Notícia

Ambientebrasil

Pesquisas em mudanças climáticas têm foco na interdisciplinaridade

Publicado em 14 janeiro 2019

Os recordes de temperatura quebrados a cada ano são uma preocupação também para a arquitetura e o urbanismo. Um estudo feito na Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (FAU-USP), no âmbito do Programa FAPESP de Pesquisa em Mudanças Climáticas Globais (PFPMCG), analisou o papel da cidade na modificação do clima.

“Observamos que determinados elementos urbanos, o desenho urbano e até edifícios mudam completamente o balanço energético das cidades. Por isso, planos urbanos estratégicos devem absorver soluções a médio e longo prazo”, disse Denise Helena Silva Duarte, professora da FAU-USP que coordena projeto de pesquisa apresentado em reunião do Programa FAPESP de Pesquisa em Mudanças Climáticas Globais (PFPMCG), em dezembro.

A expectativa é de expansão da área urbana de São Paulo e do aumento da temperatura. “Nosso objetivo é planejar como podemos lidar com esses dois fatores para a definição de políticas públicas de uso e ocupação do solo, planejamento urbano, projetos de edifícios, adensamento urbano”, disse Duarte.

Outro estudo apresentado na reunião será realizado na Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) e tem como objetivo analisar a relação do aumento de temperatura com a queda na produção de leite.

Pesquisadores do Programa FAPESP de Pesquisa em Mudanças Climáticas Globais apresentam estudos sobre temas como o papel da cidade na modificação do clima ou a queda na produção de leite devido ao aumento na temperatura

“Existe uma queda drástica no número de gestação de vacas leiteiras na época quente do ano. Se esses animais não reproduzem, também não produzem leite. É um problema sazonal que ocorre em várias regiões do mundo, inclusive nas de clima mais ameno. É um problema que tem aumentado e a expectativa é de piora com o aquecimento global”, disse Fabiola Freitas de Paula Lopes, professora do Departamento de Ciências Biológicas da Unifesp.

De acordo com a pesquisadora, por causa do estresse térmico as vacas de raça holandesa não conseguem manter a gestação nos meses quentes do ano. “Ocorre absorção e aborto espontâneo constantemente, o que compromete a produção e traz muitos prejuízos para a indústria de leite e a qualidade de vida dos animais”, disse Lopes.

Realizado no dia 19 de dezembro, na sede da FAPESP, com pesquisadores das duas últimas chamadas do PFPMCG, o encontro reuniu cientistas de diversas instituições do país e de diferentes áreas de pesquisa em um panorama sobre o que há de mais avançado em pesquisa sobre o tema. Foram apresentados também projetos na área de direito, saúde, agricultura, hidrologia, sobre impacto de barragens e serviços ambientais.

“A ideia da reunião é catalisar sinergias entre áreas distintas. Estamos aqui para construir parcerias e potencializar novas abordagens multidisciplinares”, disse Paulo Artaxo, professor do Instituto de Física da Universidade de São Paulo (IFUSP) e um dos coordenadores do programa.

“Precisamos olhar a ciência de modo mais interdisciplinar. Lidamos em um mundo disciplinar, então estamos querendo quebrar isso. São problemas muito complexos cuja solução envolve várias áreas. É preciso pensar conjuntamente”, disse Gilberto de Martino Jannuzzi, professor da Faculdade de Engenharia Mecânica da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), também coordenador do programa.

Fonte: FAPESP