Notícia

Jornal do Brasil

Pessoas não emagrecem com leptina

Publicado em 01 fevereiro 1996

BOSTON. EUA - Cientistas que pesquisam o gene da obesidade descobriram que o hormônio que emagrece ratos (leptina) pode não Funcionar em humanos. Um estudo da Universidade da Filadélfia e do Laboratório Lilly, publicado na revista New Eitgland Journal of Medicine, diz que pessoas obesas seriam insensíveis à leptina. Em 1995, pesquisadores relataram que injeções de leptina faziam roedores perder peso. Os ratos tinham um gene defeituoso e não produziam o hormônio normal. A princípio, os cientistas acreditaram que seres humanos teriam problemas no mesmo gene - e, portanto, a leptina também seria eficaz em pessoas. Em testes preliminares, porém, cinco voluntários com peso muito acima do recomendado não emagreceram com injeções do hormônio. Exames posteriores em 139 pessoas obesas mostraram que a produção natural de leptina pelo organismo não alterava seu estado. Pelo contrário: pessoas gordas produzem quatro vezes mais leptina que as magras. A obesidade talvez ocorra por insensibilidade ao hormônio, como a diabetes que, às vezes, surge por insensibilidade à insulina. PEDRA NO RIM TEM ORIGEM GENÉTICA As pedras nos rins, que perturbam a vida de até 5% das pessoas em alguns países, são geralmente provocadas por um defeito genético, afirmaram pesquisadores financiados pelo Conselho Britânico de Pesquisas Médicas. Segundo eles, o gene CLCN5 afeta os níveis de cloreto na urina e é determinante na formação das pedras. Cerca de 43% dos pacientes com pedras nos rins têm histórico familiar do problema. ACHADO FÓSSIL DE RATO VOADOR Cientistas alemães encontraram o fóssil de um pequeno rato que podia planar como um esquilo voador. O rato, que se extinguiu há cinco milhões de anos, vivia na Rheinland, na Alemanha, e provavelmente se afogou em um lago antigo. Gerard Storch, pesquisador do Forschungsinstitut Senckenberg, em Frankfurt, disse que o fóssil está extremamente bem preservado.