Notícia

Jornal de Piracicaba

Piracicaba do futuro

Publicado em 06 julho 2003

A revelação na edição de hoje do Jornal de Piracicaba de que uma empresa piracicabana, formada por alunos da Esalq (Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz), lidera o mercado brasileiro de produção de insetos que combatem pragas agrícolas insere o município em um novo patamar dos novos empreendimentos de alta tecnologia. Transformar Piracicaba também em um pólo de alta tecnologia - a vocação para o setor sucroalcooleiro é histórica e já se encontra bem consolidada -, especialmente voltado para o agribusiness, é buscar a diversificação em investimentos e propiciar um crescimento planejado à cidade. As notícias recentes enumeram fatos que põem Piracicaba na contramão da atual história econômica do país: 1) os canavieiros, que já garantiram a produção de álcool de maneira a não ocorrer desabastecimento do combustível no país, conseguem, agora, obter um superprodução de milho, em cultura de rotação (abre-se aqui uma nova frente do negócio agrícola, com a diversificação da cultura; 2) a Belgo Mineira anunciou investimentos de R$ 30 milhões, em sua nova unidade na cidade, para recebimento e compactação de sucata, matéria-prima utilizada pela empresa, que produz vergalhões para a construção civil - em menos de dois anos, o grupo já investiu mais de R$ 200 milhões em Piracicaba e já está pronto para dobrar sua produção das atuais 500 mil toneladas/ano para 1 milhão de toneladas; 3) a Case New Holland, maior fabricante mundial de máquinas agrícolas, desativou sua unidade na Austrália para concentrar sua produção de máquinas colheitadeiras de cana em Piracicaba e transformar sua unidade no grande centro mundial de desenvolvimento de novas tecnologias para mecanização do setor - serão investimentos de R$ 20 milhões até o final de 2004. Não se trata de um surto de desenvolvimento, mas sim da consolidação de um processo de atração de novos investimentos, em conseqüência da localização do município (próximo aos principais eixos rodoviários do Estado de São Paulo, ao aeroporto internacional de Viracopos, à futura hidrovia Tietê-Paraná, entre outros), dos centros de excelência e referência intelectual (Esalq, Cena, Unimep, Escola de Engenharia, FOP) e de um parque bastante desenvolvido de indústria de bens de capital. Liderar o "mercado de insetos" preenche mais uma lacuna na área de alta tecnologia e responde a um dos objetivos fixados pelo programa Piracicaba 2010: "Piracicaba terá um parque industrial diversificado e competitivo, com indústrias de alta tecnologia". A indústria cria e vende 15 tipos de insetos para controle natural de pragas como da broca da cana-de-açúcar, e outras que atingem as culturas de tomate e milho. A empresa também exporta para a comunidade européia ovos de traça como substrato para agentes biológicos. Este produto tem alto valor comercial: o quilo custa US$ 800 (aproximadamente R$ 2.300). A empresa tem capacidade para produzir meio quilo/dia deste substrato. Até o final do ano, a intenção é chegar a dois quilos/dia, aumentando o quadro de funcionários altamente especializados dos atuais 30 para 45. Nas fases delicadas do processo de criação dos insetos, o trabalho é feito por mulheres. O empurrão inicial para a Bug veio com o apoio do Programa de Inovação Tecnológica em Pequenas Empresas da Fapesp (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo), que investiu R$ 320 mil em equipamentos para o laboratório da empresa. O investimento da Fapesp é a fundo perdido para a fase de implantação da empresa, o que ajuda a gerar empregos e desenvolver a tecnologia, que antes ficava restrita às universidade. Agora, a empresa desenvolveu um novo método para a liberação da vespa Trichogramma galloi na cultura de cana-de-açúcar para controlar a broca. Os insetos são comercializados em pastilhas que protegem do ataque de outros organismos, além de facilitarem o transporte. A nova embalagem, batizada de bugcélula, será lançada no Simtec (Simpósio Internacional e Mostra de Tecnologia da Indústria Sucroalcooleira), que começa dia 14, em Piracicaba. O município se vê diante de uma nova Era, quase saída dos filmes de ficção científica, e se adianta em relação a cidades maiores. Piracicaba avança rapidamente em direção aos objetivos traçados pela ONG Piracicaba 2010. Seremos, sim, um município desenvolvido, com vida saudável para todos.