Notícia

Agência C&T (MCTI)

Pioneirismo da Internet no Mato Grosso do Sul

Publicado em 23 novembro 2007

A UFMS, instituição-abrigo do PoP-MS/RNP, foi pioneira no estado de Mato Grosso do Sul ao receber os primeiros sinais de Internet com a participação do Departamento de Computação e Estatística - DCT.

A primeira linha de Internet foi instalada no início de 1994 pela própria Universidade, durante a fase 2 (Internet para toda sociedade) do Backbone RNP. A conexão possuía uma velocidade de 9,6Kbps e interligava uma máquina servidora SUN Sparc 10 com quatro estações SUN Sparc Classic adquiridas pela Instituição. Este pequeno pólo foi instalado dentro do Núcleo de Informática - NIn da UFMS. A transmissão era feita pela EMBRATEL, concessionária pública na época, e com a Fundação de Amparo à Pesquisa de São Paulo - FAPESP sendo a outra ponta do circuito que dava acesso a RNP via o primeiro bloco de IPs alocado para Instituição, 200.17.52.0/24.

No final de Fevereiro de 1995 foi enviado pela RNP um roteador Cisco Modelo 2501 para que o PoP começasse a ter uma infra-estrutura própria. Uma nova conexão de 64Kbps estava sendo preparada, mas havia alguns problemas no meio físico que retardou o upgrade o qual teria o PoP-PR como a outra ponta naquela conexão. Em Abril daquele ano a UFMS adquiriu mais uma máquina servidora SUN Sparc 20.

Em Janeiro de 1996 foi alocado um novo bloco acadêmico de IPs para Instituição, 200.129.192.0/20.

Em Março de 1996, o PoP-MS recebeu outro roteador Cisco Modelo 2501, dois roteadores IBM 6611, Hubs e Switch IBM, uma máquina IBM RISC 590, e passou a 128Kbps com o PoP-PR. Com esta estrutura um pouco maior e para dar melhores condições de recebimento na velocidade da linha, o PoP ficou sendo hospedado dentro de uma sala da antiga concessionária pública, TELEMS, situada na Rua Rui Barbosa, 3040 (entre as Ruas Dom Aquino e Maracaju). Com esta mudança, contratou-se uma linha local para UFMS de 64Kbps junto à TELEMS a fim de interligar o outro roteador Cisco 2501 que foi transferido do NIn para o DCT, enquanto o NIn ficou no aguardo de novos roteadores da própria UFMS.

Ainda na fase 2 do Backbone RNP, o PoP começou a trazer novos clientes e a prestar serviços de Provedor de Backbone. Os primeiros clientes foram: Tribunal Regional do Trabalho da 24a. Região, EMPAER (hoje IDATERRA, órgão de pesquisa do Governo MS), UCDB (Univ. Católica Dom Bosco), e VIP (Virtual Internet Provider, antigo provedor comercial).

Em Junho de 1996, a UFMS adquiriu mais uma SUN, Sparc 1000, e no final daquele ano, adquiriu também equipamentos (Hubs, Switches/FDDI, e Roteadores) da 3Com para implantação do Backbone de Fibra Óptica no campus e interligação dos campi do interior. Foi então contratada uma segunda linha de 64Kbps para o NIn se interligar com o PoP, utilizando um roteador 3Com Netbuilder II da UFMS.

Em Junho de 1997, o link do PoP-MS foi elevado para 256Kbps e passou a ser conectado com a FAPESP novamente, já dentro da fase 3 (Internet para o ensino e a pesquisa) do Backbone RNP.

Logo em seguida, Agosto de 1997, com a previsão de um aumento acentuado do tráfego por ocasião da capilarização da rede dentro da UFMS, capital e posteriormente interior do estado, a UFMS contratou um link de Internet adicional de 256Kbps com a EMBRATEL que, juntamente com um bloco extra de IPs (200.237.112.0/20), veio auxiliar no escoamento do tráfego, embora os links RNP e UFMS funcionariam de forma separada naquele momento.

A linha de 256Kbps da UFMS foi instalada no NIn com o roteador 3Com Netbuilder II, e a linha antiga de 64Kbps do NIn com o PoP passou para um roteador menor, 3Com Netbuilder modelo 222B.

No final de 1997, a UFMS já estava também começando a conectar os campi do interior, Três Lagoas e Aquidauana a 9,6Kbps foram as duas primeiras conexões. Paralelo a isso, a UFMS estava adquirindo mais equipamentos como um roteador Cisco Modelo 3640, e outro Modelo 7507 que veio a substituir o 3Com Netbuilder II. Além disso, a Universidade estava realizando um convênio com o Governo MS que trouxe mais clientes, como a TVE (TV Educativa), NTE (Núcleo Téc. Educ.), UEMS (Univ. Estadual), e Secretaria de Educação. Contando ainda com os clientes antigos do PoP, a capacidade dos dois links de 256Kbps (RNP e UFMS) foi ficando crítica.

Tentou-se naquela ocasião conseguir um upgrade para o link da RNP, mas havia restrições de hardware na TELESP na época, além do início das privatizações das TELEs regionais que dificultavam a negociação. A opção foi o PoP-MS se conectar com o PoP-DF, mas enquanto isto transitava, a demanda continuou a aumentar muito e alguns clientes do PoP começaram a se descontar.

Em Março de 1998, o POP-MS pode ser transferido da TELEMS para o Núcleo de Informática, com o roteador Cisco 2501 permanecendo como o BB2 e recepcionando a linha de 256Kbps da FAPESP.

Com a mudança do POP para a UFMS foi possível liberar as duas linhas antigas (NIn e DCT) de 64Kbps, pois já havia uma conexão de Fibra entre os dois setores, sendo centralizado no NIn a comunicação de entrada e saída para o interior e mundo exterior. A busca por uma nova conexão da RNP via Brasília prosseguia, enquanto a UFMS ampliava ainda mais suas interligações no estado, alcançando os campi de Dourados e Corumbá.

Em Julho de 1998, foi possível elevar a velocidade da linha da RNP para 512Kbps, via o PoP-DF desta vez, e logo em seguida, conseguiu-se também elevar a velocidade da linha da UFMS com a EMBRATEL para 512Kbps.

O próximo aumento de velocidade da linha UFMS ocorreu em Julho de 1999, passando para 1Mbps que, juntamente com a linha da RNP de 512Kbps, somou-se 1.5Mbps de comunicação externa, pois foi implantado naquele período um Autonomous System (11180) no Cisco 7507 da UFMS, possibilitando o uso das duas linhas simultaneamente.

No início do segundo semestre de 2000, já na fase 4 do Backbone RNP2, a velocidade das linhas (RNP e UFMS) foram elevadas para 2Mbps cada, totalizando 4Mbps de comunicação externa, sendo que o novo circuito da RNP passou a usar o protocolo Frame-relay, todos circuitos anteriores, e o atual naquele época de 2Mbps da UFMS, utilizavam o protocolo PPP.

De 2001 em diante, com a melhora da capacidade das linhas, o PoP-MS, em conjunto com a UFMS, praticamente único cliente (Multi-campi) restante do PoP, começaram a se preparar para uma migração total da UFMS para o Backbone RNP2 e adequações dentro da Política de Uso.

Em Agosto de 2002, o link do PoP-MS com o PoP-DF passou para 4Mbpps, utilizando sinal de rádio (os links anteriores dependiam da TELEMS/TELECOM no trecho local), e configurado num Cisco Modelo 7010 enviado pela RNP para ser o BB3. Com isso, a UFMS extingüiu seu contrato com a EMBRATEL, devolvendo o Bloco extra de IPs e Autonomous System.

No final de 2003, um novo roteador Cisco 3745 foi enviado pela RNP para substituir o anterior Cisco 7010, e preparar o PoP para um futuro enlace de maior capacidade e novas tecnologias.

Enquanto aguardava-se o upgrade, houve necessidade de elevar a conexão do PoP para 6Mbps em Abril de 2004, ainda com o protoloco Frame-relay, e transferir temporariamente a interligação do PoP-DF para o PoP-RJ, ocorrida em Junho de 2004.