Notícia

Portal do Governo do Estado de São Paulo

Pioneirismo em testes de embalagem marca 25 anos do Centro de Tecnologia

Publicado em 24 novembro 2007

Por Otávio Nunes, da Agência Imprensa Oficial

O Centro de Tecnologia de Embalagem (Cetea) de Campinas completa neste mês 25 anos de atividade. Para festejar a data, aproveitou para lançar campanha de arrecadação de R$ 7 milhões, até 2015, com seus associados da iniciativa privada. Os recursos servirão para obras de melhoria nos laboratórios, compra de novos equipamentos e ampliação dos espaços utilizados na pesquisa de novos métodos de testes em embalagem. O aporte irá se somar à verba regular que gira em torno de R$ 6 milhões por ano, proveniente dos cofres públicos e dos parceiros privados.

A idéia é aparelhar ainda mais o centro — que integra o Instituto de Tecnologia de Alimentos (Ital) da Secretaria de Agricultura e Abastecimento — para enfrentar novos desafios tecnológicos do setor nos próximos anos. O Cetea é uma das instituições brasileiras mais importantes na área de teste, análise e pesquisa de embalagens industriais de plástico, celulose (papel, papelão), vidro, metal, madeira etc.

O coordenador do Cetea, engenheiro Assis Euzébio Garcia, ressalta que o programa 2015 é o terceiro empreendido pelo centro desde sua criação em 1982. O primeiro ocorreu nessa época, com injeção de recursos estaduais e de órgãos federais, como a Financiadora de Estudos e Projetos (Finep) e a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa).

O dinheiro serviu para montar uma instituição especializada em embalagem que atendesse à demanda da época, dentro dos preceitos estabelecidos pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud).

No segundo passo, em 1993, a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) liberou verba para expandir a infra-estrutura. Com os novos recursos, lembra Garcia, o Cetea adquiriu equipamentos modernos para seus laboratórios.


Nanotecnologia

O mesmo tipo de procedimento (modernizar-se para acompanhar tendências tecnológicas) deve se repetir nos próximos anos, por isso a necessidade do Cetea 2015. "Técnicas inovadores e complexas surgem a todo momento no mercado de embalagens, como a utilização de materiais da nanotecnologia, por exemplo", explica.


Órgão colegiado

O centro é um exemplo ilustrativo de como instituições públicas e privadas trabalham em conjunto pelo desenvolvimento do setor produtivo. Aproximadamente 170 organizações (fabricantes de embalagens e de alimentos, bem como suas entidades representativas) são associadas e contribuem para o Cetea. A contrapartida é o desconto de 20% nos custos dos testes e análises efetuados nos laboratórios do centro.

A utilização dos recursos é acompanhada pelo conselho de 26 representantes da Secretaria de Agricultura, do governo federal e dos associados contribuintes. Entre as organizações com assento no colegiado encontram-se a Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (Apta), o Ministério da Ciência e Tecnologia, a Associação Brasileira das Indústrias da Alimentação (Abia), a Associação Brasileira da Indústria do Plástico (Abiplast), a Associação das Indústrias Automáticas de Vidro (Abividro), a Associação Paulista de Supermercados (Apas), entre outras.

Quando foi criado, o Cetea tinha como coordenador de pesquisa o atual diretor do Ital, Luis Madi. "Na década de 70, o mundo inteiro já estudava a importância de desenvolver embalagens cada vez mais seguras e menos agressivas ao meio ambiente", lembra-se Madi. Ele cita como exemplo o Pnud, programa de extrema importância nos primórdios do centro de embalagem do Ital. Madi informa que o Cetea responde hoje por 1/3 das atividades do Ital, que agrega outras oito unidades técnicas em Campinas. Tem como vizinhos a Apta e o Instituto Agronômico (IAC).


Acreditação e pioneirismo

Na década de 90, o Cetea foi pioneiro ao realizar testes de embalagens oriundas por um plástico que conquistaria o mundo: o PET — polietileno tereftalato. Nessa época, o Brasil ganhava a primeira fábrica do material. Hoje, a unidade do Ital é acreditadora (órgão que fornece avaliação e certificação de qualidade em sua área de atuação) em testes de embalagens.


De olho na qualidade

O Cetea é formado por dez laboratórios, em que trabalham 62 pesquisadores e técnicos de análise. O centro se divide em três gerências: embalagens plásticas e relações com o meio ambiente, embalagens metálicas e de vidro e aquelas utilizadas em transporte.

Entre os diversos testes, Garcia menciona os mecânicos (resistência a queda, tensão, tração), químicos (reação do produto com a embalagem) e físicos (ensaios necessários para se fabricar a embalagem).

No Laboratório de Microscopia, a futura engenheira de alimentos Beatriz Soares explica que seu trabalho é detectar trincas, corrosões e materiais estranhos em embalagens de metal e plástico. Atualmente, analisa um enlatado de carne enviado pelo fabricante que deseja detectar eventuais problemas em seu produto alimentício.

O Laboratório de Permeabilidade é especializado na detecção de O2 (oxigênio) e água que atravessam a embalagem e chegam ao produto. O oxigênio, assegura Assis, é um dos maiores vilões porque ataca a gordura e altera o sabor do alimento.

Já no Laboratório de Embalagens de Transporte é feita a simulação de todos os impactos por que passam os produtos num veículo. São testes de vibração, queda livre e compressão (empilhamento máximo). O engenheiro e pesquisador Tiago Dantas, que trabalha com eletrodomésticos e alimentos, testou até embalagens de motocicletas e de minas submarinas, para a Marinha. "Mas sem as bombas", ressalva.