andes. Os abalos mais fortes fazem as casas balançarem e o chão e as janelas vibrarem, provocam trincas em pisos ou paredes, desequilibram quadros e portas e assustam as pessoas.

Os sismógrafos indicaram que os tremores podem migrar, como detalhado no artigo a ser publicado na revista Water Resources Research. A cada ano os tremores começam perto dos poços de maior vazão , diz Assumpção. Com o tempo os epicentros vão se afastando alguns quilômetros, acompanhando o deslocamento da pressão da água nas camadas mais profundas.