Notícia

Diário da Saúde

Planta do Cerrado supera medicamentos contra candidíase

Publicado em 07 outubro 2019

Os fungos do gênero Candida causam uma doença bastante comum em humanos, a candidíase, ou monilíase.

Em pessoas com baixa imunidade, principalmente em ambiente hospitalar, a infecção pode ser mortal. E, embora o medicamento mais usado para combatê-la seja eficiente em grande parte dos casos, algumas variedades do patógeno apresentam resistência aos medicamentos.

Agora, pesquisadores do Brasil e da Espanha conseguiram isolar compostos presentes no sansão-do-campo (Mimosa caesalpiniifolia) - uma planta do Cerrado também conhecida como cerca-viva - que combatem duas espécies de Candida.

A ideia é criar uma pomada que possa ser usada como alternativa ao fluconazol, antimicótico há mais de duas décadas considerado a melhor alternativa contra a candidíase. A infecção pode causar coceira e dor nos órgãos genitais, além de pequenas feridas (em homens) ou corrimento (nas mulheres).

"A descoberta e o desenvolvimento de novas entidades terapêuticas, que com uma combinação apropriada permitem uma considerável redução na concentração necessária dos medicamentos, podem minimizar os efeitos colaterais e a toxicidade observada nas drogas usadas atualmente. Além disso, podem diminuir o custo final do tratamento e a resistência adquirida por alguns microrganismos," disse o professor Wagner Vilegas, que coordenou o trabalho do pesquisador Marcelo José Dias Silva, da Universidade Estadual Paulista.

Medicamento natural supera remédio tradicional

Foram isolados do extrato do sansão-do-campo 23 compostos já conhecidos, além de cinco flavonoides inéditos, nomeados mimosacaesalpina A, B, C, D e E. Aplicados em amostras de Candida glabrata e Candida krusei, duas espécies causadoras de candidíase, quatro dos 28 compostos mostraram atividade antifúngica maior que a do fluconazol.

A partir de agora, serão estudadas três formulações, usando os compostos ou combinações que tiveram maior efeito inibidor do crescimento dos fungos. Uma será a combinação de um tipo de beta-sitosterol com galato de etila, duas substâncias presentes em várias espécies de plantas, mas encontradas em abundância no sansão-do-campo.

A outra pomada terá apenas um dos novos flavonoides descobertos, a mimosacaesalpina C. Por fim, será testada uma combinação desta mimosacaesalpina com o beta-sitosterol.

"Sozinho, o beta-sitosterol não foi eficiente, mas combinado aos outros dois compostos mostrou um efeito sinérgico, com ação potencializada. Já a mimosacaesalpina C mostrou uma atividade promissora e seletiva contra o C. krusei, resistente ao fluconazol", disse Silva.

Antes de criar a pomada, no entanto, os pesquisadores vão testar se o efeito antifúngico dos quatro compostos se mantém, ou mesmo aumenta, quando eles são misturados com adjuvantes, substâncias usadas para potencializar a ação de medicamentos no organismo.

Checagem com artigo científico:

Artigo: Bioassay-Guided Isolation of Fungistatic Compounds from Mimosa caesalpiniifolia Leaves

Autores: Marcelo J. Dias Silva, Ana M. Simonet, Naiara C. Silva, Amanda L. T. Dias, Wagner Vilegas, Francisco A. Macías

Publicação: Journal of Natural Products

Vol.: 82, 6, 1496-1502

DOI: 10.1021/acs.jnatprod.8b01025

Com informações da Agência Fapesp