Notícia

Gazeta Mercantil

Pesquisas em biodiversidade

Publicado em 29 agosto 1995

Por Vera Saavedra Durão - do Rio
A diretora da FGV, Celina Vargas do Amaral Peixoto, aproveitou para anunciar ontem, no Rio de Janeiro, uma boa novidade para o mundo científico nacional. A instituição, segundo ela, vai montar e gerenciar um fundo de biodiversidade. O Banco Mundial vai doar US$ 5 milhões ao longo de cinco anos, destinados a financiar a criação do novo organismo da Fundação. Para dar a partida definitiva deste projeto, a FGV só está aguardando a vinda ao Brasil do presidente do General Environment Fund do BIRD, contou Celina. Segundo informou a diretora da FGV, o fundo de biodiversidade deverá financiar pesquisas desse tipo no Brasil, que hoje praticamente não existem por aqui. Assim, será possível desenvolver atividades que permitirão ao País conhecer melhor a sua fauna e passar a produzir fórmulas que poderão vir a ser patenteadas pelos próprios pesquisadores brasileiros. MERCOSUL A Fundação Getúlio Vargas também deverá criar uma Escola Superior de Administração e Economia (ESAE) voltada especialmente para preparar profissionais dessas áreas para trabalhar no Mercosul, informou a diretora da instituição. A nova ESAE -já existe uma na Amazônia - deverá ser sediada em Curitiba. "A sede será doada pela prefeitura local e a FGV administrará a escola.", explicou Celina.