Notícia

Biomassa e Bioenergia

Pinhão-manso ganha espaço como fonte de biodiesel

Publicado em 01 novembro 2011

Combustíveis produzidos a partir de fontes renováveis, como o biodiesel, têm ganhado espaço na matriz energética brasileira. Contudo, o desenvolvimento de processos que viabilizem o uso, e a diminuição dos custos de utilização dessas fontes alternativas, são ainda uma barreira a ser vencida. A fim de obter matéria-prima a custos menores para a produção de biodiesel, como as oleaginosas não comestíveis, e de torná-las uma alternativa viável do ponto de vista econômico, o projeto de pesquisa Aproveitamento integral da semente do pinhão-manso para a obtenção de biodiesel, apoiado pela FAPESP, concluiu que o pinhão-manso (Jatropha curcas), árvore da fam&iacu te;lia das euforbiáceas e bastante comum no Brasil, pode ser excelente opção renovável. E não apenas para a produção de biocombustível, mas também como ração animal, visto que dele podem ser aproveitados, além do óleo, também a torta e o farelo.

Dados apontados pelo estudo, coordenado por Kil Jin Park, do Instituto de Tecnologia de Alimentos (ITAL) da Faculdade de Engenharia Agrícola da Universidade Estadual de Campinas (Feagri/Unicamp), mostram que o processamento integral do pinhão-manso permite a obtenção de matérias-primas de qualidade, com altos índices de aproveitamento, o que ajuda a tornar viável sua produção em maior escala. A pesquisa teve por objetivo a obtenção de óleo vegetal por prensagem e a extração por solvente, além do estudo da transesterificação (separação da glicerina) desses óleos por meio da utilização de alcoóis, como etanol e metanol, sendo que este último foi considerado ideal em termos de rendimento.