Notícia

APWR - Associação Park Way Residencial

Pesquisadores querem substituir fertilizantes químicos por bactérias

Publicado em 24 julho 2019

Por Associação Park Way Residencial

Pesquisadores do Laboratório Nacional de Biorrenováveis (LNBR) estão estudando bactérias que promovem o crescimento das plantas.

Como foram isolados do solo, esses organismos têm potencial para serem usados como fertilizantes sem causar a poluição das águas e alterações prejudiciais ao próprio solo, como pode ocorrer com fertilizantes químicos.

Depois de isolar bactérias do solo, a equipe da pesquisadora Juliana Velasco começou a identificar os chamados compostos orgânicos voláteis (COVs), produtos decorrentes do metabolismo das bactérias que promovem o crescimento de plantas. "O objetivo agora é investigar e entender como o metabolismo da planta se altera por conta dessas moléculas sinalizadoras," disse ela.

Na primeira fase do trabalho foram usadas duas espécies de plantas modelos, a Arabidopsis thaliana e a Setaria viridis, e foram selecionadas as cepas bacterianas que mais contribuíram para o crescimento dessas plantas.

Agora começaram os testes das bactérias no cultivo do arroz, ainda em escala de laboratório. "A princípio, a substituição total de fertilizantes químicos é impossível. Mas com certeza podemos diminuir consideravelmente o uso deles quando utilizamos produtos biológicos", disse Juliana.

A meta é desenvolver um bioproduto que possa ser aplicado no solo em forma sólida (como pó) ou líquida, a princípio em culturas como cana-de-açúcar, milho e arroz. Tecnologias semelhantes já são usadas para a fixação de nitrogênio.

Juliana explicou que em boa parte da lavoura de soja brasileira, produtos bacterianos são usados como substitutos aos adubos nitrogenados. O uso em excesso desses fertilizantes é conhecido por causar contaminação do solo e dos ecossistemas aquáticos, além de aumentar a emissão de óxido nitroso, que agrava o efeito estufa.