Notícia

Jornal da Ciência online

Plataforma Brasileira de Biodiversidade e Serviços Ecossistêmicos completa três anos

Publicado em 21 fevereiro 2020

Constituída inicialmente como um Grupo de Trabalho da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), a BPBES sintetiza o melhor conhecimento disponível pela ciência acadêmica e pelos saberes tradicionais sobre as temáticas da biodiversidade e dos serviços ecossistêmicos e suas relações com o bem-estar humano, com foco nos biomas continentais do Brasil e no costeiro-marinho

Lançada em 20 fevereiro de 2017, a Plataforma Brasileira de Biodiversidade e Serviços Ecossistêmicos (BPBES) completa três anos de trabalhos intensos que resultaram no Diagnóstico Brasileiro de Biodiversidade e Serviços Ecossistêmicos e mais cinco Relatórios Temáticos que podem ser acessados aqui.

A BPBES foi constituída inicialmente como um Grupo de Trabalho da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC). Suas atividades são desenvolvidas desde 2015 com o suporte financeiro do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico/CNPq, do Programa BIOTA/FAPESP e do apoio da Academia Brasileira de Ciências/ABC e da Fundação Brasileira para o Desenvolvimento Sustentável/FBDS.

Sua missão é produzir sínteses do melhor conhecimento disponível pela ciência acadêmica e saberes tradicionais sobre Biodiversidade, Serviços Ecossistêmicos e suas relações com o bem-estar humano. Para tanto, promove reuniões setoriais de trabalho com grupos de interesses variados – como representantes do governo federal, organizações não governamentais, empresas, etnias indígenas e jornalistas – com o intuito de compartilhar os principais resultados, debater e ouvir críticas e sugestões. A iniciativa é inspirada na Plataforma Intergovernamental de Biodiversidade e Serviços Ecossistêmicos (IPBES) da ONU, criada em 2012 e que funciona como o “IPCC da Biodiversidade”.

Em 2019, publicou o primeiro Diagnóstico Brasileiro sobre Biodiversidade e Serviços Ecossistêmicos, que compilou e analisou a produção científica sobre os diferentes aspectos da biodiversidade e dos serviços ecossistêmicos no Brasil, fornecendo uma síntese para subsidiar a definição de políticas públicas e as ações do setor privado. O diagnóstico relatou o estado atual da biodiversidade e serviços ecossistêmicos nos biomas terrestres (Amazônia, Mata Atlântica, Caatinga, Cerrado, Pantanal, Pampa), nos sistemas aquáticos continentais e nas zonas costeiras e marinhas. O Sumário para Tomadores de Decisão (STD) deste primeiro Diagnóstico foi lançado no dia 8 de novembro de 2018 no Rio de Janeiro pela equipe do BPBES.

Em setembro de 2019, a Plataforma foi reestruturada para apoiar e fomentar a elaboração de novos relatórios temáticos. O novo arranjo se apoia em três pilares: a coordenação executiva, conselho técnico-científico, e autores de diagnósticos.

A COORDENAÇÃO EXECUTIVA reúne pesquisadores jovens e experientes que compreendem profundamente a missão da BPBES e tem como objetivo manter e aperfeiçoar as atividades de sustentação da Plataforma.

O CONSELHO TÉCNICO-CIENTÍFICO é formado por membros de diferentes regiões e instituições do país com reconhecida atuação no entendimento das relações entre biodiversidade, serviços ecossistêmicos e bem-estar humano. O conselho tem como atribuição, indicar caminhos para que a Plataforma Brasileira continue perseguindo sua missão de produzir sínteses do melhor conhecimento disponível pela ciência acadêmica e saberes tradicionais com vista à tomada de decisão informada pelos diversos setores da sociedade.

Os AUTORES DE DIAGNÓSTICOS são especialistas reconhecidos em suas áreas de atuação e convidados a colaborar voluntariamente na elaboração de sínteses de conhecimento. Podem ser especialistas de instituições de pesquisa, sociedade civil organizada, do governo, de empresas públicas ou privadas e detentores de conhecimento tradicional ou indígena.