Notícia

ExNEPe - Executiva Nacional de Estudantes de Pedagogia

Pesquisadores da USP desenvolvem teste de diagnóstico de COVID-19 pela saliva

Publicado em 30 setembro 2020

Integrantes do Centro de Estudos do Genoma Humano e de Células-Tronco (CEGH-CEL) estão prestes a concluir o desenvolvimento de um teste capaz de diagnosticar a COVID-19 pela saliva. O novo exame poderá custar um quarto do valor do teste de RT-PCR, considerado o padrão-ouro para o diagnóstico da doença e realizado hoje por laboratórios no Brasil a um custo que varia entre R$ 350 e R$ 400.

Vinculado ao Instituto de Biociências da Universidade de São Paulo (IB-USP), o CEGH-CEL é um dos Centros de Pesquisa, Inovação e Difusão (CEPIDs) financiados pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp).

“Assim como o exame pelo método RT-PCR, o teste alternativo será usado para detectar o vírus durante a infecção”, diz Maria Rita Passos-Bueno, pesquisadora do CEGH-CEL e coordenadora do projeto, à Agência Fapesp.

O método será similar aos já desenvolvidos no Brasil e em outros países com o objetivo de aumentar a disponibilidade e a rapidez e diminuir os custos para realização de testes moleculares por meio de simplificações dos processos.

Nos Estados Unidos, por exemplo, a Food and Drug Administration (FDA) – agência reguladora de alimentos e fármacos – já concedeu autorização de uso emergencial para cinco testes de diagnóstico de COVID-19 baseados em saliva. A última foi para um teste chamado SalivaDirect, desenvolvido por pesquisadores da Universidade de Yale.

No Brasil, o laboratório de genômica Mendelics criou e já comercializa um teste similar, e pesquisadores da Universidade Federal de Goiás estão desenvolvendo um kit de diagnóstico na mesma linha.

Método mais simples

Os novos testes são baseados em uma técnica molecular amplamente utilizada para o diagnóstico de doenças infecciosas, como dengue, chikungunya, hepatite A e zika, chamada RT-LAMP (sigla em inglês de transcrição reversa seguida por amplificação isotérmica mediada por alça).

A técnica molecular tem algumas semelhanças com o método RT-PCR, que utiliza como amostras para realização dos testes secreções do fundo da garganta e do nariz. Em ambas as técnicas são induzidas reações para a realização de uma fase de transcrição reversa (RT), na qual o RNA do vírus é transformado em DNA, e uma fase de amplificação, em que regiões específicas do vírus são replicadas milhões de vezes para que o patógeno possa ser identificado.

Porém, o RT-LAMP não requer a extração do RNA do vírus para ser detectado, o que é feito no RT-PCR por meio de reagentes importados, que são caros e frequentemente escassos no mercado, dependendo da demanda. Além disso, o RT-LAMP dispensa o uso de aparelhos laboratoriais complexos, como o termociclador em tempo real, utilizado para amplificar e detectar o RNA por meio da exposição do material a diferentes temperaturas.

“Além de a amplificação do material viral ser feita em uma única etapa, sem a necessidade de extração do RNA, o RT-LAMP também permite que esse processo ocorra sob temperatura fixa de 65º C, por exemplo, por meio de equipamentos simples, como um recipiente em banho-maria. Isso também contribui para simplificar o processo e diminuir o tempo para sair o resultado”, afirma Passos-Bueno.

Custo

Pelo RT-LAMP, a eliminação da etapa de extração do RNA – a mais demorada e complexa – permite não só reduzir o tempo, mas também o custo do teste, explica a pesquisadora.

“A etapa de extração do RNA no teste de RT-PCR pode levar de uma a cinco horas, dependendo do sistema utilizado. A eliminação dessa etapa permite uma redução de 30% no valor final do teste de RT-LAMP”, diz.

A eliminação da etapa de extração do RNA pelo teste de RT-LAMP é possível pelo rompimento do capsídeo do vírus por aquecimento e adição de uma solução desenvolvida pelo grupo, que estabiliza o vírus para os processos de conversão do RNA viral em DNA e para a amplificação do material genético do vírus para facilitar a detecção dele em saliva.

Todo esse processo ocorre em temperatura constante, em um método chamado amplificação isotérmica medida por loop (LAMP, na sigla em inglês). As enzimas necessárias para a realização desse processo, contudo, são importadas e representam o seu maior custo. Um grupo de pesquisadores do Instituto de Química da USP, liderado pelo professor Shaker Chuck Farah, contudo, desenvolveu essas enzimas em laboratório.

“Conseguimos ter a produção nacional dessas enzimas, que são os principais insumos do teste. Isso possibilitará diminuir ainda mais os custos”, afirma Passos-Bueno.

Padronização

Os pesquisadores pretendem, agora, avançar na etapa de padronização do teste, por meio da utilização de soluções químicas que permitam manter o RNA do vírus estável por um longo tempo, de modo que não sofra a ação de enzimas presentes na saliva.

“A saliva possui uma série de substâncias que podem inibir a ação das enzimas, degradar o próprio material do vírus e interferir na reação de amplificação. Por isso, estamos desenvolvendo tampões que permitam padronizar as condições de manutenção da saliva e do RNA do vírus para realizar o teste de forma a diminuir o risco de resultados falso-negativos”, explica Passos-Bueno.

O exame tem apresentado especificidade para detecção do novo coronavírus de 100%, equivalente ao de testes convencionais. Os pesquisadores pretendem, agora, aumentar ainda mais a sensibilidade de modo que seja capaz de detectar o vírus em um número muito baixo de cópias na saliva.

“O teste já está com boa sensibilidade, com a capacidade de detectar até 10 cópias de vírus por reação em amostras de saliva”, afirmou a pesquisadora.

Autocoleta

O sistema prevê a autocoleta pelo paciente e permitirá, de forma indolor e não invasiva, o recolhimento da saliva em um tubo de ensaio. Com isso, diminui-se o risco de contágio, já que não será mais necessária a atuação de um profissional de saúde paramentado e treinado para a retirada de amostras de nasofaringe, como ocorre no exame de RT-PCR. Além disso, o uso da saliva dispensa o uso de swabs – cotonetes longos – para a testagem.

A previsão é que o resultado fique disponível entre 30 e 40 minutos. “O resultado pode ser enxergado praticamente a olho nu, porque o tubo contendo a amostra de saliva muda de cor de acordo com a presença ou não do vírus. O resultado negativo aparece na cor rosa e o positivo em amarelo”, diz Passos-Bueno.

Um dos objetivos do projeto é oferecer o teste em localidades com pouca infraestrutura para coleta e análise, por meio da inclusão dos laboratórios de referência das universidades para ampliar a capacidade de testagem no país.

Essa notícia também repercutiu nos veículos:
UOL Biblioteca Benedicto Monteiro NewsLab online Folha de Pernambuco online Portal da Enfermagem Jornal Integração Correio do Estado da Bahia (Blog) Galileu online Programa InfoSalud (Argentina) Ciclo Vivo CREMEPE - Conselho Regional de Medicina do Estado de Pernambuco Jornal da Ciência online LabNetwork Investe São Paulo SolidáRio Notícias Câmara Municipal de São Paulo Bomba Bomba Região Noroeste Biblioteca FMUSP Revista Amazônia ABIPTI - Associação Brasileira das Instituições de Pesquisa Tecnológica e Inovação Z1 Portal de Notícias Portal do Governo do Estado de São Paulo Pfarma TáNaMídia Naviraí Portal R3 Noticias Noroeste online Cidade Azul Notícias Acontece Botucatu Revista Fórum online Liberdades Polinotícias Saber Atualizado RP10 Cruzeiro do Sul online Atemporal UNICAMP - Universidade Estadual de Campinas Jovem Pan Planet Earth Water Air Green Brazil Folha de Valinhos online Brasil123 Portal do Governo do Estado de São Paulo Comando Notícia MT HOJE Notícias de Campinas Beto Ribeiro Repórter Jornal Folha da Terra (Itupeva, SP) online Jornal Primeira Página online Juruá Online Ceedec - Centro de Educação Especializado O Povo Secretaria da Educação do Estado de São Paulo Poder360 Blog do BG Poliarquia Repórter GM-7 * Gilmar Marques São Miguel para Todos Blog de Daltro Emerenciano Blog do Valdemar Tibá MG Comunicação Empresarial World Diagnostics News (Argentina) BurgosNoticias (Espanha)