Notícia

Diário do Rio Claro

Pesquisadores desenvolvem sistema para identificar insuficiência respiratória pela voz

Publicado em 20 junho 2020

Por Elton Alisson | Agência FAPESP

Além da temperatura, da oxigenação no sangue e da frequência cardíaca, a voz pode se tornar um parâmetro para ajudar a identificar mais rapidamente pacientes com suspeita de COVID-19, doença causada pelo novo coronavírus. Por meio da análise da fala, cientistas apoiados pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) pretendem detectar a insuficiência respiratória, um dos principais sintomas da doença.

O projeto, batizado de Spira sigla de Sistema de Detecção Precoce de Insuficiência Respiratória por meio de Análise de Áudio, está sendo desenvolvido com apoio do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina (HCFM) da Universidade de São Paulo (USP). “ A ideia é identificar pela voz se uma pessoa que está falando ao telefone ou na frente da tela de um computador, por exemplo, apresenta um nível de insuficiência respiratória que indique a necessidade de ir imediatamente para um hospital para ser avaliada por uma equipe médica ”, diz à Agência Fapesp Marcelo Finger, professor do Instituto de Matemática e Estatística (IME) da USP e coordenador do projeto. Para desenvolver o sistema, os pesquisadores criaram um programa para coletar gravações de frases como “ o amor ao próximo ajuda a enfrentar o corona virus com a força de que a gente precisa ”, lidas por pacientes com COVID-19 internados no Hospital das Clínicas.

As amostras de voz coletadas serão comparadas com as de pessoas sem a doença para identificação de padrões diferentes por programas baseados em inteligência artificial. Por meio de técnicas de aprendizado de máquina, como de redes neurais, o sistema irá aprender a identificar se uma pessoa apresenta insuficiência respiratória pela quantidade de pausas, respirações e outros padrões presentes na voz ao proferir uma sentença, por exemplo.

Ao constatar que a pessoa apresenta insuficiência respiratória, o sistema emitirá um alerta para o profissional de saúde que está monitorando o paciente remotamente entrar em contato com ele ou com seu acompanhante para encaminhá-lo a um hospital. “ A ideia é que o sistema facilite o trabalho de triagem dos pacientes pelas equipes médicas, principalmente no momento atual, em que o sistema de saúde está sobrecarregado ”, afirma Finger. Para fazer um pré treinamento do sistema, os pesquisadores pretendem usar um acervo de vozes de falantes de língua portuguesa, de todas as regiões do Brasil, reunidas ao longo dos últimos 50 anos.