Notícia

Diário Imparcial

Pesquisadores da Unesp desenvolvem alternativa ao plástico a partir de resíduos industriais

Publicado em 17 novembro 2020

Filme desenvolvido por pesquisadores da Universidade Estadual Paulista poderá substituir o plástico nas embalagens alimentícias

Alternativas ao plástico podem ser fabricadas a partir de resíduos da indústria. Foi isso o que pesquisadores da Universidade Estadual Paulista (Unesp) em Ilha Solteira estão descobrindo a partir do desenvolvimento de um filme que poderá substituir o plástico nas embalagens alimentícias. A revela reportagem foi publicada na Agência Fapesp.

De acordo com a pesquisa, o produto é feito com matérias-primas sustentáveis . Os técnicos descobriram o material a partir de hidroxipropil metilcelulose (HPMC) e resíduos industriais de celulose bacteriana. Dessa última, são extraídos materiais que formam compósitos, neste caso, formados por nanocristais de celulose bacteriana e HPMC, ambos já utilizados na fabricação de filmes biodegradáveis.

A conjugação dos dois materiais resultou em um filme superior aos fabricados apenas com HPMC. Os achados da pesquisa, realizada com apoio da FAPESP, foram publicados no periódico Applied Material & Interfaces.

“A ideia era incorporar os nanocristais de celulose bacteriana em matrizes de HPMC para melhorar suas propriedades e, além disso, criar protocolos mais verdes para o desenvolvimento de novos compósitos, do material em si à sua origem, por isso incluímos o reaproveitamento de resíduos industriais no trabalho”, explica Márcia Regina de Moura Aouada, química da Unesp e coautora do trabalho.

Aouada é pesquisadora do Centro de Desenvolvimento de Materiais Funcionais (CDMF), um Centro de Pesquisa, Inovação e Difusão (CEPID) da FAPESP. Desde o seu doutorado, ela estuda filmes de fontes renováveis, comestíveis e biodegradáveis, com o objetivo de reduzir a crescente geração de resíduos sólidos oriundos do descarte de embalagens alimentícias, em especial as de plástico.