Notícia

Blog do Pedlowski

Pesquisadores descrevem trajetória do “rio de fumaça” que escureceu São Paulo

Publicado em 22 agosto 2019

Por Karina Toledo | Agência FAPESP

Dois sistemas que permitem o monitoramento de poluentes atmosféricos – desenvolvidos nas últimas duas décadas com apoio da FAPESP – estão ajudando cientistas a entender fenômenos raros observados na cidade de São Paulo na última segunda-feira (19/08): o escurecimento repentino do céu no meio da tarde e a chuva acinzentada observada logo depois em algumas partes da Região Metropolitana.

Ainda no domingo (18/08), uma intensa pluma de material particulado com mais de 3 mil metros de altitude foi detectada por uma equipe do Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares (Ipen) por meio do sistema Lidar, do Centro de Lasers e Aplicações (CLA). Posteriormente, com auxílio de imagens de satélites da Nasa – a agência espacial norte-americana – e de um modelo que prevê a trajetória percorrida por massas de ar, os pesquisadores concluíram se tratar de partículas provenientes de queimadas ocorridas nas regiões Centro-Oeste e Norte, entre Paraguai e Mato Grosso, abrangendo trechos da Bolívia, Mato Grosso do Sul e Rondônia.

Acrônimo para light detection and ranging (detecção de luz e medida de distância), o Lidar é um radar de laser que permite o sensoriamento remoto ativo da atmosfera para a detecção de poluentes. Vem sendo desenvolvido desde 1998 por Eduardo Landulfo, por meio de vários projetos financiados pela FAPESP.

“O sistema ilumina o céu e as partículas presentes na atmosfera refletem a luz, que captamos com um telescópio. Ao analisar esse sinal, conseguimos identificar o tipo de partícula e a distância da superfície em que ela se encontra”, explicou Landulfo.

Segundo o pesquisador, a pluma de poluição começou a pairar sobre a Região Metropolitana de São Paulo entre 4 e 5 horas da tarde de domingo – resultado de queimadas que ocorreram muito provavelmente de quatro a sete dias antes.

Como explicou Saulo Ribeiro de Freitas, do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), a massa de ar poluído gerada pelas queimadas nas regiões Norte e Centro-Oeste geralmente é empurrada a 5 mil metros de altitude por ventos que sopram do Atlântico para o Pacífico (de leste para oeste), até esbarrar na Cordilheira dos Andes. A fumaça começa então a se acumular sobre o leste do Amazonas, Acre, Venezuela, Colômbia e Paraguai – até que o chamado sistema anticiclone, com ventos que circulam a 3 mil metros de altitude no sentido anti-horário, começa a transportar a massa poluída na direção sul, margeando os Andes.

“O que ocorreu no início desta semana foi a convergência dessa massa de ar poluído que vinha do norte com uma frente fria vinda do sul. Os ventos convergiram e fizeram o rio de fumaça se curvar em direção à região Sudeste. Além da fuligem, outros poluentes presentes na atmosfera – como monóxido de carbono, dióxido de carbono, ozônio, óxido nitroso e metano – interagiram com as nuvens trazidas pela frente fria e potencializaram a formação de smog [termo em inglês que representa a mistura entre fumaça e neblina]”, disse.

O transporte atmosférico de emissões de queimada sobre a América do Sul vem sendo monitorado no Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos (CPTEC) do Inpe desde 2003, por meio do sistema CATT-BRAMS (Coupled Aerosol and Tracer Transport model to the Brazilian developments on the Regional Atmospheric Modelling System), desenvolvido por Freitas em colaboração com Karla Longo e Luiz Flávio Rodrigues (ambos do Inpe) e com apoio da FAPESP.

“Trata-se de um produto pioneiro que faz previsão para até três dias da qualidade do ar e que tem sido adotado em vários centros do mundo, entre eles o National Oceanic and Atmospheric Administration (NOAA), dos Estados Unidos”, contou o pesquisador. As previsões da qualidade do ar feitas no CPTEC podem ser consultadas diariamente pelo endereço http://meioambiente.cptec.inpe.br.

Nas imagens obtidas pelo modelo BRAMS (foto) é possível ver que no dia 16 de agosto o “rio de fumaça” descia no sentido sul, atingindo Porto Alegre (RS) e parte da Argentina. Aos poucos, vai sendo desviado para o Sudeste e, no dia 20 de agosto, já cobre boa parte do Estado de São Paulo.

De acordo com o professor do Instituto de Física da Universidade de São Paulo (USP) Paulo Artaxo, durante sua trajetória rumo à região Sudeste, a pluma das queimadas interagiu com o vapor d’água na atmosfera, alterando as propriedades das nuvens.

“As partículas funcionam como núcleo de condensação da água. Assim, gotículas de chuva menores são formadas, mas em grande quantidade e isso faz com que uma maior parte da radiação solar seja refletida de volta para o espaço, a ponto de escurecer o solo, como aconteceu no último domingo”, disse.

Segundo Freitas, a chuva de cor acinzentada também foi resultado dessa interação da fuligem com as nuvens. “A fumaça entranhou nas gotículas de chuva, sendo depois depositada na superfície da cidade de São Paulo”, disse.

Trata-se de um fenômeno esperado do ponto de vista da química atmosférica, afirmou Artaxo, e não deve causar alarde. “Essa chuva não faz mal para as pessoas. Apenas caiu de uma nuvem com alta influência de queimadas”, disse.

Análises feitas com uma amostra da água turva colhida na Zona Leste da capital pela bióloga Marta Marcondes, professora da Universidade Municipal de São Caetano (USCS), revelaram uma quantidade de sulfetos 10 vezes maior que a média normalmente observada em águas pluviais. “Essas substâncias normalmente estão relacionadas com a queima de biomassa e de combustíveis fósseis. Também chamou a atenção a grande quantidade de material particulado que ficou presa no filtro e a turbidez sete vezes maior que o normal”, disse.

Pesquisadores do Instituto de Química da USP identificaram na água da chuva a presença de reteno, substância proveniente da queima de biomassa e considerada um marcador de queimadas. O estudo foi coordenado pela professora Pérola de Castro Vasconcellos.

A boa notícia, segundo os especialistas, é que, como a pluma de poluição estava a mais de 3 mil metros da superfície, não chegou a comprometer a qualidade do ar na capital paulista. De fato, monitores da Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb) indicaram boas condições na última semana.

“As cidades mais próximas da região onde ocorrem as queimadas, como Cuiabá, Manaus e Porto Velho, são as que mais sofrem com a degradação da qualidade do ar”, disse Freitas.

Tanto o pesquisador do Inpe quanto Landulfo, do Ipen, afirmam que a chegada das emissões de queimadas na Região Sudeste é relativamente comum no período de seca, entre julho e setembro.

“Mas para ter causado todos esses efeitos observados nos últimos dias deve ter sido uma quantidade de fumaça muito grande. Ainda não sabemos distinguir se é um fogo provocado ou acidental, que também é comum no período da seca”, afirmou Landulfo.

Em nota técnica divulgada no dia 20 de agosto, porém, cientistas do Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia (IPAM) afirmaram que “a Amazônia está queimando mais em 2019 e o período seco, por si só, não explica este aumento”.

Segundo o texto, o número de focos de incêndios para a maioria dos estados já é o maior dos últimos quatro anos – até 14 de agosto eram 32.728 focos registrados, número 60% superior à média dos três anos anteriores. A estiagem, por outro lado, está mais branda. Tal fato, afirma a nota, indica que “o desmatamento possa ser um fator de impulsionamento às chamas”. “Os 10 municípios amazônicos que mais registraram focos de incêndios foram também os que tiveram maiores taxas de desmatamento”, diz o texto. Os pesquisadores se basearam em dados do Sistema de Alerta de Desmatamento (SAD) do Imazon, do sistema de detecção de focos de calor do satélite AQUA, da Nasa, e dados de precipitação do CHIRPS (Climate Hazards Group Infrared Precipitation and Station Data).

Dados do Sistema Deter, do Inpe, que emite alertas diários de áreas desmatadas para ajudar na fiscalização, indicam que o desmatamento na Amazônia cresceu 50% em 2019. Julho foi o pior mês da série histórica, com 2.254 quilômetros quadrados (km²) de alertas – alta de 278% em relação a julho do ano passado. De agosto de 2018 a julho de 2019, o Deter apontou 6.833 km² desmatados, contra 4.572 km² no ano passado (agosto de 2017 a julho de 2018). A taxa oficial da destruição será dada no fim do ano pelo sistema Prodes, também do Inpe.

Essa notícia também repercutiu nos veículos:
Estadão.com Portal Exame O Estado de S. Paulo Folha.com Folha.com Paris Match (França) online Liberdades Congresso em Foco O Blog de Piancó A Crítica (AM) online Terra Plurale online Jornal Joseense News Esteta Inovação Tecnológica MSN Brasil Conexão Tocantins Jornal da Ciência online Montevideo Portal (Uruguai) Zero Hora online Mix Vale Terra Le Point (França) online Jornais Virtuais Boa Vista Já Pampulha online O Tempo (Contagem, MG) online Super Notícia 91,7 FM O Tempo online Desacato Planeta online MSN Brasil Folha de Pernambuco online Yahoo! Radar Santa Maria Portal do Holanda Televisa (México) O Eco Blog Jornal da Mulher Blog do Axel Grael TN Sustentável W Rádio Brasil Portal Neo Mondo Algomais online SP Agora Projeto Colabora WikiTribune (Reino Unido) El Comercio (Equador) Em Tempo (Manaus, AM) online Agência France Presse Le Parisien (França) online Le Journal de Montréal (Canadá) online El Universal (México) online El Economista (Argentina) online EcoDebate Cariri, como eu vejo Yahoo! (França) Montevideo Portal (Uruguai) Larsavision.tv (México) Journal de Brazza (Congo) El Día (Argentina) online Blog do Hélcio Silva Atemporal Terra Climatempo Actualité Israel .com (Israel) NSS Oaxaca (México) Correio Popular Climate News Network (Reino Unido) News Locker Yahoo! (França) Nouvelles Du Monde (EUA) Vanguardia (México) Maville.com (França) Mega Curioso Maville.com (França) Maville.com (França) A SociedadeRN Amazônia Journal du Tchad.com (Chade) UniverSmartphone (França) Izland BipBip (França) Le Défi Plus (Maurício) online Journal de Conakry.com (Guiné) Mosaïque FM (Tunísia) online Journal du Cameroun.com (Camarões) Ouest-France (França) online Le Journal de Québec (Canadá) online Orange Actu (França) TV5Monde (França) online Sciences et Avenir (França) online Le360 (Marrocos) La Libre Belgique (Bélgica) online Geo (França) online La Dernière Heure (Bélgica) online Bourse Direct (França) Maville.com (França) Maville.com (França) Maville.com (França) Maville.com (França) Maville.com (França) Maville.com (França) Maville.com (França) Maville.com (França) Maville.com (França) Maville.com (França) Maville.com (França) Maville.com (França) TN24 (Tunísia) Journal du Senegal.com (Senegal) Journal du Niger.com (Niger) Journal du Gabon.com (Gabão) Maville.com (França) Journal du Benin.com (Benin) RTL Info (Bélgica) Tambacounda.info (Senegal) ImprenÇa Maville.com (França) Maville.com (França) Mopays.com (Maurício) Journal De Kinshasa.com (Congo) Revista Ecológico online L'Echo (Bélgica) online MSN (França) Maville.com (França) Maville.com (França) Le Monde d'Antigone El Mañana (México) online Sin Frontera Magazine (México) online Tamaulipas En Línea (México) Punto y Coma (México) Grillo Político (México) En Mocoa (Colômbia) La Hora (Peru) El Sol del Poniente (México) La República (Peru) online Classifique 106.5 (Argentina) online 24 México (México) FM Blue 105.3 (Argentina) online Palco Noticias (México) Por Esto! (México) online 24 Heures (Suíça) online Tribune de Genève (Suíça) online APWR - Associação Park Way Residencial PressFrom - Brasil